Heinze pedirá que Macri e Bolsonaro agilizem cinco obras na fronteira com a Argentina

O deputado federal Luiz Carlos Heinze, eleito senador com o apoio de Bolsonaro, foi convidado para algumas das discussões de hoje com autoridades argentinas que chegaram ontem a noite ao Brasil.

O próprio presidente Macri participa de reunião com Bolsonaro, agora, em Brasília.

Heinze, que tem base eleitoral principal em São Borja, onde foi prefeito, quer defender algumas obras de interesse bilateral, todas na Fronteira Oeste e Noroeste do RS:

- Barragens de Garabi, Panambi e Alecrim, mais as pontes de Porto Mauá, Porto Xavier e Itaqui.

Obras bilaterais entre Brasil e Argentina sempre foram evitadas pelos dois Países, sempre por razões militares, coisa que não tem mais sentido atualmente.

10 comentários:

  1. O negócio agora é levantar muro, o Brasil passou a ser altamente atraente para imigrantes ilegais.

    ResponderExcluir
  2. Na foto oficial com Macri, Bolsonaro aparece com a mao direita posta sobre o coração, um patriota, não fosse os R$33,7 mil que ele e a cambada recebeu de auxílio mudança, cinismo tem limite, ainda mais pra quem se elegeu pregando a ética na política, em tempo, votei nele.

    ResponderExcluir
  3. O gargalo está na BR 290 e na desativação da ferrovia . Mesmo que façam dezenas de pontes o problema logístico permanecerá e com tendência a piorar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito. E por que o pedágio cobrado por trocentos anos não tinha um pila para a duplicação da 290? E continuará não tendo.

      Excluir
  4. As ferrovias tinham bitolas diferentes para evitar transporte de material bélico, tanto que tinha grande quantidade de guarnições em todas as cidades da fronteiras. Muitas dessas cidades quebraram, pois movimentavam economia, com a saída dessas guarnições militares par outras regiões.

    O exército podia criar uma guarda nacional para fiscalizar essas fronteiras, mas nada de material bélico de guerra como tanques, canhões e obuseiros e cargo máximo de coronel.

    Obras com a Argentina é muito difícil, os hermanos estão quebrados, vivem de pires na mão no FMI, as reservas cambiais mal chegam a 30 bilhões dólares, enquanto o Brasil tem hoje mais de 380 bilhões de dólares. Até hoje estão pagando os calotes das moedas podres aos investidores internacionais.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinham bitolas diferentes não , ainda tem. A do brasil é estreita por medo dos castilhanos mesmo. Moral da história é que nossos trens foram fadados a rastejar.

      Excluir
  5. Itaqui já deveria ter uma ponte a muito tempo.Fizeram em Uruguaiana,São Borja e deixaram Itaqui de lado.E a mair vergonha é ponte ligando Itaqui Uruguaiana.Este país nunca vai melhorar. Sou de Itaqui e sei o que falo.A escoação de arroz dos dois municípios passa pela ponte que era de trem.Passa um carro ou caminhão por vez.Fecha um lado e passa o outro.Estamos em 2019.Inacreditável isso.Que paisinho....

    ResponderExcluir
  6. Tem gente que diz que votou em Bolsonaro, e quer que ele viva, com talvez no máximo 01(HUM) salario mínimo.

    ResponderExcluir
  7. O corredor do Mercosul não dá conta. Nosso senador pede pontes? Que estranho. Falta assessoria que conheça a situação ou está "agradando" futuros eleitores de cidadezinhas da sua base? É pra resolver ou para politicar?

    ResponderExcluir
  8. Perdemos Ana Amelia ganhamos essa inteligeeencia sofisticadiiissima no senado...lamentavel.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.