Xico Grazziano volta a ser cotado para o Meio Ambiente

Xico Grazziano voltou a ser cotado para o ministério do Meio Ambiente.

É o que diz o Estadão deste domingo.

7 comentários:

Anônimo disse...

Xico Grazziano? Sei não ...

Thiago disse...

Deveria colocar o Gabeira, acho que a única mente saudável na esquerda. Assim ajudaria na unificação do pais, maostrar que não existe o "nós contra eles" mas na realidade os "fanáticos esquerdopatas bandidos contra todos"

Anônimo disse...

É para manter a agenda globalista?

Anônimo disse...

A primeira aula para qualquer "ambientalista" é informar quais são os elementos que compõem os RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS e a partir dai, dentre estes componentes, ESCOLHER AS PRIORIDADES a serem atacadas, baseando-se em qual ou quais deles se comprometidos causam mais prejuízos aos seres humanos e de que formas fazê-lo. Os cinco componentes dos RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS são: AR, ÁGUA, SOLO, FLORA e FAUNA. Cabe destacar que dentre eles o que mais prejudica os seres humanos são os SOLOS, ou seja, as PERDAS DE SOLOS se não devidamente controladas. São os solos que assoreiam os rios, lagos e todos os cursos dágua, são eles que causam desmoronamentos de encostas INGREMES, são eles que causam erosões em locais de DECLIVIDADES ACENTUADAS, sendo transportado rios abaixo para LONGAS DISTÂNCIAS,onde são depositados e CAUSAM ASSOREAMENTOS e onde por serem LOCAIS PLANOS, VÁRZEAS nem existe EROSÃO A SER CONTROLADA pois para haver erosão hidrica tem que haver declive,logo os locais planos são apenas os receptores de solos provenientes de locais mais elevados e declivosos de cada bacia hidrográfica. E estas PERDAS DE SOLOS POR EROSÃO são terrivelmente onerosas para a agricultura, pois os solos são a base para a produção dos alimentos.
Por não levar em conta que NÃO EXISTE EROSÃO HIDRICA SEM DECLIVIDADE, os "sábios" do código florestal contrariaram as ciências introduzindo a obrigatoriedade de plantio de florestas ao longo de cursos de água em LOCAIS PLANOS, em VÁRZEAS para "COMBATER A EROSÃO"! Ora, a erosão se combate é em DECLIVES com MEDIDAS CONSERVACIONISTAS DOS SOLOS como CURVAS DE NÍVEIS em locais pouco declivosos como hoje já fazem os agricultores, reduzindo a poluição das águas dos rios, até a construção de PATAMARES em locais EXTREMAMENTES DECLIVOSOS, aquelas "ESCADINHAS" como são feitas na CHINA a milhares de anos e BRAÇALMENTE, com o intuito de amenizar, "amansar", reduzir a velocidade das águas morro abaixo e assim REDUZIR AS PERDAS POR EROSÃO, e, de quebra, APROVEITAR MILHÕES E MILHÕES DE HECTARES de ÁREAS EXTREMAMENTE INGREMES E SEM USO para a agricultura em suas áreas serranas, onde são plantados até extensos arrozais irrigados. As florestas, mesmo em locais de grandes declives como CONTROLADORAS DAS EROSÕES são menos eficientes que os PATAMARES, de vez que estes uma vez construidos tem vários locais para a descida das águas em enxurradas e assim dificultam o deslizamento de encostas e além de ter vegetação auxiliar de controle, como pastagens perenes ou culturas agricolas permanente como café ou frutiferas, enquanto as florestas controlam as erosões até certo ponto onde possam captar a água juntamente com a capacidade de absorção dágua do solo, onde, transposto este limite as encostas vem abaixo levando tudo por diante, fato corriqueiro nas serras de Petrópolis e Teresópolis, no Rio de Janeiro, e em morros de qualquer cidade onde tais práticas de controle de erosão e de ENXURRADAS NUNCA são levadas em conta. Este é o começo do conhecimento básico, é o BEABÁ INICIAL para qualquer pessoa que queira manejar os RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS-AR, ÁGUA, SOLO; FLORA E FAUNA.

Anônimo disse...

Deveriam colocar um nome experiente e novo. Alguém que foi do PSDB não pode ser bom. Mesmo tendo saindo do partido, ficou muito tempo lá e deve ter muitos vícios desse partido.

Anônimo disse...

Ex-tucano é igual a ex-petista: agenda de esquerda, do mimimi. Ambas as legendas são igual a cu e cueca.

Anônimo disse...

Putz ... transforma numa secretaria e fecha as torneiras públicas que derrama o maná das ONGs ambientalistas.