Braço direito de Janot atuou na JBS apenas seis dias depois de deixar a PGR, diz O Globo

O ex-procurador Marcelo Miller .

Apenas seis dias depois de ter sido exonerado do cargo de procurador do Ministério Público Federal, Marcello Miller participou de reunião na Procuradoria-Geral da República (PGR) como advogado do grupo J&F, controlador da JBS. Miller foi exonerado no dia 5 de abril deste ano e no dia 11 já representava a empresa dos irmãos Joesley e Wesley Batista em reunião com seus antigos colegas de trabalho. 

A informação foi obtida pelo GLOBO por meio da Lei de Acesso à Informação.


Os registros de entrada da portaria do edifício-sede da PGR mostram que Miller esteve no local nos dias 11 e 18 de abril. Em resposta à reportagem, a PGR confirmou a presença e informou que ele representou o grupo controlador da JBS na ocasião. De acordo com a instituição, Miller participou de uma reunião com representantes do grupo de trabalho que atua na Lava-Jato e com a força-tarefa da Operação Greenfield da Procuradoria da República do Distrito Federal. Essa reunião ocorreu no dia seguinte ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin ter homologado um pré-acordo de delação dos executivos da JBS.

CLIQUE AQUI para conhecer todas a reportagem.

11 comentários:

Unknown disse...

Este é o Brasil...
Pior são os ministros do STF que legislam em causa própria objetivando seus futuros ou camuflados escritórios de "adevocacia" especializados em pareceres e recursos dos assaltantes do Estado contra o Estado!!!

Anônimo disse...

DORIA JÁ TRAIU ALCKMIN, APONTA REVISTA FÓRUM, AO COMENTAR CAPA DE ISTOÉ:

A capa da IstoÉ que vai às bancas neste final de semana não deixa dúvidas: João Doria já traiu Geraldo Alckmin. A matéria “O furacão Doria”, somada a capa “Nasce o anti-Lula”, coloca o prefeito de São Paulo já como um presidenciável, o único supostamente capaz de vencer uma possível candidatura do ex-presidente Lula em 2018; confira a análise da revista Fórum.

5 DE AGOSTO DE 2017

Da revista Fórum

A capa da IstoÉ que vai às bancas neste final de semana não deixa dúvidas: João Doria já traiu Geraldo Alckmin. A matéria “O furacão Doria”, somada a capa “Nasce o anti-Lula”, coloca o prefeito de São Paulo já como um presidenciável, o único supostamente capaz de vencer uma possível candidatura do ex-presidente Lula em 2018.

Ainda em sua campanha para prefeito e no início de sua gestão, Doria não tinha receio em bradar “Geraldo presidente” e apoiar a candidatura de seu padrinho político. Atualmente, já não é mais bem assim. O ex-apresentador de televisão já aparece em todas as pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018 e seus ataques à Lula são cada vez mais frequentes. A matéria da IstoÉ pouco ou quase nada fala de feitos de Doria enquanto prefeito e se limita a pintar o tucano como “salvador da pátria”.

“Alckmin, criador da criatura, viu seu pupilo ir muito além dele na preferência popular – embora tenha tido seu nome testado em escrutínio presidencial, com propaganda nacional intensa para se eleger. Sem sucesso. Doria hoje, antes de entrar em campo, já se posiciona à frente de Aécio e Alckmin nas pesquisas e só uma disposição insana de repetir propostas do passado levaria a esquadra tucana a desconsiderar esse cenário”, pontua a matéria...

PS: Quem entende um mínimo de politica, sabe que Doria não tem chance de bater Empinador de pipa frente ventilador, dentro do PSDBosta.

Anônimo disse...

