Zelada, outro corrupto nomeado pelo PTpara dirigir a Petrobrás, teve pena aumentada pelo TRF4

Os desembargadores da 8a. Câmara acham que Sérgio Moro foi muito bonzinho com o larápio nomeado pelo PT.

O TRF-4 aumentou de 12 para 15 anos a pena de Jorge Luiz Zelada, ex-diretor da área internacional da Petrobras. Ele foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em esquema de afretamento do navio-sonda Titanium Explorer por US$ 1,8 bilhão.

Zelada, nomeado pelos governos Lula e Dilma Roussef, para roubar a Petrobrás, operava para o PMDB.

Os demais condenados tiveram suas penas mantidas, segundo a assessoria do TRF-4:

Jorge Luiz Zelada: teve a pena aumentada de 12 anos e 2 meses para 15 anos e 3 meses e 20 dias;
Eduardo Costa Vaz Musa: teve a pena mantida em 11 anos e 8 meses;
Jorge Augusto Rezende Henriques: teve a pena mantida em 6 anos e 8 meses. O réu deverá cumprir pena nos termos do acordo de colaboração premiada;

Hamylton Pinheiro Padilha Júnior: teve a pena mantida em 12 anos e 2 meses. O réu também fez acordo de colaboração e deverá cumprir pena nos termos deste.

6 comentários:

Anônimo disse...

E o julgamento do José Dirceu, era para março e até agora nada?

Anônimo disse...

Muito pouco, deveriam pagar a pena máxima!

Anônimo disse...

Jorge Zelada era afilhado de Eduardo Cunha na Petrobras
Presidente da Câmara assumiu indicação do executivo em 2009:

03/07/2015 - O Globo

(...)

Engenheiro de carreira da Petrobras desde 1980, Zelada foi escolhido pelo deputado Fernando Diniz (PMDB-MG), então presidente do partido em Minas Gerais e deputado federal. Houve uma disputa entre as bancadas do PMDB da Câmara do Rio e de Minas pelos comandos de Furnas e da Diretoria Internacional da Petrobras. Os cariocas ficaram com Furnas, cuja indicação foi feita por Eduardo Cunha; enquanto Diniz bancou o nome de Zelada.

No ano seguinte, Diniz morreu. Zelada ficou sem padrinho no cargo e passou a desconsiderar as demandas dos peemedebistas mineiros que se uniram para pedir internamente que alguém no partido com poder assumisse a “paternidade” parra mantê-lo no cargo.

Foi aí, segundo relatos de integrantes do PMDB ao GLOBO, que Cunha passou a bancá-lo na diretoria da estatal. No entanto, Zelada passou a se enfraquecer dentro da empresa e sua atuação começou a ser acompanhada com lupa por Maria das Graças Foster, quer era diretora de Gás e Energia da Petrobras no governo Lula por indicação da então ministra Dilma Rousseff.

Em 2011, ao assumir a Presidência da República, Dilma começou a desfazer os acordos políticos que mantinham a diretoria da Petrobras para trocar executivos nos quais não confiava (...)

No caso da Diretoria Internacional, que era da cota do PMDB, Zelada também foi demitido, mas Graça não escolheu substituto. O posto foi fechado e a diretoria passou a ser acumulada pela própria presidente da Petrobras.

PS: Memória curta editor: Zelada era ligado ao Cunha/PMDB e foi demitido do Cargo de Diretor pela Presidente Dilma, do PT.

Anônimo disse...

Partidos se irritam com mudanças feitas por Graça na Petrobras
Companhia confirma saída de três dos sete diretores. Mudanças foram definidas após presidente da estatal consultar Dilma:

26/04/2012 - O Globo


BRASÍLIA — A Petrobras confirmou na quinta-feira a saída de três dos sete diretores do quadro: Paulo Roberto Costa, de Abastecimento; Renato Duque, de Engenharia; e José Zelada, da área Internacional. (...)

A dança das cadeiras da maior empresa do país e terceira maior companhia de energia do mundo também causou alvoroço na cúpula do PMDB, que pretende ampliar seu espaço na estatal, aproveitando esse momento em que o partido considera ter o governo nas mãos, sobretudo depois de instalada a CPI do Cachoeira. O PMDB, responsável pela indicação de Jorge Zelada, considera não apenas a possibilidade de indicar o sucessor como também outro nome na cúpula da Petrobras. (...)

PS: O PMDB perdeu seu homem na Petrobras, aí se começou se delinear o golpe do traira em cima de Dilma.

Anônimo disse...

Zelada teve 16 encontros oficiais com lobista do PMDB, revela agenda:

10/08/2015 - Zero Hora

O ex-diretor de Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada, que virou réu por corrupção em processo criminal da Operação Lava-Jato, encontrou-se 16 vezes com o lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador de propinas do PMDB. As reuniões ocorreram no período de 2003 a 2008 (...)

PS: Perguntar não ofende: 16 encontros envolvia $$$$$$$?

Anônimo disse...

Noruega investiga ex-diretor da Petrobrás ligado ao PMDB:

Apuração envolve Jorge Zelada, que está preso em Curitiba; Temer chega hoje a Oslo e se reúne com autoridades

O Estado de S.Paulo - 22 Junho 2017

OSLO - Destino do presidente Michel Temer em busca de investimentos no setor de energia, a Noruega investiga se empresas do país escandinavo pagaram propina para garantir contratos com a Petrobrás e alimentar uma rede política no Brasil. A apuração envolve o ex-diretor da estatal brasileira Jorge Zelada, ligado ao PMDB, partido de Temer.

No centro da investigação estão duas empresas, a Sevan Marine a Sevan Drilling. A Sevan Drilling é especializada em exploração de petróleo em alto-mar e tem representação no Rio. Ao Estado, investigadores confirmaram que estão reconstruindo a “rota do dinheiro” entre essas empresas e Zelada.

As investigações examinam a suspeita de que mais de R$ 117 milhões (300 milhões de coroas norueguesas) teriam sido pagos em propinas para permitir que as empresas do país escandinavo fechassem contratos com a estatal brasileira.

PS: Esse é o velho PMDB de guerra....