Antes de ser juiz federal, crítico de Moro e da Lava Jato no TRF4, Rogério Favreto foi do PT e CC do governo Lula

Rogério Fabreto, gaúcho de Tapejara, é o único juiz do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) a votar pela abertura de processo disciplinar contra Sergio Moro, sob a alegação de “índole política. Hoje, ele é um dos relatores de processos cíveis da Lava Jato na corte de Porto Alegre, responsável por rever as decisões da primeira instância de Curitiba. O tribunal ainda não analisou o mérito de nenhum deles, que tramitam de forma mais lenta que os criminais.

Ele foi filiado ao PT por quase 20 anos. Foi advogado de sindicatos em Porto Alegre, chefe da PGM em três administrações petistas da Capital, CC da Casa Civil de Lula e também do ex-ministro da Justiça, Tarso Genro. Dilma nomeou-o em 2011.

Autor do voto contra Moro e principal crítico da Lava Jato no TRF-4, o magistrado Rogério Favreto ocupou cargos no governo de Luiz Inácio Lula da Silva e em outras administrações petistas antes de ingressar no tribunal.

Seu posicionamento contra o juiz da Lava Jato ocorreu no processo em que se discutia a conduta de Moro de tornar públicas com a ex-presidente Dilma Rousseff.

Favreto entrou no PT em dezembro de 1991, segundo dados fornecidos à Folha pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Questionado pela reportagem do jornal, o magistrado afirma que se desfiliou em 2010, antes de virar juiz. Sua mãe e uma de suas irmãs também foram filiadas ao PT.

43 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luiz Vargas disse...

Cada tribunal com seus Toffolis e Levandowskis.
Nem bolor se esparrama em parede como a petezada se esparramou pelas instituições públicas.

Anônimo disse...

Precisa: Esse senhor é um juizeco esquerdopata. Quando o tranco chegar, terá de procurar asilo em um desses paisecos que compõe o foro de São Paulo.

Ivan Alencar disse...

Perguntar não ofende.
Será que é perigoso?
Será que é um mortadela?

Erwin disse...

ele,mãe e irmã são petistas ?poxa..isto que eu chamo de imbecilidade genética!!!!

Anônimo disse...

Não existe "ex-petista". As influências desses 20 anos não saem com sabão..

Anônimo disse...

O Chile progrediu muitíssimo no pós Allende , casualmente sem pessoas assim.

Anônimo disse...

Ou seja, pelo seu passado, está contaminado. Ele sim deveria ser removido se não se declarasse impedido.

Anônimo disse...

Virou juiz por ser petista... Agora, retribui a indicação, rs.

Anônimo disse...

Desgraçadamente os genes de petistas, de uma ou forma ou de outra não são sadios. São contaminados.
Esta raça não presta

Anônimo disse...

Ta e dai. Ele eh um otimo juiz. Dos mais acessiveis aos advogados. Escuta as partes. Respeita os oradores da tribuna, atento aos detalhes, nao se verga a nenhum efeito manada, nao eh acusado de nada, alem de ser ex PT? Q lixo esse blog

Anônimo disse...

Os petralhas aparelharam e partidarizaram o estado brasileiro.

Anônimo disse...

PQP. Não há o que dizer. Só a Intervenção poderá salvar o País .!!!

Unknown disse...

COCÔTOV NELLE!!!

Anônimo disse...

Quem é esse juiz pra falar em índole política????????

Se a decisão não fosse lamentável era o caso de rir, e muito.

Anônimo disse...

Qualquer servidor publico com um minimo de honradez e com um histórico profissional e ideológico desses vai se declarar impedido. É o mínimo que esperamos desse sr.

Unknown disse...

Mas que caradecú!!!

Anônimo disse...

Deveria se dar por suspeito, não é atoa que foi contra o Moro.

Anônimo disse...

Se fosse um juiz competente teria encontrado uma desculpa mais palatável, como não encontrou, ficou com essa.

Vindo de um "ex" petista condenar a decisão de Moro contra Lulla por "índole política"...só pode ser piada.

Anônimo disse...

Destino de Lula será decidido por desembargadores do TRF4:

12/07/2017 - Carta Capital

João Pedro Gebran Neto, Victor Laus e Leandro Paulsen, os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, serão os responsáveis por decidir o futuro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O trio é responsável por revisar as sentenças do juiz de primeira instância Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, que condenou Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na quarta-feira 12. (...)

Analistas consideram que o perfil do trio de desembargadores foi essencial para o sucesso da Lava Jato. Eles referendaram, por exemplo, diversas sentenças de prisão cautelar (antes da condenação) por períodos longos. Esse tipo de prisão divide a comunidade jurídica. Elas são duramente criticadas por alguns especialistas, mas vistas como uma das fórmulas do sucesso da Lava Jato (...)

