Artigo,Roque Servignini, Jornal do Comércio - Grafeno, a revolução 4.0.

Roque Severgnini é secretário de Desenvolvimento Econômico de Farroupilha, RS.

O Brasil pode virar protagonista e vanguarda na aplicação de uma tecnologia, cuja a base dela é um produto 200 vezes mais resistente do que o aço, sete vezes mais leve que o ar, mais condutor do que o cobre e o material mais transparente já visto e flexível. 

Matéria-prima não faltará, pois, o Brasil possui 48% das reservas mundiais deste produto. 

O Brasil precisa apoiar a pesquisa e a aplicação deste fenômeno chamado Grafeno. A Universidade Mackenzie construiu recentemente um laboratório de 10 andares exclusivamente para estudar o Grafeno. Recentemente, uma comitiva de empresários e entidades foram conhecer este produto. A comitiva foi liderada pela prefeitura de Farroupilha, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. A intenção da missão foi levar as indústrias ao encontro dessa nova tecnologia. 

CLIQUE AQUI para ler tudo.

18 comentários:

  1. MAIS UM MOTIVO PARA QUEM ESTAR INDECISO, EM VOTAR EM BOLSONARO, O QUAL É O UNICO PRESIDENCIAVEL QUE DEFENDE O GRAFENO HÁ UMA DECADA!

    ResponderExcluir
  2. E os intelectuais brasileiros caçoam do Bolsonaro, um homem a frente do seu tempo.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, quando Jair Bolsonaro falava do grafeno e nióbio com patriotismo, os comunistas riam dele! Ora ora ora...

    ResponderExcluir
  4. Notícia muito atrasada. O Bolsonaro já fala sobre o grafeno há mais de 10 anos e ninguém dá bola, mas como saiu no blog do editor, agora vão ouvir. Parabéns editor.

    ResponderExcluir
  5. Olha, melhor vce s ficarem na política... divulgação científica n é com vces....

    Não sabem de nada do que acontece.

    ResponderExcluir
  6. Se tivéssemos um governo decente preocupado com o desenvolvimento do país, criação de riqueza e renda deveria dar 100% de isenção de impostos e até empréstimos a juros zero para pesquisa e desenvolvimento da tecnologia. Pronto, acordei do sonho.

    ResponderExcluir
  7. Esqueça!
    É índio descobrindo fogo.
    Tecnologia nas mãos doas índios aqui é patifaria.
    Tecnologia de ponta era aquela vendida por todo o Brasil em que os vendedores conseguiam oferecer até o celular com MP14.
    Não conseguimos nem exportar essa tecnologia de futuro.hahahahahahaha

    ResponderExcluir
  8. Pelo jeito o anônimo das 17:38 já ganhou o prêmio nobel, o nobel da estupidez como manifestação clara do primitivo DNA dele.

    ResponderExcluir
  9. Se os bostas dos chineses nao comprarem as minas de grafeno antes. O mal do brasileiro é achar que é mais esperto do que todo mundo mas, so faz merda. Inclusive entregar a soberania por uns trocados.

    ResponderExcluir
  10. A Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, investiu cerca de R$ 20 milhões para levantar o primeiro centro de pesquisas com grafeno no país. Apesar de ainda não ter previsão para ser inaugurado, o MackGrafe (Centro de Pesquisas Avançadas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologia) ocupará um edifício de 4.230 m2 no campus da instituição, na Rua da Consolação, na capital paulista.

    Assim como as pesquisas com o grafeno continuam a todo vapor, também devem continuar as batalhas judiciais entre empresas de tecnologia pela disputa de patentes relacionadas ao material. Só a Samsung tem 38 patentes e pelo menos 17 aplicativos que usam a palavra "grafeno" no resumo de invenções, todas registradas no Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos USPTO). No mesmo órgão, a Apple tem ao menos dois pedidos relacionados ao componente.

    ResponderExcluir
  11. O Brasil,tem por destino ser pilhado desde sempre.

    Com a privilegiada natureza,nada é feito para proporcionar properidade.
    Verdadeiro projeto de nação: nem pensar.

    ResponderExcluir
  12. 200 vezes mais resistente que o aço.Alguém duvida que as potencias militares do mundo não estão de olho nessa riqueza?Russia,China,Estados Unidos,Reino Unido e India estão por tras dessa situação que vive o Brasil.Somando tudo isso com a estupidez desse povinho mediocre,a ganancia de parlamentares corruPTos, o resuiltado é o que vemos no dia a dia de constante deslocamento ladeira abaixo.

    ResponderExcluir
  13. Como vão despontar como nação tecnológica, se não seguram as mentes científicas, não investem em educação tecnologia de manipulação e transformação e somente em presídios quando fazem!

    E estão entregando tudo a preço de banana para iniciativa privada externa na grande maioria!

    http://www.gazetadopovo.com.br/ideias/o-niobio-vai-salvar-a-economia-do-brasil-como-defende-bolsonaro-8dk6th2h36miu5il9wn98nt9e

    Mas, dão perdão de 30 bi para banco privados que não pagam a Previdência e os impostos!

    https://tnonline.uol.com.br/noticias/cotidiano/67,415492,23,05,entenda-o-que-e-niobio-e-grafeno-propostos-por-jair-bolsonaro-como-solucao-economica-para-o-brasil.shtml

    Dai fica difícil né zé!

    ResponderExcluir
  14. Interessante noticioso...


    https://www.oficinadanet.com.br/post/13705-o-que-e-niobio-e-como-ele-pode-enriquecer-o-brasil

    ResponderExcluir
  15. Sete vezes mais leve que o ar?!!! Não seria 7 vezes mais pesado do que o ar? eheheh...

    ResponderExcluir
  16. Os brasileiros, certamente, estão esperando que estrangeiros venham estudem e patenteiem tudo que pode ser feito pelo e/ou co grafeno.
    Este é o normal no Brasil.
    Depois ficam chorando sobre o leite derramado como se não tivessem culpa nenhuma.
    Pesquisadores brasileiros. Investidores brasileiros. Façam alguma coisa para que desta vez não seja assim.

    ResponderExcluir

  17. Aí desinformado das 17:38. Antes de Bolsonaro, Enéas já falava sobre grafeno e nióbio. Te informa, "inocente"!!!

    ResponderExcluir
  18. Seria bom tambem que o Bolsonaro explicasse melhor extraordinário crescimento do seu patrimonio e de seus filhos - tambem deputados - nos últimos anos

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.