Cade abriu, hoje, processo para apurar cartel nas licitações de trens do Trensurb

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) instaurou nesta quinta-feira processo administrativo para apurar indícios de cartel em licitações de trens e metrôs nas vendas feitas pela Alston e CAF para o Trensurb, Rio Grande do Sul. O Cade poderá pedir ajuda à Polícia Federal. 

. O Trensurb é controlado por sindicalistas indicados pelo PT. 

. Também serão investigadas vendas cartelizadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

. O Cade considera licitações feitas entre 1998 e 2013, totalizando 18 empresas e 109 funcionários.

9 comentários:

  1. Para quem conhece a lei 8666 (normas para licitações e contratos da Administração Pública) pode analisar a cronologia abaixo, com relação à compra de trens por parte da TRENSURB:
    1-2 de agosto de 2012 - Audiência Pública com apresentação das especificações técnicas dos trens.
    2-08 de outubro – Emissão do Edital
    3-23 de outubro de 2012 – Questionamentos do Edital por parte das contratadas.
    4-23 de outubro de 2012 – Visita técnica da CAF
    5-24 de outubro de 2012 – Visita técnica da ALSTOM
    6-31 de outubro de 2012 – Seção Pública Para Abertura de Proposta (conforme edital)
    7-08 de novembro de 2012 – Apresentação de proposta (conforme DOU)
    8-12 de novembro de 2012 – Adjudicação
    9-26 de novembro de 2012 - Assinatura do contrato
    Não é qualquer licitação. São R$ 243.756.000,00 (duzentos e quarenta e três milhões, setecentos e cinquenta e seis mil reais) envolvidos.
    A TRENSURB não comprou bananas, comprou trens de alta tecnologia. E tudo feito com uma velocidade alucinante.
    Item C do edital: Os consórcios entre empresas brasileiras, caberá a liderança à aquela que comprovar deter maior conhecimento técnico, conforme características definidas para a qualificação técnica.
    Tanto a ALSTOM como a CAF têm condições técnicas para fabricar qualquer tipo de trem.
    O interessante de tudo que no edital constantemente é mencionado a palavra consórcio.
    E os gestores da TRENSURB desconhecem a prática de ilegalidade nesta licitação!!
    Por favor, não sejamos ingênuos.

    ResponderExcluir
  2. As empresas que passam a responder processo no Cade são, entre outras:
    • Alstom Brasil Energia e Transporte Ltda.;
    • CAF Brasil Indústria e Comércio;
    • T'Trans Sistemas de Transportes S.A.;

    Na Trensurb, no período de gestão dos sindicalistas do PT:
    • Expansão Novo Hamburgo: No Consórcio Nova Via - T'Trans.
    • Conexão Metrô-Aeroporto (Aeromóvel): Na fabricação dos veículos - T'Trans (única licitante)
    • Aquisição de 15 trens: Consórcio FrotaPOA, formado por Alstom e CAF (único licitante).

    “As más companhias são como um mercado de peixe; acabamos por nos acostumar ao mau cheiro.” Provérbio chinês.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo das 19:53 - "O interessante de tudo que no edital constantemente é mencionado a palavra consórcio."

    É premonição dos dirigentes da Trensurb (rs, rs, rs). São marionetes e aprendizes de feiticeiro.

    ResponderExcluir
  4. Que interessante esta cronologia. Que prazos exíguos! Quanta pressa!

    Qual o tamanho e conteúdo deste edital, pois em apenas 20 dias os prováveis licitantes poderiam levantar questionamentos que certamente surgiriam com a leitura pela 1ª vez da documentação?

    Surgiu algum questionamento? Ou as especificações foram tão perfeitas que não deixavam margens para dúvidas? Que equipe fantástica!!!

    Qual o tamanho e conteúdo da proposta apresentada pelo Consórcio, pois em que apenas 1 semana foi analisada e adjudicada pela Trensurb? Que equipe fantástica!!!

    Faz me rir...

    ResponderExcluir
  5. A Dilma não conhecia o contrato da refinaria de Pasadena.
    A Dilma não conhecia o contrato da refinaria no Japão.
    Os gestores da Trensurb desconhecem a prática de ilegalidade na licitação de trens.
    Isso tudo chama-se incompetência administrativa.
    Isso tudo chama-se irresponsabilidade com o dinheiro público.

    ResponderExcluir
  6. O documento de especificação dos trens é composto de, 22 capítulos, 243 itens e 275 páginas.
    O documento contendo os questionamentos quanto ao edital é composto de sete paginas.
    Os questionamentos referem-e muito mais quanto as informações gerais do edital do que a especificação técnica dos novos trens.

    ResponderExcluir
  7. O edital possui 56 páginas e a especificação dos trens possui 275 páginas. Sem computar documentos de especificação de outros sistemas utilizados pela Trensurb.
    Se a presidente Dilma não sabia de nada na compra das refinarias imaginem os gestores da Trensurb.

    ResponderExcluir
  8. Um dos questionamentos interessantes:
    Questionamento 4 - Parte B – Anexo A (Especificação Técnica dos Novos Trens) – Item 1.4.15: Estamos entendendo que item 107 (conjunto de sistema de sinalização de bordo ATO), referente a Relação de Peças e Equipamentos Sobressalentes, não faz parte do fornecimento já que tal sistema não é requerido pelas especificações técnicas. Resposta: Referente ao item 107 - Conjunto de Sistema de Sinalização de bordo ATO. O entendimento está correto, uma vez que este não está previsto na especificação técnica dos novos trens, a operação com ATO. Portanto, não será necessário o fornecimento do sobressalente.
    Observação: ATO. Automatic Train Operation (Operação Automática do Trem). Este sistema não será utilizado pela Trensurb. Então porque solicitar peças e equipamentos sobressalentes???
    Que bagunça, mas entendo, toda vez que fizemos algo com pressa da M@#$%.
    Isso que dá fazer Ctrl C / Ctrl V ou copia e cola.
    As especificações dos trens novos está na internet/Google.

    ResponderExcluir
  9. O interessante é que consta no edital que o Preço Global fixado como REFERÊNCIA é de R$ 244.000.000,00 (duzentos e quarenta e quatro milhões de Reais).
    No contrato assinado com o consórcio FROTAPOA o valor global foi de R$ 243.756.000,00 (duzentos e quarenta e três milhões, setecentos e cinquenta reais).
    É muita coincidência.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.