Amigo de Moro
A defesa de Lula, que teve inúmeras brigas com Moro ao longo do processo, chegou a pedir a retirada de um dos desembargadores da 8ª Turma da análise de uma ação relacionada ao ex-presidente.

Em 2016, os advogados de Lula levaram ao TRF4 uma ação na qual pediam a suspeição de Moro para julgar Lula, mas o caso foi rejeitado. Na sequência, a defesa de Lula alegou também a suspeição João Pedro Gebran Neto, alegando que o desembargador é amigo de Moro. O TRF negou ambas as ações.

De fato, Gebran Neto, que é relator da Lava Jato no TRF-4 e iniciou sua carreira como promotor no interior do Paraná, é amigo de Moro. Nos agradecimentos de um livro publicado em 2008, chamado A Aplicação Imediata dos Direitos e Garantias Individuais, o desembargador externa admiração pelo magistrado da primeira instância. “Desde minhas primeiras aulas no curso de mestrado encontrei no colega Sergio Moro, também juiz federal, um amigo”, escreveu.

Como ocorre desde o início da Lava Jato, o caso de Lula será distribuído para o gabinete de Gebran Neto que, como o relator, deve abrir prazo para os réus apresentarem as razões de apelação, bem como para o Ministério Público Federal (MPF) se manifestar. (...)

Anônimo disse...

Sérgio Moro foi 'irretocável' sobre Lula, diz presidente do TRF-4:

iG São Paulo | 06/08/2017

Essa declaração foi dada por Lenz em uma entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo , publicada neste domingo (6). De acordo com o texto, o desembargador ainda comparou a decisão de Sérgio Moro à sentença que o juiz Márcio Moraes proferiu no caso Vladimir Herzog - em outubro de 1978, quando condenou a União pela prisão, tortura e morte do jornalista. "Tal como aquela, não tem erudição e faz um exame irrepreensível da prova dos autos", disse.

O posicionamento do presidente do TRF-4 amanheceu nos Trending Topics (TTs) do Twitter como um dos assuntos mais falados na rede social. A comoção sobre a opinião de Lenz se dá porque o TRF-4 é a segunda instância de julgamento dos recursos da Operação Lava Jato.

Ou seja, é o TRF-4 quem vai decidir, por exemplo, se Lula pode ou não participar das eleições presidenciais de 2018. Afinal, mesmo depois de ter sido condenado por Moro , o ex-presidente ainda pode se candidatar. Isso porque a Lei da Ficha Limpa impede apenas a candidatura de políticos condenados por uma decisão colegiada, ou seja, por mais de um julgador. No TRF-4 , um grupo de desembargadores vai decidir se mantém a sentença proferida por Moro ou se absolve o petista.

Lenz assumiu que gostou da sentença
Segundo o jornal, até a última quinta-feira, em três anos e cinco meses de força-tarefa, 741 processos já haviam chegado ao Tribunal, 635 dos quais baixados. Entre os que estão na iminência de dar entrada está a apelação da defesa do ex-presidente Lula. (...)

Anônimo disse...

Um militante petista é guindado a condição de desembargador da noite para o dia e tá tudo bem?

Anônimo disse...

Assim como Moro e Dallagnol, desembargador do TRF 4 que julgará Lula é adepto das palestras:

Joaquim de Carvalho - 25 agos 2017 - DCM

Em cartaz.
O desembargador João Pedro Gebran Neto, que manteve a decisão que bloqueou os bens do ex-presidente Lula, dividirá com Sérgio Moro a atenção durante o X Congresso Anual da Associação Nacional de Direito e Economia (ABDE), que se realizará nos dias 21 e 22 de setembro.

Gebran e Moro são muito próximos, como mostra a participação comum no Congresso. O desembargador teve questionada sua isenção para revisar as decisões de Moro, através de um pedido de suspeição encaminhado pela defesa do ex-presidente Lula.

Gebran não se declarou impedido e sua decisão de continuar à frente na revisão dos processos acabou confirmada por unanimidade do Tribnunal Regional Federal.

Em um dos seus livros, “A aplicação imediata dos direitos e garantias individuais”, ele faz um agradecimento a Sérgio Moro:

“Desde minhas primeiras aulas no curso de mestrado encontrei no colega Sérgio Moro, também juiz federal, um amigo. Homem culto e perspicaz, emprestou sua inteligência aos mais importantes debates travados em sala de aula, até instigando-me ao estudo da aplicação imediata dos direitos individuais e coletivos. Nossa afinidade e amizade só fizeram crescer nesse período”.

Num primeiro momento, Gebran não só afastou a suspeição, como ele ignorou o pedido da defesa de Lula para explicar o grau de amizade, mas depois acabou se manifestando.

