Sob forte repressão policial, caminhoneiros usam teoria do foquismo, saem de Camaquã e vão para a vizinha Cristal, RS

Ao lado, denúncia que corre nas redes sociais. O RS é o único Estado ocupado pela Força Nacional, que por força de lei só pode ser solicitada pelo governador. A FN é integrada por PMs dos Estados, portanto dependem de ordem dos governadores. Resta saber se eles concordam com seu uso para reprimir pela violência a greve dos trabalhadores - 

Os caminhoneiros parecem ter aderido à teoria do foquismo, celebrada em todo o mundo pelo filósofo francês Régis Debray, que depois de enfurnado nas selvas bolivianas com Che Guevara, acabou preso pelas forças militares e delatou todo mundo, inclusive Che.

A teoria prevê o estabelecimento de focos para manter viva e expandir a chama da guerra revolucionária.

Os bloqueios lembram focos do gênero.

No RS, hoje, reprimidos pela violência, inclusive com uso de gás, na zona Sul, eles  levantaram o bloqueio em Camaquã e foram fazer outro no município de Cristal, próximo à ponte sobre o Rio Camaquã.

Movimentos semelhantes ocorrem em todo o País. 

CLIQUE AQUI para ver o que escreve o portal de Camaquã. 




7 comentários:

  1. Os caminhoneiros foram a única categoria que teve a coragem de enfrentar o governo (corrupto)dos PeTralhas, parabéns a todos os caminhoneiros que estão dando uma demonstração de cidadania!!!

    ResponderExcluir
  2. Biriva do Cerro do Tigre28 de fevereiro de 2015 11:36

    Até o boné é vermelho que nem as milicias bolivarianas.

    Isto demonstra o grau de semelhança nas práticas de intimidar movimento legítimos.

    Dia 15 irei com a minha família e amigos, me convenceram que é hora da sociedade ir para a rua e manifestar contra esse governo corrupto.

    ResponderExcluir
  3. Está ai o que eu sempre disse. Leiam novamente: A Força Nacional, nada mais é do que um Exército Bolivariano, para a defesa do PT. Foi criado com esta finalidade.

    E salvo melhor juízo, os Generais do Exército Brasileiro, estão sendo coniventes, não se mexendo para a defesa deste povo, que está nas "mãos, por enquanto" dos bandidos do PT.

    Chegou a hora, como diz aquela canção da LEGALIDADE, vão sair.

    ResponderExcluir
  4. Venho alertando há muito tempo que esse negócio de Força Nacional é uma tentativa de aparelhar um exército político à disposição do governo federal.
    Independentemente de quem lá esteja, isso nunca deve se concretizar. As forças armadas têm o papel de garantir a segurança no nível interno, e não, um grupelho a serviço do PT.
    Evidentemente, todos os governadores da oposição devem mandar embora a malsinada força.
    Aliás, no caso do RS, é de império que o próprio governador tome a iniciativa e mande a caterva embora. Mais ainda, não há como e nem porque essa gente intervir em rodovias estaduais.
    Vê-se que o quebra-quebra vai começar; é de se indagar, de que lado as autoridades não filiadas a PT e companheiros vai ficar.
    A propósito: quando as marchas do exército do Stédile começarem a tomar as rodovias, a Força Nacional vai intervir? Acho que não, e talvez, seja hora de prendê-los ....

    ResponderExcluir
  5. Realmente, essa Força de Segurança Nacional é uma milícia e eu não tinha me dado conta disso. Com essa tática gramsciana, de ir comendo lentamente pela beiradas, nós ficamos com o cérebro totalmente embotado. Ainda bem, que existem pessoas alertas. Este governo PTenebroso está afrontando a nossa, já combalida, Constituição. E o nosso governador, que corno manso, né?

    ResponderExcluir
  6. O Anônimo das 12:12 tem toda razão!
    Votei nesse governador apenas para varrer o PT do RS. Mas ele não passa de um covardão!

    ResponderExcluir
  7. O Mollusco disse que se é guerra que querem pois guerra terão. Ameaçou o país com o exército do MST, prá matar e degolar, como fizeram naquela vez em que o Olívio era prefeito em P.Alegre, degolando o brigadiano. Então gente o Brasil tá indo para um confronto armado, e tudo por culpa desse partido.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.