Artigo, Luiz Milman - A corrupção petista

Na história da implantação do totalitarismo comunista, os membros das elites revolucionárias que conduziram seus povos ao desastre social e econômico e que cometeram genocídios, também sempre encheram as burras com a corrupção desenfreada, e viveram (alguns ainda vivem) como nababos atolados na degradação. O petismo é, como o chavismo, a mais recente versão dos movimentos salvacionistas que têm, no crime praticado em escala de massa, não um componente marginal, mas um modus operandi essencial.
Discutir a corrupção nos termos que a intelligentzia do PT propõe é uma agressão ao juízo sadio e à capacidade analítica das pessoas razoavelmente informadas, não contaminadas por qualquer forma de esquerdismo. Os petistas não podem ser vistos como isoladamente corruptos ou criminosos, como quaisquer outros podem ser. Eles o são doutrinariamente, coletivamente. A adesão ao PT, como a adesão ao comunismo, já é a adesão a uma forma de vida no crime. Mesmo o mais puritano dentre eles, na medida em que adota um credo gnóstico-materialista como o marxismo-leninismo, imediatamente se solidariza com a práxis subversiva da ordem econômica e política burguesa e sua expressão, o estado democrático-constitucional. Na práxis revolucionária, importa apenas, ao sujeito psicótico em seu estado de alucinação permanente – e que pensa como integrando um movimento coletivo de transformação historicamente determinada- derrubar as instituições e a cultura dominantes, por meio de um vale-tudo em que convivem desde as mais diversas formas de nihilismo e rebeldia, a gatunagem em nome da causa, até a luta armada, passando pela eliminação necessária das oposições, por qualquer meio, não somente no plano político-institucional, mas moral.

Por isso, a atual crise do ciclo petista de poder expressa a rejeição vigorosa, oportuna e saudável da resistência do povo brasileiro ao que, depois de décadas de pregação esquerdista nas escolas, universidades, igrejas, partidos políticos e mídia tradicional, vinha se configurando como desastrosa marcha para o totalitarismo.

Jornalisa, professor da Ufrgs, doutor em Filosofia. 

8 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom o artigo. Vejam também:
Luciano Ayan Ceticismo e dinâmica social na investigação da religião política
O psiquiatra Lyle Rossiter nos comprova que o esquerdismo é uma doença mental


Geralmente vemos esquerdistas se referirem a quem é da direita como um “louco da direita”, e daí por diante. O problema é que a crença da direita é coerente até com o que a teoria da evolução tem a nos dizer. Enquanto isso, a crença esquerdista é baseada em quê? É isso que começamos a investigar de uma forma mais clínica a partir do livro The Liberal Mind: The Psychological Causes of Political Madness, de Lyle Rossiter, lançado em 2011.
Conforme a review da Amazon, já notamos a paulada que será dada nos esquerdistas:
Liberal Mind traz o primeiro exame profundo da loucura política mais relevante em nosso tempo: os esforços da esquerda radical para regular as pessoas desde o berço até o túmulo. Para salvar-nos de nossas vidas turbulentas, a agenda esquerdista recomenda a negação da responsabilidade pessoal, incentiva a auto-piedade e outro-comiseração, promove a dependência do governo, assim como a indulgência sexual, racionaliza a violência, pede desculpas pela obrigação financeira, justifica o roubo, ignora a grosseria, prescreve reclamação e imputação de culpa, denigre o matrimônio e a família, legaliza todos os abortos, desafia a tradição social e religiosa, declara a injustiça da desigualdade, e se rebela contra os deveres da cidadania

Anônimo disse...

Excelente análise. Para o esquerdista, especialmente da facção leninista, suas ações nunca são criminosas, pois contribuem para o progresso do socialismo. Mentir, trapacear, furtar, roubar, caluniar, agredir, torturar, matar estão plenamente justificados pela luta contra burguesia exploradora.

Anônimo disse...

olha essa polibio de minas:

Do uai:
Membros do PT, ministros e líder do MST serão homenageados em entrega da Medalha da Inconfidência
Mais enxuta do que nos anos anteriores, a lista de agraciados veio a público nessa sexta-feira

Correligionários do PT têm lugar garantido entre os 141 homenageados na primeira solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência comandada pelo partido. Mais enxuta em relação a edições anteriores – ano passado, foram mais de 200 pessoas –, a lista de agraciados veio a público ontem e contempla nomes da equipe da presidente Dilma Rousseff (PT), secretários de estado do governador Fernando Pimentel (PT), além de deputados da base aliada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais e na Câmara dos Deputados. O presidente do Movimento dos Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, também será condecorado na cerimônia de 21 de abril, em Ouro Preto, a maior homenagem concedida pelo estado.
Conforme o Estado de Minas publicou ontem, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, será o orador da solenidade e também receberá o Grande Colar, comenda de grau máximo. A lista de homenageados conta com os ministros Carlos Eduardo Gabas, da Previdência Social, e Nelson Henrique Barbosa Filho, do Planejamento, Orçamento e Gestão. Em meio às declarações do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre “pedaladas fiscais” no governo Dilma, o ministro do TCU, Bruno Dantas Nascimento, também virá a Minas para ganhar a medalha.

