Yunes faz nova provocação a Padilha e diz que aceita acareação com doleiro Funaro

Falando hoje para o jornal Zero Hora, Porto Alegre, em resposta ao operador Lúcio Bolonha Funaro, o ex-assessor especial da Presidência da República José Yunes disse que aceita fazer uma acareação com quem quer que seja para esclarecer o episódio do recebimento de um envelope endereçado ao ministro licenciado da Casa Civil, Eliseu Padilha.


— Aceito acareação com quem quer que seja ratificando todos os dizeres do meu depoimento .

O amigo do presidente Michel Temer quer que Padilha participe da acareação.

Lúcio Funaro e Padilha disseram que Yunes mentiu sobre entrega de dinheiro da Odebrecht no seu escritório.

11 comentários:

Anônimo disse...

É UMA HISTÓRIA "CORTA LUZ"

ESTÃO DISTRAINDO , DESVIANDO A ATENÇÃO DE ALGO IMPORTANTE.

Anônimo disse...

É BAILE COBRAS! ACHO QUE O SANGUE ÁRABE VAI VENCER EM RELAÇÃO AO MANEZINHO DE CANELA E DE TRAMANDAÍ BEACH!

Anônimo disse...

Para o bem do povo brasileiro que trabalha e paga impostos, espero que o Padilha caia.
Um a um os ladrões do governo Temer vão caíndo

Anônimo disse...

Globo censura protestos fora Temer no Carnaval:

27/02/2017 - Jornal GGN

Apesar focos de protesto em todo o país, ampla cobertura da Globo omitiu "Fora Temer" gritado por milhares de foliões...

Carnaval da Globo não tem "Fora Temer"

O Jornal Nacional deste sábado (25) fez uma ampla cobertura sobre o carnaval de rua em todo o país e conseguiu esconder os inúmeros protestos contra o covil golpista. Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Salvador foram destaque em três blocos do telejornal de maior audiência da tevê brasileira. Mas a TV Globo simplesmente omitiu o "Fora Temer" gritado por centenas de milhares de foliões.

Por Altamiro Borges*

Na Praça Campo Grande, por exemplo, a banda System puxou um gigantesco coro contra o usurpador diante do camarote do prefeito de Salvador, o demo ACM Neto. Não saiu nada no JN. Já no tradicional Pelourinho, o cantor Caetano Veloso apareceu de surpresa, cantou a música "Alegria, alegria" e foi acompanhado de um alegre refrão contra o Judas. Também nada no JN.

A mesma cena se repetiu nas outras capitais. A TV Globo simplesmente censurou os protestos. A irreverência dos carnavalescos só não se perdeu graças à internet, que viralizou dezenas de vídeos das manifestações, e à cobertura da mídia alternativa. O jornal Brasil de Fato tem postado várias matérias sobre as manifestações de rebeldia. Segundo relata o jornalista Wallace Oliveira, o "Fora Temer" está incendiando o carnaval em Belo Horizonte. "Me beija que eu não sou golpista”. Com esse lema, o protesto contra o governo não eleito de Michel Temer (PMDB) tomou as ruas da capital mineira, unindo a alegria do carnaval à consciência política".


"A história começou há alguns meses. Em abril de 2016, no auge do processo de impeachment contra a presidenta eleita Dilma Rousseff, um grupo de fiscais da receita estadual se uniu para lutar contra o golpe e a fragilização da democracia. De lá para cá, ele produziu milhares de materiais de agitação, como cartazes, faixas, camisas e adesivos, espalhando o 'Fora, Temer' por todo canto da cidade. Para o carnaval, o grupo produziu mais de 260 mil adesivos e está entregando kits 'Fora, Temer' para 30 blocos. Cada kit contém 1.000 adesivos com a logo do bloco e mais mil adesivos genéricos, além de outros materiais. O grupo financia seu trabalho vendendo camisetas, abadás e panos de chão"....

PS: Já contra Dilma o JN e a Globo, como um todo, convocava os Coxinhas para irem as ruas e para Panelaços. Por seu turno a FIEPS bancava até comida da boa para os Coxinhas. O governo do Estado de SP também fez a sua parte abriu as catracas dos trens de graça e a Revista inVEJA distribuiu Revistas...

Anônimo disse...

Justiça pede prisão de militares envolvidos na greve do ES:

27/02/2017

Justiça Militar decretou detenção de quatro, entre eles o ex-deputado e militar Assumção, que fugiu após voz de prisão

Jornal GGN - A justiça Militar do Espírito Santo decretou a prisão de quatro militares, acusados de coordenar a motim e greve dos policiais militares no Estado, dentre eles o ex-deputado federal e militar da reserva chamado de capitão Assumção que conseguiu escapar após receber voz de prisão.

