Artigo, Mateus Bandeira, Zero Hora - Esperança em tempos difíceis

A imagem do copo meio cheio, meio vazio pode ser a melhor representação do ano que passou. Dependendo de como o observamos, foi o período do aprofundamento da crise. Ou do recomeço.

De um lado, dívida pública ascendente, desequilíbrio fiscal e paralisia estatal desalentam. No entanto, a face mais cruel da crise são os 13 milhões de desempregados e a inédita quebradeira empresarial. Essa tragédia brasileira resultou da soma de incompetência administrativa, menosprezo a lições econômicas consagradas e acirramento político.

A opção entre a velha e a nova política, entre o velho e o novo Brasil, é nossa.
Por outro lado, ficamos animados com a retomada da criação de empregos e de investimentos, inflação baixa, juros em queda, Petrobras e Eletrobras em processo de saneamento e volta do debate sobre privatizações. Ainda que oscilante, há uma chama de esperança para 2018.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

6 comentários:

  1. Artur Nogueira diz:
    Aplausos. Parabéns ao autor pela lucidez e coerência nesse artigo.

    ResponderExcluir
  2. O cara mamou 2 anos no Banrisul recebeu quase um milhão em salários e etc. E agora vem com essa conversinha de privatizar o banco, mas um coxinha hipócrita q defende o estado mínimo pros outros, mas pra ele uma tetinha é sempre bem vinda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Olívio mamou 40 e tu não fala nada né cretino

      Excluir
  3. O Olívio era funcionário concursado, imbecil das 15:17!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas que mamou ... mamou

      Excluir
    2. O Banrisul nunca abriu concurso para funcionário passar o dia inteiro no Sindicaro apoiando e fazendo política pro PT !

      Mamava sim e na garrafa

      Excluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.