Exército assume mutirão com a prefeitura para desobstruir as ruas da cidade

Quarenta soldados do Exército se uniram aos 300 garis da prefeitura para auxiliar nos trabalhos de remoção de entulhos das ruas de Porto Alegre. O Exército também cedeu viaturas e geradores de energia.

Os soldados estão concentrados principalmente no bairro Menino Deus, um dos mais atingidos pelo tornado de sexta-feira. A expectativa é de que os trabalhos estejam concluídos até segunda.

Por toda a cidade, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana já retirou 340 toneladas de árvores inteiras ou galhos tombados com a força do vento, que chegou a 120 km/h.

9 comentários:

  1. falam mal dos milicos mas na hora do vamos ver eles é que são chamados para dar conta do recado...

    os tais "representantes da sociedade civil" não dão nem as caras...

    até no caso do zika o Exercito foi chamado, e trata-se de uma ação de saúde publica e que deveria ser executada pelo paquidérmico Ministério da Saúde...

    ResponderExcluir
  2. Em qualquer país decente, quando acontece uma situação de emergência, como a que ocorreu em Porto Alegre, com uma violenta tempestade na noite de sexta feira, derrubando centenas de árvores, postes e semáforos, imediatamente as forças armadas locais são acionadas para socorrer a população e auxiliar a colocar a situação em ordem. Somente agora, domingo, é que um número reduzidos de militares do Exército foram mobilizados para auxiliar na normalização do caos que se instalou em parte da capital Gaúcha. Quase dois dias depois. Por que no Brasil as providências do poder público para situações como essas são tão demoradas? Por que no Brasil a população existe para servir ao Estado e não o Estado existe para servir à população. Aqui primeiro se formou o Estado, para depois se formar a nação. Diferentemente do que ocorreu nos EUA, por exemplo. Lá, o Estado está a reboque dos interesses da nação. Aqui no Brasil ocorre o contrário.

    ResponderExcluir
  3. Luís das 18:42h. Precisas tuas observações. Somente 40 soldados para ajudar, quantos estão sentados nos quartéis?

    ResponderExcluir
  4. Respondo ao post das 18:42:
    Porque aqui, meu amigo, quanto maior a confusão, mais fácil esconder a incompetência e a falta de profissionalismo desses gestores politiqueiros, despreparados, que são postos por governos que debocham da cara do infeliz do consumidor que não tem pra quem se queixar!
    Veja o caso do prefeito sumido, do Governador que coloca na área de energia, políticos despreparados , sem condições técnicas mínimas! A vergonha da Ceee, antes uma empresa prestigiada agora comandado por um economista?!?! Que é isso? Puro deboche! Onde estão o CREA, o SENGE? À Distribuicao na mão de um advogado?!? Que tal? Preciso falar mais???

    ResponderExcluir
  5. O pior de tudo é ver que a maioria da arvores que tombaram estavam tomadas de erva-passarinho que parasita e enfraquecem as arvores.

    Esse serviço é obrigatório pela prefeitura que para variar não fez nada e se omitiu.

    Se comprovar que a arvore caiu em decorrência disso podem entrar com ação na justiça contra prefeitura e ganha facilmente.

    ResponderExcluir
  6. É simples, os governantes foram eleitos por uma população que não conhece a importância da política em suas vidas. Este é o preço do paternalismo.

    ResponderExcluir
  7. Isso não é nada mais e nada menos o reflexo dos políticos que os eleitores colocaram lá! Agora, vamos ver se a partir das próximas eleições, o nosso eleitor volta com a cabeça de gente inteligente.

    ResponderExcluir
  8. Me desculpem quem esta colocando a culpa nos administradores. Não acredito em políticos, basta ver as bestialidades do ministro da saúde que nada de coisa nenhuma mas foi colocado lá em troca dos conchavos. Mas entendi que desta vez o prefeito de Porto Alegre (Sebastião Melo governa e Fortunati dá entrevista assim como sua parceria a nível federal) agiu rápido. A destruição foi única e observei que a maioria das árvores que vi caídas, estavam sadias e quebraram ao meio ou tombaram com raiz e tudo. Até os postes de concreto da rede de alta tensão tombaram e não estavam podres. Vamos criticar sim, mas vamos ser coerentes. O que deve ser criticado e até ser boicotado é o caso dos "umbigos salientes" como no caso da senhora da padaria (que ninguém deveria comprar nada naquele estabelecimento), da retirada das sinalizações e dos protestos de rua. Está correto priorizar hospitais. A água de minha casa foi restabelecida nesta madrugada, o que fiz foi economizar neste período e atender aos pedidos feitos pelo comitê.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.