Nhonho ataca Paulo Guedes: 'Governo é uma usina de crises'


Horas depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticar duramente o relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) para a reforma da Previdência, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu as críticas e defendeu o texto, ressaltando que o Parlamento está blindado das crises que são geradas pelo poder Executivo, como a desta sexta-feira. "O governo é uma usina de crises", disse.

"Vamos aprovar a reforma da Previdência. Nós blindamos a reforma das crises que são geradas todos os dias pelo governo. Cada dia um ministério gerando uma crise. Hoje infelizmente foi meu amigo Paulo Guedes, numa crise desnecessária, num momento em que o Parlamento assumiu a responsabilidade pela reforma", criticou Maia.

14 comentários:

  1. Falou Nhonho, uma usina de privilégios que ele trabalhou para enfiar no relatório da Previdência.

    ResponderExcluir
  2. Bunda larga do Rodrigo Maia, representa a defesa de vagabundos e preguiçosos.
    Funcionários públicos são a maioria uns vadios e temos que sustentar estes parasitas.

    ResponderExcluir
  3. Nhonho é um imbecil .... está na hora de cassar mandatos de políticos que militam contra o povo.

    ResponderExcluir
  4. Maia não é flor que se cheire, ok. Mas não mentiu. É só o que esse desgoverno faz, gerar crises.
    Seja por parte do Bozo, dos filhos (que deveriam estar trabalhando em seus cargos em vez de se meter no governo), pelo astrólogo desbocado da Virgínia, pela ala militar, pela bancada da bala, pela bancada do dízimo, pelo monte de seres folclóricos eleitos somente por dizerem apoiar o capitão, pelos ministros toscos, etc.
    Em vez de trabalhar para resolver os problemas sérios só se preocupam com questões duvidosas e superficiais (vícios de uma carreira de 30 anos como deputado do baixo clero): acabar com radares, acabar com cadeirinha para crianças, armar a população, aumentar desenfreadamente o número de agrotóxicos permitidos (bolsominions devem ser imunes à doenças), etc.
    Só falam que vão acabar com o viés ideológico, porém nunca um governo aparelhou tanto seu entorno como esse. Se tinha ideologia de um lado, só foi substituída por ideologia de outro lado, multiplicado por 10! Claramente não governa para todos os brasileiros, mas somente para quem bate panela em seu apoio.

    ResponderExcluir
  5. QUE BOLSONARO É UM TRAPALHÃO despreparado todo mundo sabe. Mas o que muita gente ainda não aceita é que existe um projeto global por trás de seu governo, extremamente bem organizado, do qual ele é só a ferramenta útil.
    https://theintercept.com/2019/06/01/o-extremismo-e-um-projeto-global/

    ResponderExcluir
  6. Esse Nhonho asqueroso, detentor de míseros 74 mil votos de eleitores alienados ou desavisados(no mínimo), ele sim, é uma usina de crises artificiais para atrapalhar e difamar o governo Bolsonaro escolhido por mais de 58 MILHÕES de eleitores (tenho certeza de que foram muitos milhões mais, pois a fraude existiu para impedir uma vitória acachapante sobre o poste de luladrão).

    Esse deputado medíocre que, obteve esse cargo com base em acordos espúrios com alguns de seus pares medíocres e corruptos como ele, tem de se conscientizar de uma vez por todas que o Povo Brasileiro deseja que a agenda de Bolsonaro (que ele mentirosa e porcamente diz que não há), seja implementada por ações da Casa que preside e urgentemente!

    Nhonho, trabalhe e não atrapalhe !!

    ResponderExcluir
  7. A começar pelo Nhonho Rodrigo Maia como Presidente da Câmara dos Deputados que lá está representando o povo e não sabe porque trabalha contra o povo. É um trouxa metido a importante. Impeachment seria a opção.

    ResponderExcluir
  8. Gente, vamos deixar de melindres. Os 4 anos de Bolsonaro serão assim. Com declarações de ministros, de filhos, de Bolsonaro, de Rodrigo Maia, de Alcolumbre...Ficarão tão repetitivas que já não causam crise alguma. Todo mundo se acostuma.

    ResponderExcluir
  9. É claro que o parlamento está blindado às crises. O dinheirinho vem todo mês, trabalham pouco, não tem nenhuma responsabilidade. Se aprovarem leis que causem desequilíbrios orçamentários não serão serão punidos. É o emprego dos sonhos

    ResponderExcluir
  10. Nhonho está confundindo críticas justas à desfiguração do projeto com "crises". Querer blindar a Câmara de críticas justificadas não é saudável e nem democrático. Crise, na novilíngua, é a palavra politicamente correta para impedir qualquer comentário desfavorável. Como sempre, é o novo método que impede qualquer discussão. Querem ressalvar a sua parte, mas não querem ouvir nenhuma crítica contrária, porque isso seria uma "crise".

    ResponderExcluir
  11. Estou com o Maia nessa. A tchutchuca Guedes ficou p. da vida porque no relatório aumentaram a CSLL do sistema financeiro, kkkkk.
    No dos outros é refresco, né, Guedes? E para fechar, revoltante ver o marcel Van Hattem querendo fazer de tudo para reverter o aumento de taxação dos bancos e manter a proposta inicial e cruel do governo de diminuir o BPC de deficientes mentais e idosos miseráveis para meio salário minimo. QUE VERGONHA, MARCEL!!!

    ResponderExcluir
  12. Quem este canalha pensa que é? Nao passa do lider da gangue de ladroes do congresso

    ResponderExcluir
  13. Seja justo editor! Se o Rodrigo Maia você o trata como Nhonho o correto é tratar a Joice Hasselmann como Pepa Pig. A mão que bate em Chico deve também bater em Francisco, você não acha?! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  14. Não vou com a cara deste Maia.

    Mas não posso deixar de concordar com a afirmação dele DE QUE O GOVERNO É UMA USINA DE CRISES.

    Vejam como foi tratado este assunto do diretor de BNDES. Pra que isso?

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.