Petrobrás poderá cancelar contratos de R$ 720 milhões com a Iesa. Seria o fim do Pólo Naval do Jacuí.

A Petrobrás poderá cancelar os contratos de R$ 720 milhões que firmou com a Iesa, que passa por turbulências aparentemente invencíveis em Charqueadas, RS.

. Se isto ocorrer, o Pólo Naval do Jacuí morrerá de morte matada, já que a Iesa é a sua estrela mais reluzente.

. O fim dos contratos foi noticiado hoje pelo jornal Valor, que ouviu a Petrobrás.


4 comentários:

  1. Aécio quer CPI da Petrobras. FH pisa no freio:

    No mesmo dia em que o pré-candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves (MG), afirmou em coletiva de imprensa que os partidos de oposição estão se articulando para instalar a CPI da Petrobras, ex-presidente Fernando Henrique disse que o "momento eleitoral não é o mais propício" para a investigação; "Não sou favorável a partidarizar", declarou FHC; ele acrescentou, porém, que "se o governo não apurar direitinho [a compra da refinaria de Pasadena], abre espaço [para a CPI]"; gestão FHC também teve negócios polêmicos, mas hoje o tucano criticou que a empresa "deu marcha à ré" no governo Lula

    247 – Depois que o governo federal divulgou um posicionamento oficial sobre a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, em 2006 – negociação que é alvo de investigação por suspeita de superfaturamento – a criação de uma CPI no Congresso tem sido a maior defesa da oposição. Hoje, o presidente do PSDB e pré-candidato à presidência, senador Aécio Neves (MG), defendeu a proposta em coletiva de imprensa e disse que os partidos de oposição estão se articulando para criar a comissão.

    Em discurso na tribuna do Senado, nesta quarta-feira, Aécio disse que a resposta do governo sobre o caso era "insuficiente" para esclarecer a população. Por isso, defendeu ser necessária a ideia de uma investigação para apurar as circunstâncias e as pessoas envolvidas na operação. Em nota, o governo afirmou que a autorização da compra foi baseada em um relatório "falho" e com "informações incompletas". Na época, a presidente Dilma Rousseff presidia o conselho administrativo da estatal.

    Nesta mesma quinta-feira, porém, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também do PSDB, colocou o pé no freio. FHC disse ser contrário à criação da CPI da Petrobras, para investigar o episódio. "Acho que o momento eleitoral não é o mais propício. Não sou favorável a partidarizar", declarou ao jornal O Estado de S. Paulo, depois de uma palestra em São Paulo. Ele acrescentou, no entanto, que "se o governo não apurar direitinho, abre espaço [para CPI]".

    Apesar de sua gestão ter sido responsável pelo negócio mais polêmico da estatal – quando o presidente da empresa, Henri Reichstul, tentou mudar o nome para Petrobrax e deu 30% de uma refinaria no Rio Grande do Sul para a empresa espanhola Repsol, operação que pode ter dado prejuízo bilionário à companhia (leia mais aqui) - FHC criticou a "marcha a ré" que a empresa deu durante o governo de seu sucessor, o ex-presidente Lula

    ResponderExcluir
  2. Essa tal de IESA, faliu, sem sequer ter começado a fazer qualquer serviço ou obra. Dificil de explicar uma situação babesca dessas. Eu quero saber como fica o valor de 240 milhões de reais que foram adiantados a IESA, se eles dizem que não tem dinheiro para nada, nem pagar os valores trabalhistas. Certamente outra roubalheira do PT, junto com a diretoria dessa falcatrua de IESA. Quem são os diretores dessa IESA? Será que não tem ninguém da próprio gangue dos PaTifes? É incrivel como tem dinheiro para roubos e nunca tem para melhorias sociais!

    ResponderExcluir
  3. O FHC não conseguiu mudar para Petrobrax e o PT conseguiu o X do Eike e será PETRO X, está seguindo na mesma direção das empresas X do Eike.Esse pessoal não esquecem o FHC e os Militares que já não estão no Governo há mais de 30 anos.

    ResponderExcluir
  4. O PT MUDOU O NOME DE PETROBRAS PARA PETROQUEBRAX

    BACARIA

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.