Artigo, Fernando Gabeira - Dilma e os 40 ministros

CLIQUE AQUI para ler o artigo "Dilma e seus 40 ministros", nada a ver com "Ali Babá e seus 40 ladrões". O artigo é de Fernando Gabeira, que em determinado momento, refletindo sobre os "revolucionários" que chegam ao governo pela via armada ou pelo voto, demonstra que Pontecorvo tinha razão quando avisava:"Difícil mesmo é começar a governar, depois de vencer".

. Pergunta Fernando Gabeira, sobre a ex-professora de marxismo, ex-terrorista da fração ultraesquerdista VAR, onde participou da quadrilha que roubou com armas nas mãos o cofre da casa da amante do ex-governador Ademar de Barros, disposta a impor o comunismo a ferro e fogo no Brasil:

- Como foi possível sair da leitura de Marx para um realismo fantástico de segunda categoria?

. Pois esta é a presidente Dilma Roussef, que nesta sexta-feira esteve em Porto Alegre, onde distribuiu maquininhas para prefeitos espoliados pela derrama da União, entregou diplomas para estudantes pobres, deu tapinhas nas costas de políticos de variados Partidos que a apóiam e anunciou obras rodoviárias que não sairão do papel enquanto ela estiver no Planalto, mesmo sabendo que não cumpriu promessas anteriores sobre a duplicação da BR-486 e a ponte do Guaíba. Ela está em plena campanha eleitoral para permanecer no governo, meta que a alta da inflação e o crescimento pífio da economia ameaçam sepultar. 

CLIQUE AQUI para ler.

8 comentários:

  1. Quase empatando com a Prefeitura de Porto Alegre, cujo governo Fo-Fo já contratou, como CC, o ex-candidato a Prefeito pelo PSDB, e a filha da ex-governadora Yeda Cruzes, aquela que, embora tenha tido uma das campanhas mais caras para vereança não conseguiu se eleger, graças ao prestigio da dona Yeda Cruzes.

    ResponderExcluir
  2. Quase empatando com a Prefeitura de Porto Alegre, cujo governo Fo-Fo já contratou, como CC, o ex-candidato a Prefeito pelo PSDB, e a filha da ex-governadora Yeda Cruzes, aquela que, embora tenha tido uma das campanhas mais caras para vereança não conseguiu se eleger, graças ao prestigio da dona Yeda Cruzes.

    ResponderExcluir
  3. Em campanha prometeu verbas para estradas que só acontecerão SE ACONTECEREM no próximo governo. O anúncio de verbas para estradas FOI UMA SURPRESA. Por pura "casualidade" o JORNAL ZERO HORA informou aos gaúchos, há duas semanas, que o RS é o último em estradas asfaltadas no Brasil.

    ResponderExcluir
  4. É interessante notar que todos estão com o sorriso nas orelhas.É a felicidade financeira proporcionada pelo cargo. Enquanto isto a população amarga uma inflação que já destrói o poder aquisitivo.

    ResponderExcluir
  5. Gabeira escreveu em seu artigo Dilma e os 40 ministros:
    Lembro-me de que em 2002, na Caravana da Cidadania, ao visitarmos São Borja, onde Getúlio Vargas está enterrado, Lula hesitou em levar flores ao seu túmulo. “Não seria fortalecer um populismo desmobilizante?”, perguntou.
    Não teria sido em 1994?
    Em Vento Sul – 18.02.1994 – Viagem ao coração do Brasil – 4ª Caravana, ele escreveu:
    “ Alegrete é terra de Osvaldo Aranha. Lula não se referiu a ele. Mais tarde passará em São Borja e está disposto também a não falar em Getúlio Vargas. Lula acha demagogia visitar o túmulo de Vargas sem ter afinidade histórica com ele. “
    O ato de ignorar Getúlio fez com que Almir Pazzianoto escrevesse o texto intitulado O ESQUECIDO DE SÃO BORJA.

    ResponderExcluir
  6. NOSSA, QUE QUADRILHA.

    ResponderExcluir
  7. Quanto será que a quadrilha PeTralha está pagando para seus membros que se dispõem vir neste site dizer besteiras na tentativa de desviar o foco e sub-repticiamente justificar que eles fazem por que os outros também fazem ou já fizeram?
    O anonimato torna os lambaris da quadrilha dotados de uma "$$$coragem$$$" que fora das trevas e das sombras não possuem.

    ResponderExcluir
  8. Ali Dilmá e os 40 Ministros.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.