E negou os rumores de que tenha sido padrinho do filho de Moro ou que o juiz tenha sido padrinho de filho seu.

Em uma palestra que realizou, em abril deste ano, Gebran considerou “irrelevante juridicamente” se é ou não amigo de Sérgio Moro. “O que se estabelece é a suspeição quando há amizade com uma das partes, não entre magistrados”, afirmou.

Moro já apareceu até em capa de revista como oponente de Lula, mas, formalmente, ele se mantém como juiz no caso, e não quis se afastar. Em relação ao pedido de suspeição de Moro, ele também considerou improcedente.

Ao manter a decisão que bloqueou os bens de Lula, Gebran foi cuidadoso nas palavras, ao admitir que a defesa pode ter razão. Mas considerou melhor esperar o julgamento do mérito do mandado de segurança apresentado pelos advogados de Lula. (...)

Gebran, entretanto, se equivocou ao mencionar o motivo pelo qual não seria necessária a concessão de liminar. Para ele, em razão de ter sido ex-presidente, Lula recebe aposentadoria e, por isso, não estaria com sua subsistência ameaçada.

Não é verdade que Lula receba aposentadoria como ex-presidente. Esse tipo de aposentadoria foi extinto em 2008.

Gebran é mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal do Paraná. Teve o mesmo orientador que Sérgio Moro, o professor e advogado Clèmerson Merlin Clève.

(...)

Alguns magistrados fazem mais palestras que outros, e Moro e Gebran estão entre os que fazem mais. Podem ser remunerados por isso.

O nome de Gebran consta da relação de palestrantes do Instituto Brasileiro de Administração do Sistema Judiciário – Ibrajus.

Cadastro antigo no Ibrajus.
É uma entidade privada e os palestrantes que estão lá podem cobrar ou não pela palestra. Nas palestras que realizou nos últimos meses, o tema foi parecido com o de Moro.

Na maioria das vezes, ele falou sobre o papel do Judiciário no combate à corrupção.

Nos dia 21 de setembro, os dois estarão juntos no X Congresso Nacional da Associação Brasileira de Direito e Economia (ABDE), uma realização conjunta com o Instituto de Direito e Economia do Rio Grande do Sul, que fará o seu XI Congresso Anual. O evento será na Unisinos, em Porto Alegre. (...)

Anônimo disse...

Triste saber que estamos nas mãos de homens perigosos.

Anônimo disse...

Será que este cara vai ter alguma influencia no julgamento, pelo TRF-4, do Lula? Tem que se declarar impedido!

Anônimo disse...

Além da sentença de Moro, o TRF-4 também promete entrar para a história, mas pela porta dos fundos:

Kiko Nogueira - 6 ago 2017 - DCM

Durante a votação da denúncia contra Michel Temer na Câmara, um deputado do PMDB soltou a seguinte frase: “A investigação é necessária, mas não é urgente”.

No caso de Lula, pode-se inverter essa máxima. A investigação é urgente, mas não é necessária já que o resultado está dado.

O presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, está poupando o trabalho dos três desembargadores que examinam os recursos do processo em que Sérgio Moro condenou Lula a nove anos e meio de prisão.

Segundo Thompson, em entrevista ao Estadão, a sentença de Moro “é tecnicamente irrepreensível, fez exame minucioso e irretocável da prova dos autos e vai entrar para a história do Brasil”.

O repórter quer saber se ele curtiu. “Gostei. Isso eu não vou negar”, é a resposta.

“Eu digo, em tese: se eu fosse integrante da Oitava Turma, e se estivesse, depois do exame dos autos, convencido de que a sentença foi justa, eu teria muita tranquilidade em confirmar.”

Isso é que é sutileza.

Thompson não conhece Sergio Moro, o que não o impede de descrevê-lo com um certo fascínio: “É um juiz muito preparado, estudioso, íntegro, honesto, cujo trabalho já está tendo um reconhecimento, inclusive internacional. É um homem que está cumprindo a sua missão.”

No mês passado, o DCM deu spoilers sobre essa minissérie.

O Jornal Nacional dedicou longos minutos a Thompson Flores no dia em que a condenação de Lula saiu.

Ele apareceu em seu gabinete, enquadrado com carinho pela câmera, declarando que até agosto de 2018, antes da eleição, Lula da Silva estará julgado em segunda instância.

A Lei Orgânica da Magistratura estabelece que juiz não pode falar fora dos autos, mas Gilmar Mendes já transformou isso numa piada.

O trabalho de apresentar estes homens à sociedade como guerreiros do povo brasileiro continua agora com o Estado de S. Paulo.

