Artigo, Leonardo Arruda - O fenômeno Bolsonaro

Outro dia assisti a um documentário na Netflix sobre a Guerra do Vietnã. Realmente impressionante!
Entre 1965 e 1975, período de maior engajamento norte-americano no conflito, morreram 58 mil solados americanos. Ou seja, 5.800 mortos por ano em média. Este morticínio levou a sociedade americana a um total repúdio à guerra, com grandes manifestações por todo país. Foi um trauma que os norte-americanos nunca esqueceram e, até hoje, tem dificuldade de tocar no assunto.

Isso me levou a fazer uma comparação com o Brasil. Por aqui, morrem 63 mil pessoas assassinadas por ano e o governo não dá a menor importância. Ou seja, enquanto nos EUA seis mil mortos por ano é considerado uma taxa inaceitável, por aqui, dez vezes mais não causa nenhum assombro no governo ou na mídia. A mídia só se manifesta quando morre alguém importante (um médico famoso, por exemplo) ou com a qual tenha afinidade ideológica, como foi o caso de Marielle Franco. Se o “Zé das Couves” foi assassinado no subúrbio e deixou sua família desamparada, ninguém em absoluto dá a menor atenção. Mas imaginar que essa opressão não provoque profunda indignação na sociedade, tal como ocorreu nos EUA, demonstra apenas falta de sensibilidade política.

Vamos imaginar que desses 63 mil mortos, a metade seja constituída por criminosos pelos quais ninguém vai derramar uma lágrima. Restam os outros 31.500 cidadãos de bem, muitos deles policiais, que foram assassinados por motivos fúteis, tais como um celular, uma mochila ou uma bicicleta. Ainda assim é uma taxa anual seis vezes maior que a cobrada pela Guerra do Vietnã. 

CLIQUE AQUI para ler tudo.

6 comentários:

Anônimo disse...

o general do governo Temer que tem nome de sopa de letrinhas disse uma boa:

"Ruimdade foi "eleito" para fiscalizar o governo eleito"...kkkkkk

uma definição positivista para um notório perdedor das urnas...

já a segunda surra de votos que toma...

espero que suma pra sempre da politica...

vai la fiscal, fiscaliza....ahahaah

Anônimo disse...

NÃO SE TRATA DE FALTA DE "SENSIBILIDADE POLÍTICA" COMO AFIRMA O ARTICULISTA! É GRAMSCISMO MESMO! É IDEOLOGIA COMUNISTA PARA ACABAR COM A FAMÍLIA, COM OS EMPREENDEDORES, COM A REAÇÃO AOS BANDIDOS, COM O PROGRESSO, COM A SEGURANÇA, COM A CLASSE MÉDIA, COM A DEMOCRACIA; É PARA AUMENTAR A BANDIDAGEM, O TRÁFICO, A PAUTA GLBT ETC. É ISSO!

Adilio Faustini disse...

Lema do Estado de São Paulo

Pró Brasilia fiant eximia
"Pelo Brasil faça-se o melhor"

Anônimo disse...

A situação piorou depois que essa quadrilha que acabou co a economia do país, ficou 13 anos na roubalheira. Desarmaram a população de bem e deixaram a bandidagem armada, mais do que o próprio exército. Espero que o presidente Bolsonaro procure diminuir esses índices. Acabe com o dinheiro público para o MST e as ONGs.

Anônimo disse...

as redes sociais do capitão impuseram uma gloriosa e arrebatadora DERROTA aos grandes conglomerados midiaticos...

foi uma VITORIA de proporções biblicas, tal qual Davi para com Golias...

acertamos a pedrada diretamente na cabeça (de Medusa) da grande mídia corporativa e a deixamos agonizando ao chão...

Padre illuminata
Gloria in unum Diem

Anônimo disse...

A violência é consequência direta da chegada a esquerda ao poder nos anos 80. Podem perguntar para qualquer pessoa mais velha, a maioria que eu conheço comentam que na época do Regime Militar tinha segurança. Os militares saíres, a esquerda do PSDB, PT e PMDB aumentaram a violência absurdamente. A esquerda ama os criminosos, é assustador mas eles amam o crime.

Esses 30 anos da esquerda foi uma destruição da sociedade. Destruíram a educação, a segurança pública, valores, a soberania nacional, empregos, instituições e a economia só não foi destruída por que o Plano Real salvou por 20 anos e já está nas últimas.

Por isso o povo cansou da esquerda, por que viram que foram enganados e que eles não tinham projeto de redemocratização mas de tomar o poder si mesmos.