Artigo, Dora Kramer, Veja - A prosa enganosa do PT

Estas patéticas senadoras do PT vão reaglutinar o PT ?

A condenação de Luiz Inácio da Silva no primeiro dos vários processos em que figura como réu evidencia o erro de cálculo contido em versões muito em voga, segundo as quais o maior e único beneficiário da derrocada de Michel Temer e companhia seria o PT. Trata-se de uma tese fadada ao desmonte frente à luz da realidade. Palocci está preso, Vaccari está preso, Lula pode ser preso, José Dirceu está em prisão domiciliar. Os petistas condenad0s no processo do mensalão perderam as cordas vocais. Quem são hoje José Genoíno, João Paulo Cunha _ apenas para citar os mais destacados _, não obstante estejam soltos? 

Vão reaglutinar quais forças, com que força? Fora eles, sobram os que articularam a patética ação das senadoras na votação da reforma trabalhista, um perfeito tiro no pé.

3 comentários:

Marlene Gazzana disse...

A esquerda se esforça e consegue envergonhar o Brasil

Anônimo disse...

Lindinho devia ter usado um supo.sitorio GGG de farinha qdo articulou esse teatro de galinhas cacarejantes.
Kkkkkkk

Anônimo disse...

Sem emplacar CPI, tucanos invadem Mesa em plenário:

FÁBIO GÓIS | 14/05/2009 - Congresso Em Foco

O plenário do Senado foi palco de algo inédito na história da instituição. Inconformados com a decisão da Mesa Diretora de não ler o pedido de instalação da CPI da Petrobras, senadores do PSDB subiram à Mesa e, em uma quebra de protocolo, assumiram a presidência para tentar dar continuidade à sessão não deliberativa do início da noite desta quinta-feira (14). Segundos antes, a 2ª vice-presidente da Mesa, Serys Slhessarenko (PT-MT), assumira o posto para, com uma frase, instalar a confusão: “Não havendo mais oradores inscritos, declaro encerrada esta sessão”.

Ou seja, não haveria a possibilidade de o substituto hierárquico na Mesa – o 1º vice-presidente da Casa, Marconi Perillo (PSDB-GO) – chegar a tempo para prorrogar a sessão e, assim, ler o requerimento (os tucanos haviam informado que Perillo, que já estava em Goiânia, tomaria um avião de volta só para ler em plenário o pedido de abertura da CPI).

Foi o que bastou para que o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), sem alternativas, subisse à Mesa, ocupasse a cadeira da presidência e, aos gritos e batendo na mesa, anunciasse: “Quero ver quem vai me tirar daqui!”, disse Virgílio, emendando uma exortação ao colega. “Com a palavra, o senador Tasso Jereissati [PSDB-CE].” Tasso tomou o microfone do plenário, protestou por alguns segundos e, por causa do primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), não mais se fez ouvir em plenário – por determinação de Heráclito, os microfones foram todos desligados.

“O senhor não é mais senador do que ninguém aqui!”, vociferou Tasso, dirigindo-se ao colega piauiense. “Sou o primeiro-secretário”, respondeu Heráclito.

PS: Memória curta da da articulista? Ou só tucano pode?