TEMER JÁ COMEMORA A SAÍDA DE JANOT DA PGR:

Poucos dias depois de se safar da denúncia de corrupção passiva na Câmara dos Deputados, numa operação que custou R$ 13,4 bilhões ao País, entre emendas e outros favores aos parlamentares, Michel Temer já comemora, por antecipação, a saída de Rodrigo Janot da procuradoria-geral da República em setembro; segundo Temer, ao denunciá-lo, assim como a outros integrantes de seu governo, Janot agia como político; "Lamento é que ele, a todo momento, anuncie que vai fazer uma nova denúncia, baseada nos mesmos fatos. É um gestual político, institucionalmente condenável"; Temer também disse que a sucessora de Janot, Raquel Dodge, dará o "rumo correto" à Lava Jato; será que a sangria foi estancada?

5 DE AGOSTO DE 2017

247 – Aparentemente, Michel Temer conseguiu estancar a sangria da Operação Lava Jato. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, seu mais fiel aliado na mídia, ele já comemora, por antecipação, a saída de Rodrigo Janot da Procuradoria-Geral da República.

Segundo Temer, ao denunciá-lo, assim como a outros integrantes de seu governo, como Eliseu Padilha e Moreira Franco, Janot agia como político.

"Sabe quando o procurador fez isso, embora esse processo esteja correndo há três anos? Às vésperas da votação do Congresso, o que está a significar que, na verdade, ele passou a ter uma atuação muito mais de natureza política, e quase pessoal, do tipo 'quero ver qual é o time que ganha', e não a sua função institucional. Não se trata de disputas pessoais. Nem ele deve ter disputa pessoal com o presidente da República, muito menos eu terei com ele. Jamais lhe daria essa satisfação. Lamento é que ele, a todo momento, anuncie que vai fazer uma nova denúncia, baseada nos mesmos fatos. É um gestual político, institucionalmente condenável", disse Temer.

Janot alega que investiga fatos – e não pessoas – e lembra que as provas do caso JBS, como as malas de dinheiro entregues a Rodrigo Rocha Loures e prepostos do senador Aécio Neves (PSDB-MG), são irrefutáveis. E Temer não menciona que sua salvação custou R$ 13,4 bilhões ao País, em favores aos deputados.

Temer disse ainda que vai seguir com suas reformas, rechaçadas por uma população em que só 4% o apoiam, e prevê que terá o apoio do PSDB. "Mas será que eles votam contra o Brasil? Eu não acredito que eles votem contra o Brasil", afirmou.

Ele também disse não temer as delações de Lúcio Funaro e Eduardo Cunha. "As pessoas estão cansadas disso. Primeiro, não conheço Lúcio Funaro, segundo, não sei o que ele vai dizer. Portanto, não posso falar sobre hipóteses. Não tenho nenhuma preocupação com isso. Eduardo Cunha, sim, foi líder do PMDB, foi presidente da Câmara. Às vezes me perguntam, como é que você falava com ele? Meu Deus, estou falando com o líder do PMDB, com o presidente da Câmara... E eu não devo falar com ele?", questionou. (...)

PS: Se está festejando é porque a Lava Jato Brasilia vai parar, já a Lava Jato "sector Curitiba", no que tange ao PT, lula e dilma continua a mil.

Anônimo disse...

Vergonha Janot tem que ser investigado, jogou o pais na crise, enquanto poucos ganhavam bilhões na bolsa e mercado de cambio.

Mordaz disse...

Mas o Globo não é da quadrilha de jornalistas que queriam derrubar Temer? Políbio nos fez desacreditar no jornalismo e agora nos dá provas da mesma Globo.

Anônimo disse...

É muita promiscuidade!! Aí tem coisa que ainda não sabemos!!

Anônimo disse...

Ex-Diplomata, ex-Procurador , o DR. MILLER cobrou R$ 10 MILHÕES por 6 dias de trabalho para a JBS , para preparar a Delação Premiada de Joesley e Wesley e a ida dos Batista para os EUA , imunes e impunes . Foi até barato .!!!

Anônimo disse...