Dos outros militares que tiveram prisão decretada, apenas o tenente coronel Carlos Alberto Foresti foi detido, após se apresentar pessoalmente a uma unidade policial de Itaperuna, Rio de Janeiro, de onde foi encaminhado para o presídio da PM do Espírito Santo, em Vitória.

Em entrevista ao Estadão, o secretário de Controle e Transparência do ES, Eugênio Ricas afirmou também que o Estado enfrenta um quadro de "terrorismo digital". Segundo ele, 80% das mensagens nas notícias relacionadas à greve compartilhadas nas redes sociais teriam partido de pessoas que estão fora do Estado.

O governo também acusa os militares que coordenaram a greve de extremistas e aliados ao deputado federal, Jair Bolsonaro. Ontem, domingo (26) o político divulgou na sua página do Facebook que só se manifestaria da acusação se o assunto fosse gravado em vídeo e abordado ao vivo....

PS: Foi só o Bolsonaro crescer nas pesquisas que o PMDB/PSDB jogaram uma bola nas costas do elemento. Agora os faXistas vão ter um xilique...

Anônimo disse...

Que surubão

Anônimo disse...

Noblat angustiado: ‘Temer subiu no telhado’
Por Altamiro Borges

O jornalista Ricardo Noblat, blogueiro de estimação da famiglia Marinho, até que se entusiasmou com o Judas Michel Temer e, principalmente, com Marcela Temer – a “primeira-dama recatada e do lar”. Na patética entrevista coletiva com o golpista, realizada em novembro passado, a pergunta mais crítica e incisiva que ele conseguiu fazer foi: “Temer, como você conheceu Marcela?”. Haja subserviência e chapa-branquismo! Agora, porém, ele parece angustiado. Em artigo postado nesta sexta-feira (24) em seu blog, hospedado no site do jornal O Globo, ele lamentou: “O governo Temer subiu no telhado”.

Segundo a sua lamúria, “para o presidente Michel Temer, a quarta-feira de cinzas chegou antes do carnaval. A Igreja Católica trata a quarta-feira de cinzas como um dia para lembrar a fragilidade da vida humana, sujeita à morte. Temer está em ótima forma física. Quanto à saúde do seu governo, ela passou a inspirar sérios cuidados desde que o advogado José Yunes depôs à PGR no último dia 14, em Brasília. Amigo de Temer há mais de 40 anos, assessor especial dele na presidência da República, Yunes pediu demissão do cargo em dezembro depois de ter seu nome citado na delação de executivos da Odebrecht”.

No inflamável depoimento, o “quase-irmão” do golpista relatou que serviu de “mula” do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, recebendo um “pacote” que poderia conter parte dos R$ 10 milhões em propina da Odebrecht. Para Ricardo Noblat, o que José Yunes contou na Procuradoria-Geral da República “deixa Temer muito mal”. O serviçal do Grupo Globo cita a entrevista concedida à edição desta semana da revista Veja. “Fui mula involuntária”, declarou Yunes, apresentando-se como um inocente útil nas mãos de Padilha”. Diante desta bomba, que antecipa a quarta-feira de cinzas, o porta-voz informal da famiglia Marinho concluiu:

“O estrago que a entrevista causará na imagem do governo será muito grande. Por mais que Temer tenha dito que só afastará do cargo o ministro que tenha sido denunciado pela PGR ao Supremo Tribunal Federal, a situação de Padilha se tornará insustentável. Se ele não agir com rapidez livrando-se desde logo de Padilha, sua própria situação deverá ser duramente afetada. Afinal, segundo Yunes, Temer foi informado por ele há mais de dois anos sobre como tudo se passou, não procurou Padilha para tratar do assunto e o nomeou ministro depois que assumiu a vaga da ex-presidente Dilma Rousseff”.

A conclusão de Ricardo Noblat, que só fala o que os donos autorizam, pode indicar que a Rede Globo, principal protagonista do “golpe dos corruptos”, prepara-se para desembarcar do covil de Michel Temer. Bem informada, inclusive pelo compadre Sergio Moro – tão premiado pelo império global devido aos serviços prestados na seletiva e midiática Lava-Jato –, a famiglia Marinho talvez até já tenha obtido acesso a outros vazamentos sobre as relações sinistras entre José Yunes, Eliseu Padilha e o chefão da quadrilha, o presidente ilegítimo. Daí a conclusão de que “o governo Temer subiu no telhado”.

