Artigo, Henrique Meireles - A hora da verdade

- Esta é a última coluna do novo ministro da Fazenda.

Na primeira coluna que publiquei aqui, em 9 de setembro de 2012, defendi que o debate sobre a economia deveria ultrapassar os muros do governo e dos círculos especializados, uma vez que as decisões econômicas impactam direta e intensamente a vida de todos. Nada mais natural e necessário, portanto, que todos entendam as medidas que são tomadas, seus custos, seus benefícios e suas consequências.

Naquela época, já era possível vislumbrar sinais da crise que vivemos hoje. Mas, apesar de alguns esforços, o debate econômico seguiu em boa parte intramuros, o que certamente contribuiu para a evolução negativa da situação.

Se o debate fosse mais abrangente e eficiente, talvez a população pudesse ter sido mais incisiva na defesa do equilíbrio fiscal e da inflação controlada, fundamentos que os brasileiros aprenderam a valorizar, mas não conseguiram defender, interditados, entre outras coisas, pelo debate hermético ou diversionista.

Por mais presente que seja o passado, mais importante é falar do futuro.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

3 comentários:

  1. O estado brasileiro é paternalista , as corporações sufocam qualquer que seja o minimo esforço para mudança futura. Tem de fazer e enfrentar o onus politico disto , mas quem esta disposto ?

    ResponderExcluir
  2. A população não pôde fazer uma defesa mais incisiva do equilíbrio fiscal porque foi enganada, foi ocultada o descontrole e governos se lixam para o povo mesmo. Tanto que o governo Temer está pouco ligando para o eleitor e vai tomar medidas que jamais foi discutida com o mesmo. O próprio Meireles já disse que não respeita direitos adquiridos sem ouvir os eleitores.

    ResponderExcluir
  3. Esse sujeito é perigoso, lixa-se para o cidadão comum, o negócio dele é satisfazer os muito ricos.
    Péssima escolha !

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.