ATÉ VEJA RECONHECE: GOVERNO TEMER APODRECEU:

Integrante da campanha midiática que redundou no golpe parlamentar de 2016, a revista Veja reconheceu, neste fim de semana, que o governo Temer, fruto desse processo, hoje governa com a "banda podre" do Congresso, cujo símbolo maior nesta semana foi o deputado Wladimir Costa (SD-PA), o da tatuagem em troca de favores; para a revista, a crise continua com Temer e, segundo a colunista Dora Kramer, a vitória do Palácio do Planalto é de fôlego curto – uma vez que Temer não terá munição para conter as próximas denúncias que virão da Procuradoria-Geral da República.

5 DE AGOSTO DE 2017

247 – O Brasil passou a ser governado pela "banda podre" do Congresso Nacional, ou seja, pelos parlamentares corruptos do chamado Centrão e de outras legendas.

A tese é da própria revista Veja, integrante da campanha midiática que redundou no golpe parlamentar de 2016.

Para a revista, a crise continua com Temer e, segundo a colunista Dora Kramer, a vitória do Palácio do Planalto é de fôlego curto – uma vez que Temer não terá munição para conter as próximas denúncias que virão da Procuradoria-Geral da República.

O colunista Roberto Pompeu de Toledo ironiza ainda o fato de o PSDB ter se misturado com o Centrão e lembra que vários parlamentares dessa "banda podre" fizeram questão de frisar estarem votando no "relatório do PSDB".

Só lembrando, Temer foi salvo por um relatório produzido por um parlamentar subordinado ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG).

Ou seja: o PSDB também virou Centrão e hoje é parte da banda podre do parlamento.

Anônimo disse...

JANOT DEVE EXPLICAÇOES E DEVE SER INVESTIGADO,..... NO BLOG IMPRENSA VIVA DIZ Q JANOT LUCROU MILHOES COM A IDA DO PROCURADOR Q TRABALGAVA COM ELE É ELE SAIU DA PGR E CORREU PRA JBS= FRIBOI

Anônimo disse...

Qual dois é o pior FDP dos dois? Janot ou o tal de Miller? Este último deveria apodrecer na cadeia. Armações ardilosas engendradas pelos dois, são da pior escória.

ATENTO disse...

QUISERAM AFOGAR A RÃ ATIRANDO DENTRO DA AGUA

BOTARAM A INCOMPETENCIA, IGNORANCIA,E MÁ FÉ NA VITRINE!

TEMER VIROU O JOGO A SEU FAVOR NESSE DISCURSO

TEMER DESTRUIU SEUS INIMIGOS ,QUE ESQUECERAM QUE ELE É BOM ADVOGADO E JANOT COM UM RABO DO TAMANHO DE UM JACARÉ,PEDIU,LEVOU,SE DESMORALIZOU.

O PERIGO DO INCOMPETENTE É QUE ELE ACHA QUE TODOS SÃO INCOMPETENTES,E QUANDO LEVA UM TRANCO DESTES NÃO SE RECUPERA,JANOT VAI PARA APOSENTADORIA COMO UM CORRUPTO,INCOMPETENTE PERANTE SEUS PARES,APENAS UMA MERA FERRAMENTA PARA BANDIDOS USAREM.ATÉ PODEM "QUEIMAR" O ARQUIVO JANOT.

NO DISCURSO EM QUE TEMER ACUSOU ASSESSOR DE JANOT,FEZ RESPINGAR E MOSTROU O TAMANHO DO RABO DE JANOT,GANHOU CREDIBILIDADE , VIROU O JOGO, E SE CONSEGUIR DIMINUIR O DESASTRE DE DILMA LULA E PT PODE SURPREENDER NAS URNAS.

ESTÃO QUERENDO ELIMINAR TEMER AGORA PORQUE DAQUI A POUCO SERÁ IMBATIVEL NAS URNAS, COM ECONOMIA ANDANDO,DIMINUINDO DESEMPREGO,LULA NA CADEIA...

BONS POLITICOS COMO TEMER SABEM QUE SE GANHA ELEIÇÃO BEM ANTES DA LARGADA, E TEMER FAZENDO O DEVER DE CASA NÃO VAI TER ADVERSARIO...