MetSul diz que temporal de sexta-feira em Porto Alegre foi um furacão

Porto Alegre foi atingida por um fenômeno comparável a um furacão de categoria 1, revelou neste domingo ao jornal Correio do Povo o meteorologista da MetSul, Luiz Fernando Nachtigall.

O que ele disse:

- O vento foi muito forte. Nós tivemos um vento de 120 Km/h registrados no Jardim Botânico. Ao redor dos 87 km/h no Aeroporto Salgado Filho. E no cais do porto, para efeitos de meteorologia, nós tivemos 98 km/h, efetivamente registrados. Essa velocidade de vento é extremamente forte.


Luiz Fernando Nachtigall lembra que a meteorologia reconhece o furacão, de Classe ou Categoria 1, quando há registro de ventos com velocidade acima dos 117 km/h.

6 comentários:

  1. O mesmo Painel da Folha informa que o Ministério das Comunicações anda preocupado com a Oi, uma das maiores devedoras da União. Em Brasília, temem que a empresa "vá para o brejo".

    A Oi poderia começar negando novos pagamento milionários à diretoria da Gamecorp, do filho de Lula, da qual é sócia.
    (oantagonista)

    Outra tempestade ????

    ResponderExcluir
  2. A DESTRUIÇÃO FOI IMENSA. E JORNAIS E TV NÃO ESTÃO MOSTRANDO TUDO.

    ResponderExcluir
  3. A força do vento foi a de um furacão, mas a estrutura atmosférica não era a de um destes fenômenos.A velocidade do vento localmente acredito que foi bem superior a 120 km/h. Aqui no Bairro Santana lá por outubro teve uma ventania forte, uma que trouxe vários problemas para a cidade, mas aquele vento foi muito inferior ao do dia 29/01/2016, da mesma forma que quando houve o Furacão Catarina, vários estragos ocorreram em Porto Alegre, porém foram infinitamente inferiores aos que tivemos nesta seta-feira passada. A força dos ventos fez água passar por janelas vedadas (não tão absolutamente vedadas é claro!) e até por uma parede verteu água em um prédio de sólida construção. Várias árvores tiveram grossos galhos quebrados como se tivessem sido torcidos, não apenas quebrados. Vidros temperados pesados de janelas grandes se curvaram que parecia que seriam arrancados das armações de alumínio. Vivo em POA desde que nasci há 59 anos atrás e nunca vi nem de longe ventos como estes de 29/01/2016.

    ResponderExcluir
  4. A Metsul classificou o evento como um downburst pois não houve registro de nuvem funil tocando o solo, e a área afetada foi de mais de 15 km, tornados não afetam uma área muito grande.
    https://twitter.com/MetroclimaPOA/status/693816991145168896

    ResponderExcluir
  5. O evento que vivemos sexta feira mostra claramente a nossa incapacidade de prever desde uma simples chuva ou um furacão de grande potencial destrutivo. Por quê?

    ResponderExcluir
  6. Não entendo pq não fazem cabos subterrâneos. Qualquer sopro q alguém dê, falta luz nessa cidade. E para tudo. Não por pouco tempo. Pagamos uma conta altíssima de luz pra isso..provavelmente o número de funcionários da CEEE na ativa estava super reduzido tb, pq devem ter feito feriadão..Não é brincadeira. Tem mto lugar ainda sem luz. É uma falta de respeito absurda.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.