Sérgio Moro contextualiza a denúncia contra Lula dentro da corrupção sistêmica do Petrolão

Há mais tempo, Veja adiantou que tinha chegado a vez dele.,

Apenas seis dias depois de protocolada a denúncia contra Lula e dona Marisa Letícia, o juiz Sérgio Moro acolheu a peça acusatória e abriu o processo, o que torna o casal um par de réus da ação.

No seu despacho, Sérgio Moro foi direto ao ponto:

Em primeiro lugar, trata-se de imputação de crime de corrupção no qual as vantagens indevidas teriam sido pagas a ex-Presidente da República em decorrência de seu cargo, o que determina a competência da Justiça Federal.

Em segundo plano, a denúncia insere-se no contexto do esquema criminoso que vitimou a Petrobrás, relacionando o MPF as supostas vantagens concedidas ao ex-Presidente a acertos de propinas em contratos da Petrobrás com o Grupo OAS, entre eles contrato para obras na Refinaria Presidente Getúlio Vargas - REPAR, no Paraná, e para o qual [o esquema criminoso] houve prevenção deste Juízo, já que o primeiro crime investigado nesse aspecto envolvia operação de lavagem consumada em Londrina/PR.

O juiz, como se percebe, não se limitou a falar sobre os fatos objetos da ação - triplex e armazéns - mas foi além encampando a denúncia pública dos procuradores, segundo as quais Lula é o chefe de uma portentosa organização criminosa que assaltou os cofres públicos para corromper eleitores, parlamentares e partidos, tudo com o objetivo de manter e desfrutar o Poder.

9 comentários:

  1. Políbio,

    O Brasil do bem aguarda a prisão do corrupto-Mor.

    Marcos Cavalcante

    ResponderExcluir
  2. A batata está assando . Não era sem tempo, o Tempo de Deus não é o tempo do homem.Cada coisa no seu tempo e no seu devido lugar.

    ResponderExcluir
  3. Editor, foram envolvidos crimes no PR justamente para que o processo não fosse requerido por Brasília.
    Cheque mate!!!

    ResponderExcluir
  4. Enquanto isso os da turma altamente subversiva do PSOL, REDE e PSB posam de imaculadas vestais, isto é, portadores de fichas limpas e transparentes. Essa obsessão inquisitorial, ou caça às bruxas anticapitalista, favorece a estrema esquerda, que está crescendo nas costas do PT. Queriam o impeachment de Dilma ou queriam a ascensão de Temer? Qual o pior, a emenda ou o soneto? Esse balançar na gangorra pode liquidar a democracia no Brasil; o balanceado
    pode virar com tudo de pernas para o ar.

    ResponderExcluir
  5. ESTADÃO

    Mulher de Cunha assina intimação de Moro e tem 10 dias para se defenderApós duas tentativas fracassadas, Justiça Federal localiza Cláudia Cruz na residência oficial da presidência da Câmara, em Brasília e notifica ela sobre a ação penal a qual é acusada de evasão de divisas e lavagem de mais de US$ 1 milhão

    07 Julho 2016 - Mateus Coutinho, Julia Affonso e Fausto Macedo

    Na quinta-feira, 30 de junho, a jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, mulher do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recebeu pela primeira vez a intimação da Justiça Federal informando que ela é ré perante o juiz Sérgio Moro, em Curitiba. Com isso, ela tem dez dias uteis, contados a partir do dia 30, para se manifestar sobre a acusação de que teria evadido dinheiro e lavado US$ 1 milhão provenientes de crimes praticados por Cunha no esquema de corrupção na Petrobrás.
    A Justiça localizou Cláudia Cruz as 19h20 na residência oficial da presidência da Câmara, para onde ela havia se mudado e de onde deve sair em breve após seu marido anunciar nesta tarde sua renúncia à presidência da Casa. Esta foi a terceira tentativa da Justiça para localizar Cláudia, já que em outras duas ocasiões ela não foi localizada na residência do casal no Rio de Janeiro.
    A INTIMAÇÃO ASSINADA POR CLÁUDIA CRUZ:
    Sem intimacaoclaudia
    Afastado do cargo por uma decisão inédita do Supremo Tribunal Federal no dia 5 de maio e réu em duas ações penais da Lava Jato na Corte, o peemedebista segue com seu mandato de deputado federal até que a Câmara decida sobre seu processo de cassação, que estava para ir a votação no plenário mas ainda terá que aguardar a definição da Comissão de Constituição e Justiça sobre um recurso do deputado.
    Enquanto isso, a família Cunha segue com seus membros na mira da Justiça. Enquanto Cláudia Cruz deve prestar esclarecimentos e se defender diante do juiz Sérgio Moro em Curitiba e Cunha deve dar explicações ao STF, a filha do casal Danielle Dytz é alvo de um inquérito da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba que corre em sigilo e, até o momento, é a única da família ainda não denunciada.
    [veja_tambem]
    Além disso, Cláudia e Cunha tiveram recentemente seus bens bloqueados pela Justiça Federal em uma ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal cobrando R$ 80,67 milhões do parlamentar e mais R$ 17,8 milhões da mulher.
    O valor corresponde ao acréscimo patrimonial ilícito de Cunha e Cláudia e ressarcimento do dano causado ao erário na compra de campo de petróleo em Benin, na África, em 2011 – negócio que teria resultado numa propina de US$ 10 milhões, parte dela repassada ao peemedebista.
    O patrimônio de Cláudia Cruz, , saltou de R$ 1.617.519,09, em 1.º de janeiro de 2008, para R$ 4.029.025.65, em 31 de dezembro de 2014. Um crescimento de 149%, segundo dados da Receita. A análise do Fisco é baseada nos dados declarados por Cláudia.

    ENQUANTO ISSO a mulher de Cunha......

    ResponderExcluir
  6. VEJA E ISTO É SAO UMA MARAVILHA, 2 REVISTAS COM SEUS FUROS DE REPORTAGEM BEM EMBASADOS DESMASCARAM O PT HA ANOS, PARABENS

    ResponderExcluir
  7. A VEZ DA JARARACA CORRUPTA.

    ResponderExcluir
  8. O Reinaldo Azevedo está espumando de raiva e colocou o plantão de comentários
    da Revista Veja de prontidão para BLOQUEAR, CENSURAR TODOS OS COMENTÁRIOS
    CONTRÁRIOS AOS SEUS! A Revista Veja PETRALHOU DE VEZ e o Reinaldo move céus
    e terra contra a LAVA JATO! Depois daquela estranhíssima e comovente defesa que ele fez do Marcelo Odebrecht a coisa clareou a respeito das práticas dele.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.