Em tempo: Na semana passada, o covil golpista obteve duas vitórias na sua missão para “estancar a sangria” das investigações sobre corrupção. Emplacou o nome do “guarda-costas” Alexandre de Moraes como ministro do Supremo Tribunal Federal e nomeou Osmar Serraglio, fiel aliado do correntista suíço Eduardo Cunha, para a função de ministro da Justiça. Tudo parecia uma festa na semana de abertura do Carnaval. As confissões do “ingênuo” José Yunes, porém, estragaram a “suruba”. Para complicar ainda mais o cenário, antecipando a quarta-feira de cinzas, nesta sexta-feira (24), a Interpol prendeu em Miami, na Flórida, os dois principais operadores do PMDB em contas no exterior – os ricaços Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho. Eles já chegaram ao Brasil e podem atazanar de vez a vida da quadrilha que assaltou o poder. A conferir!

Anônimo disse...

Com prisão decretada, ex-deputado foge de cerco policial:

Estadão/UOL

27/02/2017

A Justiça Militar do Espírito Santo decretou anteontem, a pedido do Ministério Público Estadual, a prisão de quatro policiais por envolvimento no motim dos policiais militares do Estado. Eles são acusados de incitar o movimento e de aliciamento de outros policiais com a divulgação de áudios e vídeos em redes sociais.

A polícia tentou prender os quatro em suas casas, mas não os encontrou. Um deles, o ex-deputado federal e militar da reserva conhecido como capitão Assumção, foi encontrado mais tarde no 4º Batalhão da PM, em Vila Velha. Os policiais da Corregedoria da PM chegaram a detê-lo, mas ele escapou. Segundo agentes da equipe que tentou prendê-lo, Assumção, que é aliado do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), conseguiu fugir em meio a um tumulto criado por um grupo de colegas e de mulheres de policiais amotinados, que se manifestava em frente ao quartel.

Houve troca de empurrões e o ex-deputado escapou depois de receber voz de prisão.

Ps: Líder da greve "criminosa", segundo o editor, é ligado ao Bolsonaro? Soco na barriga de seus seguidores faXistas, que lincavam a lideranças dos grevistas ao PT. TOMA

Anônimo disse...

ERA TEMER VIRA BBB DA CORRUPÇÃO E TERÁ ACAREAÇÃO YUNES-FUNARO:

27/02/2017 - Brasil 247

O governo de Michel Temer pode se transformar num Big Brother da corrupção brasileira; o empresário José Yunes, que usou uma expressão do tráfico de drogas e disse ter sido "mula" de Eliseu Padilha, ministro licenciado da Casa Civil, aceitou a proposta de Lucio Funaro, operador de Eduardo Cunha, para uma acareação; o pano de fundo dessa história é o pedido de R$ 10 milhões feito por Temer à Odebrecht em pleno Palácio do Jaburu, que ajudou a pagar 140 deputados, segundo Funaro teria relatado a Yunes; ou seja: tanto a eleição de Cunha para a presidência da Câmara como o impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff foram feitos com votos comprados pela turma de Temer...

PS: Socorooooooooooooooo, chama o papa para dar um jeito na República pq a PF/MPF/STF são inconfiáveis.

Anônimo disse...

ERA TEMER VIRA BBB DA CORRUPÇÃO E TERÁ ACAREAÇÃO YUNES-FUNARO:

27/02/2017 - Brasil 247

O governo de Michel Temer pode se transformar num Big Brother da corrupção brasileira; o empresário José Yunes, que usou uma expressão do tráfico de drogas e disse ter sido "mula" de Eliseu Padilha, ministro licenciado da Casa Civil, aceitou a proposta de Lucio Funaro, operador de Eduardo Cunha, para uma acareação; o pano de fundo dessa história é o pedido de R$ 10 milhões feito por Temer à Odebrecht em pleno Palácio do Jaburu, que ajudou a pagar 140 deputados, segundo Funaro teria relatado a Yunes; ou seja: tanto a eleição de Cunha para a presidência da Câmara como o impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff foram feitos com votos comprados pela turma de Temer...

PS: Socorooooooooooooooo, chama o papa para dar um jeito na República pq a PF/MPF/STF são inconfiáveis.

Anônimo disse...

Secretária vai confirmar versão contada por Yunes
:
O amigo e ex-assessor de Michel Temer disse que tem como comprovar a história que contou à força-tarefa da Lava Jato, de que recebeu em seu escritório de advocacia documentos em nome de Eliseu Padilha, que na verdade seriam R$ 4 milhões em propina da Odebrecht; ele indicou sua secretária como testemunha e disse que ela pode confirmar a versão de que Lucio Funaro entregou o "pacote"