Diz o repórter Luiz Maklouf Carvalho:

“É grande a honra e pesada e tarefa”, disse Thompson Flores ao assumir a presidência, com 54 anos, ainda solteiro (“mas não perdi as esperanças”), no recente 23 de junho. Cercado de livros por todos os lados – são cinco mil deles, para onde se olhe, fora os 25 mil que guarda em casa – o desembargador carrega, feliz, o peso da história familiar.

Teve coronel trisavô que matou e morreu em Canudos – está em “Os Sertões” -, conviveu com o avô quase homônimo que foi ministro do Supremo Tribunal Federal, indicado pelo general-presidente Costa e Silva nos idos pesados de 1968. O avô já se foi, em 2001, mas tem a presença garantida quando se conversa com o neto (que também almeja o Supremo, por que não?) – seja em citações frequentes, seja nas pinturas que adornam as paredes, três dezenas delas, do avô e de muitos outros personagens históricos. (...)

Anônimo disse...

os gauchos estão acabando com o Brasil. Só tem comunistas , eles são guerrilheiros profissionais.

Anônimo disse...

Putz! Um sujeito consegue um currículo pavoroso e vai julgar as ações do Juiz Moro? Só em Porto Alegre, a capital da vanguarda do atraso!

Anônimo disse...

E a gente depende de um cara desses para resolver nossos problemas na justiça. Que horror Que justiça a nossa, com esses ministros bolivarianos, inclusive os do stf.

Anônimo disse...

Estão faltando algumas balas de prata neste país. Se usarem em uma dúzia os vagabundinhos do andar de baixo vão acocar e agir como se nunca tivessem sido petistas.

Anônimo disse...

Lixo é o PT e toda a sua camarilha.

Anônimo disse...

Diário do Centro da Merda.
Não entendo como ainda tem gente que lê esse pasquim. E ainda divulgam.

Anônimo disse...

EXiste ex petista ???.. e ex gay ???? ???? jamais vi nenhum dos dois.... e a constituição não permite posição partidária de juizes..estamos perdidos... até esta vermelhada se aposentar vamos passar por 40 anos de crise....

Anônimo disse...

Essa naba nao é MAGISTRADO,mas sim uma cria desse maldito quinto constitucional, que garantbe a politiqueiros da oab e mp acesso aos assentos do trf. Claro que o criterio de seleçao é puramente o do agrado aos chefes.

Anônimo disse...

LULA ABRE AÇÃO CONTRA MORO POR GRAMPEAR SEUS ADVOGADOS
Ricardo Stuckert | Ag. Senado
Os advogados do ex-presidente Lula entraram nesta segunda-feira 30 com mandado de segurança no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) contra o juiz Sergio Moro, que teria cometido ilegalidades ao não destruir gravações telefônicas que estariam protegidas pelo sigilo profissional garantido por lei a advogados; entre os áudios, há conversas em que Cristiano Zanin Martins dá orientações jurídicas ao ex-presidente; a defesa destaca que a Polícia Federal analisou "as estratégias jurídicas discutidas entre os advogados do escritório" e diálogos dos advogados com Lula e pede que 462 áudios específicos relacionados ao escritório dos advogados sejam inutilizados
30 DE OUTUBRO DE 2017 ÀS 20:18 // TV 247 NO YOUTUBE Youtube

Anônimo disse...

um esse e` o juiz fan de autor cuto uma das passagens num livro diz bem assim: `compara a humnanidade com um virus`, mas q interessante o que este petralha tem a dizer?

Anônimo disse...

Os órgãos públicos brasileiros continuam mobiliados por petistas, ocupando postos estratégicos da administração. E eles foram democráticos pois há desde operador de trem, passando por carteiros até chegar no Supremo. No way out...

Anônimo disse...

Doente Esquerdopata

Unknown disse...

O importante é mantê-lo preso.
Parabéns Dr.Gebran Neto.
Não podemos ser governados novamente por essa classe.

Anônimo disse...

Alguns aqui falaram com receio sobre eate juiz Fabreto. Pous é, hoje, autorizando a soltura de Lula, comprova-se que esse juiz está trabalhando em favor do petista. Tem que ser impedido já.

Anônimo disse...

Prezados leitores, O PT quase quebrou o país. Precisamos de reforma polítca, de infraestrutura e no judiciário. Não podemos mais ter juízes ou desembargadores que são colocados nesses cargos por indicação política. Isso tem que acabar e deve se estabelecer concurso e hierarquia aos postulantes a cargos do judiciário como STF e STJ. E esse desembargador deve ser punido por conduta contrária a uma decisão da própria esfera do trf4. Também não poderia ser desembargador se em algum momento da carreira política teve envolvimento em partidos políticos. Nosso judiciário tem que ser reformado.