Diário Popular fala sobre jornal gaúcho que sofreu censura prévia, foi invadido por forças policiais e seu diretor resultou preso e ameaçado

A repórter Luciara Schneid, Diário Popular, Pelotas, o mais importante jornal da Metade Sul do RS, revela hoje que a invasão do jornal e a prisão pela da Brigada Militar do editor do jornal Pampeano, Aníbal Ribas, devem virar caso de Justiça. O caso foi relatado durante todo o final de semana pelo editor. Na Assembléia, o deputado Pedro Pereira fez a defesa do jornal e do seu editor na terça-feira, convocando para depor o comandante da Brigada e o chefe da Polícia Civil. A Brigada mandou corregedores a Jaguarão, sábado, onde ouviu os envolvidos. A mídia diária gaúcha ignora o caso, que também não emocionou até agora entidades como ARI, Sindicato dos Jornalistas, OAB, CNBB e ANJ. Leia tudo:

Depois de publicar notícia sobre a apreensão da Carteira Nacional de Habilitação do prefeito de Jaguarão, José Cláudio Martins (PT), que se negou a fazer o teste do etilômetro em blitz realizada pela BM, Ribas viu-se constrangido por policiais militares, em frente à redação, no dia 13 deste mês, a assinar seis termos circunstanciados porque a corporação teria sido ofendida em sua imagem com o conteúdo do texto.
De acordo com a assessoria de imprensa do Comando Geral da Brigada Militar, em Porto Alegre, a investigação dos fatos está a cargo do Comando Regional de Polícia Ostensiva do Sul (CRPO Sul), a que a Brigada Militar de Jaguarão está subordinada. O responsável pelo comando regional, tenente-coronel Eliseu Vedana, disse nesta quarta-feira (19) à reportagem do Diário Popular que foi aberto procedimento para apurar o ocorrido e que a Corregedoria da BM está investigando os fatos e tem prazo de 25 a 30 dias para apresentar uma conclusão. “Somente após esta apuração poderemos emitir um parecer sobre o assunto.”
Ribas conta que se sentiu ameaçado e intimidado, quando nove policiais militares no total, um deles à paisana, invadiram a redação e lhe deram voz de prisão por causa de fatos publicados no seu jornal e que envolviam a abordagem feita ao prefeito de Jaguarão, José Cláudio Martins, durante a operação Balada Segura, no Carnaval.

. O exagero, segundo o editor, começa pela estrutura empregada, pois os policiais chegaram em uma caminhonete, duas motos e um veículo de passeio, para que Ribas assinasse seis termos circunstanciados (TCs) por crime de calúnia, injúria e difamação. Ele se disse constrangido, na frente de sua equipe, por não se tratar de um criminoso perigoso e não possuir antecedentes criminais. Depois ele foi escoltado até o hospital para fazer exame de corpo de delito e a seguir liberado.

. O advogado de Ribas, Leonardo Gomes, disse que está preparando e deve encaminhar à Justiça, no máximo até a semana que vem, uma ação indenizatória contra o Estado e um mandado de segurança contra a Brigada Militar, para proteger os direitos do seu cliente e evitar que novas abordagens deste tipo ocorram por parte da instituição, na tentativa de proibi-lo de escrever.

. Ribas conta que antes mesmo de publicar a matéria recebeu um e-mail da Brigada Militar dizendo para que não a publicasse. Ele disse ainda que possui vídeo que documentaram toda a abordagem, inclusive a invasão, negada pela Brigada Militar, e que provariam o abuso de autoridade.

CLIQUE AQUI para ler mais. 

9 comentários:

  1. Este é o novo baiano de Jaguaroa!!!

    ResponderExcluir
  2. Não emocionou ninguém pq é um caso RIDÍCULO!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olhem o vídeo!!!!É muito sem-vergonha este cidadão...Tem que ser ameaçado mesmo!!!!

    ResponderExcluir
  4. Invasão???Risco de vida???O cara não quer ser aborado, pois quer sair de carro!!!!

    ResponderExcluir
  5. RIDICULO és tu o anonimo das 11:23, o que ocorreu é gravissimo, num estado democrático, tanto a invação e intimidação, bem como a tentativa de abafa contra uma autoridade publica, ou me engano no rio de janeiro, Romário, Mano Menezes, Felipão, e muitas outras pessoas conhecidas, Aécio Neves, foram abordados pela balada segura na mesma condição do prefeito e tiveram a carteira apreendidas, normal como qualquer cidadão, então RIDÍCULO È VC ao não respeitar a democracia

    ResponderExcluir
  6. RIDICULO és tu o anonimo das 11:23, o que ocorreu é gravissimo, num estado democrático, tanto a invação e intimidação, bem como a tentativa de abafa contra uma autoridade publica, ou me engano no rio de janeiro, Romário, Mano Menezes, Felipão, e muitas outras pessoas conhecidas, Aécio Neves, foram abordados pela balada segura na mesma condição do prefeito e tiveram a carteira apreendidas, normal como qualquer cidadão, então RIDÍCULO È VC ao não respeitar a democracia

    ResponderExcluir
  7. A investigação, claro, vai apontar que nenhum superior ordenou e que nenhuma autoridade política pediu que os PMs fizessem o que fizeram.
    Eles estavam entediados e, por vontade própria, decidiram fazer uma brincadeirinha...

    ResponderExcluir
  8. O país governado pela esquerda, tem esse destino. É o que tá acontecendo na Venezuela, argentina, Bolívia, equador, Nicarágua...em cuba ninguém levanta a crista, nem a voz pois sabem o que lhes aguarda...cadeia e tortura.

    ResponderExcluir
  9. Tenho certeza que nesta tentativa de abafar a bebedeira do PaTife prefeito de Jaguarão, e as consequencias deste ato insano, tem um telefonema do comandante geral da BM, o recruta, Tarso Genro! Nenhum comandante daria ordem a seus subordinados para desfazerem o que fizeram, sem uma ordem superior, e esta veio do Tarso Lunático Castro Genro. Ainda mais que tudo foi documentado e com testemunhas. Que perigo ter um mandatário comunista como prefeito em uma cidade de fronteira! Isso é caso de segurança nacional.

    ResponderExcluir

Prezado leitor: o seu comentário é de sua exclusiva responsabilidade, conforme dispõe o Marco Civil da Internet. O fato de ser utilizado o anonimato, não o exime de responsabilidade, porque a qualquer momento seu IP pode ser levantado judicialmente e a identidade do autor surgirá de maneira clara. O editor apenas disponibiliza sua via, sua estrada, para que o leitor utilize-a, mas não tem qualquer responsabilidade em relação aos conteúdos aqui disponibilizados.