Brasileiros gastaram R$ 23,8 bi com produtos piratas em 2012

Os brasileiros gastaram R$ 23,8 bilhões em produtos piratas no ano passado. Entram na conta da pirataria perfumes, óculos, brinquedos, cigarros e softwares falsificados, pirateados ou contrabandeados que chegaram à casa do consumidor por caminhos ilegais. Os dados são do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), divulgados na manhã desta quarta-feira.


. O cálculo para descobrir o número da pirataria é feito de diversas maneiras, de acordo com cada setor. O de pilhas, exemplifica o FNCP, avalia o produto no descarte. Neste caso, 30% das pilhas descartadas foram identificadas como piratas.

6 comentários:

  1. E depois falam mal de políticos...

    ResponderExcluir
  2. Nossa!!!!!!! São os mesmos que dão pau no governo, nos politicos e na justiça.

    Por isso a máxima: Para cada 4 reais arrecadas 3 são sonegados.

    ResponderExcluir
  3. NÃO ESQUECER OS CONSUMIDORES PETRALHAS DE CARTEIRINHA E ESTRELA NO PEITO

    ResponderExcluir
  4. Como comprar produtos legalizados com uma vultosa taxa de impostos, o governo que tenha vergonha na cara(eles nem sabem o que é vergonha)invista nas micros com baixos impostos, duvido que eles não entulhem o comercio com estas quinquilharias que vem da china e o dinheiro fica circulando no mercado interno, gerando empregos e impostos.


    Eduardo Menezes

    ResponderExcluir
  5. Ou seja, bando de velhacos, malandros, do tipo eu to liberado + vc tem de cumprir a lei, ou seja, os direitos para mim e os deveres para vocês do PT.

    ResponderExcluir
  6. Não sei de onde eles tiram esses números mirabolantes. Se é pirata, se é contrabando... baseado em que chutômetro se criam tais índices. Querem impressionar quem? Só idiotas acreditam em tais cifras.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.