Caixa é obrigada a trocar agência de publicidade

A Caixa Econômica Federal foi obrigada pela Justiça a colocar a agência de publicidade Propeg no lugar da Borghi-Lowe, descartada pelo envolvimento nas investigações da Operação Lava Jato. Dono de uma das três maiores contas de publicidade do País, o banco estatal gasta R$ 500 milhões por ano em publicidade. A verba é dividida entre quatro agências.

A licitação dessa conta de publicidade foi feita em 2012. Pelo edital, a Caixa selecionaria quatro empresas que manteriam a concorrência interna entre elas pelo período do contrato, com vigência de um ano e possibilidade de renovação por até cinco anos (até 2018). As quatro vencedoras da licitação apresentam propostas ao banco durante esse período e são remuneradas por cada trabalho.

No ano passado, a Caixa renovou com três agências: Heads Propaganda, Nova S/B Comunicação e Artplan Comunicação, deixando de fora a Borghi-Lowe, primeira colocada no processo de seleção.

6 comentários:

  1. DEVERIA SER OBRIGADA A NÃO FAZER PROPAGANDAS.

    ResponderExcluir
  2. Se existe a obrigatoriedade de recolher determinados tributos exclusivamente na Caixa,
    porque propagandas ?

    No passado o FGTS podia estar em qualquer banco, hoje não é só Caixa.

    ResponderExcluir
  3. Onde tem PT-partido-quadrilha o roubo é CERTO.

    ResponderExcluir
  4. TUDO QUE É PÚBLICO DEVERIA SER PROIBIDO FAZER PROPAGANDAS.

    PARA A EPIDEMIA DE ZIKA NÃO TEM. PARA PROPAGANDAS, PATROCÍNIOS DE JOGOS,
    ALTOS CACHES PARA ARTISTAS TEM.

    É UMA VERGONHA.

    ResponderExcluir
  5. Polibio, é preciso fazer uma operação similar a Lava-Jato nestes contratos de publicidade de estatais federais com a grande mídia, principalmente para verificar se estão entregando tudo que foi contratado!

    ResponderExcluir
  6. Governo deveria ser proibido de fazer propaganda! Propaganda de governo é a entrega de obra pronta!

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.