Entre outros nomes da confiança da presidente, participarão da solenidade o advogado-geral da União (AGU), Luís Inácio Lucena Adams, e o presidente do Banco do Brasil, Alexandre Corrêa Abreu. O primeiro escalão de Pimentel não ficou de fora, com condecorações direcionadas a seis secretários: Macaé Evaristo (Educação), Helvécio Magalhães (Planejamento e Gestão), Odair Cunha (Governo), Fausto Pereira dos Santos (Saúde), Murilo Valadares (Obras), Marco Antônio Rezende Teixeira (Casa Civil).

Ao contrário do ano passado, a cerimônia ocorrerá pela manhã, às 10h, na Praça Tiradentes. O acesso ao público será livre apenas em frente à Escola de Minas. Além de políticos, a solenidade vai premiar também advogados, professores, médicos, empresários, atletas, entre outras personalidades.

A Medalha da Inconfidência é concedida a pessoas e entidades que, na avaliação do governo, contribuíram para o desenvolvimento de Minas e do Brasil. Trata-se da maior homenagem oferecida pelo Estado e conta com quatro graus: Grande Colar, Grande Medalha, Medalha de Honra e Medalha da Inconfidência.

Anônimo disse...

La vai de novo haver se edito publica.
Coxinha assumido sera que assina ou bate cartão ponto onde recebe um otimo salario que é na UFRGS.

Anônimo disse...

Matou a pau! Mas e os milicos, o que dizem sobre tudo isso?!!!!!! Ou na verdade estão pretendendo ver o Brasil pegar fogo, para então darem um golpe de esquerda de apoio ao governo ladrão e implantação definitiva do totalitarismo?! Sabe-se lá o que os militares andaram fazendo nos quartéis esses anos todo!

Anônimo disse...

Não entendi o petralha das 17:44 hs!!! Quer dizer então, como ele trabalha em uma universidade federal, que não pertence ao PT, deve concordar com tudo o que a quadrilha petralha faz?! Não seu canalha pilantra, ele não deve pensar como você, que provavelmente é sustentado por verba pública federal e por esse motivo é um baba o ovo do chefe ladrão, o Lula!!!!! Sou funcionário público, e sou anti-petralha e anti-esquerda, seu idiota manipulado, aprenda a pensar e agir por si próprio! Babaca!

Anônimo disse...

O anônimo das 17:44 pode ser reconhecido como esquerdista, pois se encaixa perfeitamente (como se fosse uma segunda natureza) no perfil caluniador citado pelo comentarista das 15:43.

anonimo das 17.44 disse...

anônimos das 23.49 e 23.30
Não o caluniei e não menti e nem quero que pense como o governo que esta no poder mas sim se bate o ponto ou assina na UFRGS pois o vejo seguido em rádios e TV dando entrevistas se é relações publicas da mesma não é professor e as entrevistas e artigos do mesmo são sempre contra a instituição ou governo que o paga se fosse na iniciativa privada que ele tanto elogia levaria um pé na bunda .compreendo as criticas de anônimos que se ofendem quando são chamados de coxinhas e se assunem eu não assumo que sou petralha como dizem por isto não me ofendo mas sim um servidor publico concursado (colega portanto do articulista) o das 23.30 e sustentado por dinheiro publico como servidor batera o ponto ou coloca o dedão no eletrônico e sai para dar entrevistas por ai volta no final do expediente para validar e no fim do mês passa no no caixa para receber seu salario ou não? e deve ser da turma do articulista.estou de 8.30 ate as 1200 e das 14.00 ate as 18.00 na receita federal buscando Coxinhas Petralhas Peessedebistas Pessebistas Petistas pedetistas Demos e o diabo a quatro de sonegadores.viram as reportagens de fim de semana de uma coitada de uma domestica que prestava serviço para 502 declarantes sera que erraram ou o nome da empregada e homônima de pai,mãe,avo,bisavó data de nascimento RG CPF. abraços e a divergência só é boa na democracia pois na ditadura não estaríamos trocando mensagens com tantas palavras de baixo calão da parte de vocês.