Corte francesa condena famiglia Maluf a três anos de prisão

Corte de Apelações de Paris condenou o deputado Paulo Maluf (PP/SP) a três anos de prisão e multa de 200 mil euros por lavagem de dinheiro.

Em 2015, ex-prefeito de São Paulo (1993/1996) já havia sido condenado pela Justiça em Paris por lavagem de dinheiro. Os crimes teriam ocorrido entre 1996 e 2003. Numa primeira instância, ele pegou três anos de prisão.

Além de Maluf, a Justiça francesa condenou sua mulher Sylvia Lutfalla Maluf e o filho mais velho do casal Flávio Maluf, pelo mesmo crime. A sentença determinou ainda o confisco de 1,8 milhão de euros em contas do deputado e de seus familiares. Além disso, à família foram impostas multas que somam 500 mil euros.

9 comentários:

  1. Família Exemplar!
    Vão continuar no brazil leve e soltos.
    O ladrão mor vai morrer incólume. Longe da cadeia.

    ResponderExcluir
  2. Putzgrila!
    Isso é que é justiça eficiente!
    Diferente daquela do gilmar boca mole, levandowiski, toffoli, boi barroso,...
    aqueles de sempre que o lulladrão "nomeou", junto com o seu poste, para o stf, a fim de garantir sua impunidade!

    ResponderExcluir
  3. A imagem do BRASIL no exterior está cada vez pior .!!!

    ResponderExcluir
  4. Ainda tem gente que vai para França fazer turismo encher o bolso dos franceses!

    ResponderExcluir
  5. Perto do Lula e Dilma ele não passa de um pivete.

    ResponderExcluir
  6. A justiça francesa parece a brasileira... Tardou e falhou....so confiscou trocados...

    ResponderExcluir
  7. 200 mil?
    maluf - pera ae... aqui.. tem troco pra 500 mil?

    ResponderExcluir
  8. E dai? Vão vir buscar ele aqui no Brasil? Não, ne? Ele vai continuar livre, leve e solto. E gastando a grana.

    ResponderExcluir
  9. Maluf tem a melhor adega da América do Sul, dentro de sua mansão nos Jardins .!!!

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.