Empresário gaúcho aparece em lista do HSBC como um dos 342 brasileiros com conta na suíça

Na relação de 342 brasileiros que mantêm contas no banco HSBC, na Suíça, há um gaúcho, o diretor-presidente da fabricante de plásticos Videolar, Lírio Parisotto. A informação consta na edição da revista Época, que começou a circular neste final de semana.

Conforme a revista, a lista ainda conta com um relatório sigiloso do Fisco sobre os primeiros 15 brasileiros investigados no caso que ficou conhecido como Swissleaks.

Ontem, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou à Polícia Federal que investigue todas as contas mantidas por brasileiros naquele país.

6 comentários:

  1. O Brasil tem que parar de hipocrisia, sera que os grandes empresarios nao podem ter dinheiro no exterior? Ate porque o pais nao oferece seguranca, acho que tem muita gente com olho gordo no dinheiro alheio.Se a pessoa fizer tudo dentro dos conformes nada contra.acho que os nomes nao podem ser divulgados para aqueles que estao dentro da lei.Cade o sigilo bancario?

    ResponderExcluir
  2. Aviso aos inocentes: nao eh contra lei ter dinheiro na Suica, Uruguay ou na Lua. O probema eh a origem do mesmo, sendo legal, tendo sido oriundo de fonte limpa, declarado, esta tudo ok.

    Nao caiam na labia de losers e petralhas que apontam offshores, contas na Suica ou assemelhados como pecados mortais. Isso eh tipico de cucarachas idiotas sulamericanos.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma maneira de dissimular a situação - m**** - em que se encontra nosso pobre país! Não caiam nessa!

    ResponderExcluir
  4. Ter a beldade exótica da Luiza Brunet como manteúda custa caro, po!!!

    ResponderExcluir
  5. Sustentar esposa bonita não está fácil, é preciso ter conta na Suíça e driblar este Fisco imperdoável. Luiza Brunet não é para o meu bico...(rs)

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.