Contas públicas PDV revela ‘boa intenção’ de cortar, mas deve ser inócuo, revela jornal Valor.

Reportagem dos jornalistas Thais Carrança, Ana Conceição e Estevão Talar, informa que o programa de demissão voluntária (PDV) para servidores federais, sinaliza a disposição da administração Michel Temer em cortar despesas obrigatórias, embora a economia com a medida não seja significativa, ainda que atinja o potencial de R$ 1 bilhão estimado preliminarmente, afirmaram economistas. Para eles, a adesão dos funcionários do Executivo deve ser baixa, devido à dinâmica da carreira pública. Para atacar o gasto com a folha salarial, o governo deveria suspender reajustes já anunciados, que vão consumir bilhões de reais nos próximos anos.

Leia tudo:

“O governo está deixando claro que não há mais espaço para corte de despesa discricionária, que é preciso caminhar para corte de gasto obrigatório, essa sinalização é importante”, diz a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif. A iniciativa também é positiva se incentivar Estados a seguirem esse caminho e se estimular a discussão sobre estabilidade do funcionalismo, acrescentou.
Para ela, diante da possibilidade de que a adesão ao plano retire o direito de se aposentar pelas regras do setor público, é mais provável que o PDV atraia servidores com pouco tempo de carreira, já enquadrados na nova regra, sem direito à aposentadoria integral. “Quem é da regra antiga não vai entrar de jeito nenhum, porque vai perder a integralidade”, diz.

Fábio Klein, economista da Tendências Consultoria, diz que um PDV é menos atrativo na carreira pública que no setor privado. Estabilidade e salários elevados do funcionalismo federal são fatores de desincentivo, afirma. Também a redução de carga horária não deve ter grande adesão, posto que a jornada dos serviço público não costuma ser exaustiva, acredita.

CLIQUE AQUI para saber mais.

12 comentários:

Mordaz disse...

Só factóide demagógico. Depois de demitir vai fazer novos concursos, ou pior, encher de CCs de partidos.

Anônimo disse...

E extinguir a estabilidade. E tem que botar os antigos para trabalhar. Reciclar todo mundo.

Anônimo disse...

"Também a redução de carga horária não deve ter grande adesão, posto que a jornada dos serviço público não costuma ser exaustiva, acredita"
Dito de outra forma, servidor publico não costuma trabalhar muito. Se não tiver uma reforma profunda do setor público tudo fica como está. Á população resta o trabalho informal e sonegação de impostos.

FAÇANHA,O INTEGRALISTA disse...

BRASILEIRO TEM ÂNIMO SUICIDA, está sempre contra o Governo (mas dele espera ganhar tudo). Essa imprensa liberal e ABUTRE, deveria colaborar com Michel Temer, com o País! Ser patriota! Parar de cuspir no prato em que está a comer!

Anônimo disse...

A pessoa não entende bulhufas de serviço público e quer opinar. Quer acabar com a estabilidade? Como é ignorante. Vamos acabar com a estabilidade de procuradores, delegados, servidores das Receitas? Que grande gênia é essa pessoa da XP. Ela que vá cuidar das coisas do ITAU, da qual é subordinada. Quem sabe deixemos para os políticos decidir quem fiscalizar, investigar, processar, autuar.
Se querem melhorar o serviço público é só aplicar a lei. Puna quem não cumpre com seus deveres, apliquem métodos objetivos de avaliação de competências, resultados e não avaliações por chefias colocadas por políticos para pressionar servidores eficientes.
E lógico da bolsa mau-empresário ninguém fala. O BNDES é uma mãe.

Anônimo disse...

Ainda tem alguém que acredita em Institutos de Pesquisa???

Institutos de pesquisa =

= Gráficas de fachada do LULADRÃO = DILMALÉFICA = PT.

A quem interessa fazer FALSAS PESQUISAS há quase 2 anos antes das eleições????

Nunca acertaram nem mesmo em pesquisas de boca-de-urna!!

Nunca acertaram, porque o objetivo da existência desses falsos institutos de pesquisa, SEM NENHUMA FISCALIZAÇÃO, é...

...MENTIR OS NÚMEROS EM FAVOR DO PT DESDE QUE LULARÁPIO CONQUISTOU O PLANALTO COM A AJUDA DO FHC, QUE TRAIU O PRÓPRIO PARTIDO PSDB EM 2002!!!!

EM 2002 O PSDB LANÇOU CANDIDATO PRÓPRIO = JOSÉ SERRA

Anônimo disse...

Ainda tem alguém que acredita em Institutos de Pesquisa???

Institutos de pesquisa =

= Gráficas de fachada do LULADRÃO = DILMALÉFICA = PT.

A quem interessa fazer FALSAS PESQUISAS há quase 2 anos antes das eleições????

Nunca acertaram nem mesmo em pesquisas de boca-de-urna!!

Nunca acertaram, porque o objetivo da existência desses falsos institutos de pesquisa, SEM NENHUMA FISCALIZAÇÃO, é...

...MENTIR OS NÚMEROS EM FAVOR DO PT DESDE QUE LULARÁPIO CONQUISTOU O PLANALTO COM A AJUDA DO FHC, QUE TRAIU O PRÓPRIO PARTIDO PSDB EM 2002!!!!

EM 2002 O PSDB LANÇOU CANDIDATO PRÓPRIO = JOSÉ SERRA

Anônimo disse...



Se esta realmente preocupado com a Previdência o Governo Federal deveria bancar, descontando da divida com a união, os Estado e Municípios que promoverem o PDV.

Anônimo disse...

Claro que tem muito onde cortar nas máquinas públicas federais, estaduais e municipais.
Pra que tanto vereador?
Pra que tanto assessor de vereador?
Pra que tanto senador?
Pra que tanto assessor de senador e assessor de deputado federal?
Tudo cabide de emprego pra sogra, cunhado, filhos que não tem nenhuma vontade de trabalhar, etc.
Aqui o mané inexperiente do Jardel foi pego no flagra. Mas os experientes deputados são todos anjos.

Anônimo disse...

Aposto que você gostaria de ser um funcionário público, mas primeiro o governo tem que abrir os concursos, que não fazem mais, porque o concursado não se envolve com CCs políticos, não rouba e nem se corrompe, pra não perder a estabilidade, porque pode ser demitido, mas só por justa-causa!! E não recebe nada do FGTS, porque não se enquadra na CLT!

Os administradores políticos = corruptos não fazem mais concursos, para usar as vagas dos concursados com CCs, sem competência técnica e com padrinho político.

São os CCs que roubam nos órgãos públicos, para seus padrinhos, e ainda leva uma grana do FGTS + multa pela demissão!

Anônimo disse...

Aposto que você gostaria de ser um funcionário público, mas primeiro o governo tem que abrir os concursos, que não fazem mais, porque não convém, pois o concursado não se envolve com CCs políticos, não rouba e nem se corrompe, pra não perder a estabilidade, porque pode ser demitido mas só por justa-causa!! E não recebe nada do FGTS quando é demitido, porque não foi contratado sob a CLT!

Os administradores políticos = corruptos não fazem mais concursos, para usar as vagas dos concursados com CCs, sem competência técnica e com padrinho político.

São os CCs que roubam nos órgãos públicos, para seus padrinhos, e ainda leva uma grana do FGTS + multa pela demissão!

Unknown disse...

Bode na Sala!!!
Merreca!!!