Câmara decide hoje se STF pode ou não julgar Temer por corrupção

O quorum de 51 deputados par abrir a sessão foi atingido as 8h51min

Desde as 9h desta quarta-feira, a Câmara reúne-se pela primeira vez na história para votar um pedido de ação penal por corrupção contra um presidente da República. 

Collor de Melo e Dilma Roussef foram derrubados por impeachment, mas não em decorrência de processos judiciais.

Acusado de receber propina do grupo JBS, Michel Temer enfrenta um julgamento político, no qual os 513 deputados irão decidir se autorizam o Supremo Tribunal Federal a processá-lo criminalmente. A aprovação terá que ocorrer pelo voto de 342 deputados, o que parece impossível, dado o apoio que o governo tem no Congresso.

Um comentário:

Anônimo disse...

Escandalosa MP de Temer elimina 100% dos juros sobre dívidas dos latifúndios, que devem quase U$ 1 tri à União:

02 de agosto de 2017 - Viomundo

Os jornais e a Globo noticiaram, mas não protestaram. Afinal, tanto a Folha quanto o Estadão tem um pé no latifúndio.

A Folha, aliás, teve ligações umbilicais com a granja do ‘seo’ Frias. Isso mesmo, a venda de ovos sustentou a Folha e o jornal turbinou as galinhas do barão da mídia.

Já a Globo, além de fazer parte da associação do agronegócio, tirou proveito do mesmo perdão de dívidas concedido agora aos ruralistas.

Veja aqui como a Globo obteve um desconto superior a R$ 1 bi de sua dívida.

Os termos do perdão de Temer aos latifundiários foram escandalosos: redução de 25% nas multas e de 100% nos juros!

É um escárnio, num momento em que o mesmo governo retira direitos dos trabalhadores:

Governo publica medida provisória que alivia dívidas previdenciárias de ruralistas

Texto também diminui a alíquota atualmente paga para o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural. Medida é uma reivindicação da bancada ruralista

Por G1, Brasília

O governo publicou no “Diário Oficial da União” desta terça-feira (1º) uma medida provisória para aliviar dívidas previdenciárias de produtores rurais. O texto também reduz a alíquota paga pelos produtores ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

O fundo é usado para auxiliar no custeio da aposentadoria dos trabalhadores rurais, subsidiado pela União. Atualmente, o valor da contribuição do produtor é de 2,1% (2% da receita bruta com a comercialização dos produtos mais 0,1%, também da receita com os produtos, para financiar casos de acidente de trabalho).

Com a medida provisória, o valor total vai para 1,3% (1,2% mais 0,1%).

Além disso, produtores com atraso no pagamento das contribuições previdenciárias poderão quitar as dívidas com descontos nas multas e de forma parcelada (veja no final desta reportagem as condições de pagamento).

A medida provisória do Funrural vinha sendo uma reivindicação da bancada ruralista desde abril, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu como constitucional o pagamento das contribuições previdenciárias.

Produtores rurais e associações que representam a categoria contestavam a contribuição na Justiça. Por isso, muitos deles interromperam ou atrasaram os pagamentos ao fundo. Diante da decisão do STF, a bancada ruralista passou a negociar com o governo uma medida provisória para redefinir as contribuições previdenciárias rurais. (...)

PS: Não esquece traíra/PMDB/PSDB/PP cada centavo perdoado para a elite e para segurar o rombo continua tirando direito dos trouxas, digo, dos trabalhadores, alguém tem de pagar a conta.