Polícia e MPF investigam intolerância religiosa. Traficantes "de Cristo” aterrorizam religiões sincréticas

No Rio de Janeiro, a Polícia Civil e o Ministério Público Federal (MPF) articulam-se para interromper os ataques de traficantes contra terreiros das religiões de matriz africana em municípios fluminenses. O MPF pediu informações a 120 grupos religiosos que atuam nas prisões, incluindo alguns católicos.

De uns tempos para cá, a intolerância religiosa surgiu entre os bandidos também. Quando os criminosos deixam o cárcere e retornam ao crime, passam a perseguir sacerdotes e praticantes do candomblé, umbanda e outras religiões de matriz africana. Em alguns casos, até centro espírita. Diante do aumento no número de denúncias, o comando da Polícia Civil ordenou ação para responder aos ataques. 

O MPF tem inquérito civil em curso sobre a intolerância religiosa na Baixada Fluminense. 

10 comentários:

  1. Pelas ultimas decisões nas esferas judiciárias VOLTAMOS aos tempos da "Santa Inquisição".

    Moro não é Joana D´Arc mas o querem queimado.

    ResponderExcluir
  2. Traficantes de Cristo é demais. Só no Brasil temos essas aberrações. Logo Cristo, que sempre pregou o amor e o perdão. Se fossem seguidores de certo profeta que pregava aniquilar os infiéis e divergentes eu até compreenderia a intolerância. Mas deixem Cristo fora disso.

    ResponderExcluir
  3. ligados a Universal, digo, ligados a qual denominação?

    ResponderExcluir
  4. Se são cristãos votaram em Bolsonaro?

    ResponderExcluir
  5. Cristãos ligados a milicias?

    ResponderExcluir
  6. Não sei por quê, mas não parece que tem cheiro de mimimi da esquerda?

    ResponderExcluir
  7. Tem que dar um jeito nestas religiões que sacrificam animais.

    ResponderExcluir
  8. Isso tem haver com os evangélicos, que são intolerantes ao extremo. Com outras religiões.

    ResponderExcluir
  9. Alguem tem que fazer alguma coisa afinal. Nem que sejam os traficantes.

    ResponderExcluir


  10. Essa é a versão que interessa dos macumbeiros.

    Não acredito nisso e não isento as "vítimas" de suspeição e culpa.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.