Leia, aqui, as alegações finais do MPF contra Lula

Nas suas alegações finais sobre ocaso do triplex, a Lava Jato cita  Lula seja em 64 casos diferentes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro.

O MPF quer  a condenação sob a alegação de que Lula é ladrão consciente.

CLIQUE AQUI para examinar o inteiro teor da manifestação do MPF.

10 comentários:

Ivan Vilis disse...

Ladrão consciente, malfeitor, enganador dos idiotas-úteis (de analfabetos a Ph.d), criatura agente das profundezas do inferno, de onde nunca deveria ter saído, nunca mereceu o convívio com a sociedade dos humanos.
Talvez o Brasil e nós brasileiros devessemos passar por uma prova para darmos valor à Moral, à Ética, ao Mérito, ao Trabalho e à outros valores Humanos.
O pessoal de Curitiba está fazendo um trabalho CORAJOSO E MERITÓRIO ao enfrentar as trevas e com a nossa ajuda todos venceremos.

Anônimo disse...

- POR QUE TEMER JOGOU ROCHA LOURES ÀS HIENAS DO PT QUE HOJE COMANDAM A LAVA JATO?

Anônimo disse...

Tem provas "concretas", tipo "audio" entre o traíra e o dono da JBS? Tipo "audio e video" da mala de meio milhão que o ex-Dep e "presidiário" e ex-assessor do traíra, Lourdes pegou, depois devolveu parcelado? Tipo "audio e video" do ex-senador, Presidente nacional do PSDB e ex-candidato "derrotado" a Presidência da República 2014, quando seu emissário e primo foi preso com $ da JBS?

Anônimo disse...

o sapo barbudo vai pra cadeia?

Anônimo disse...

Na boa, os mortadelas se esquecem o que é "ocultação de patrimônio". Além do mais fazem de conta que as gravações entre Lula e Dilma foram apenas "ilusões de áudio" forjadas pela golpista Globo assim como o áudio da "Santa Marisa" mandando o povo "enfiar as panelas no cú" além da tentativa da ex-presidanta tentar torna-lo ministro para escapar da Lava jato. Pior que esses políticos são os iludidos-bucha-de-canhão-mamadores-de-tetas-do-estado do seus militantes! VALE PARA TODOS OS PARTIDOS! LULA, DILMA, TEMER, AÉCIO E ATÉ FHC... TODOS NA CADEIA!

Anônimo disse...

O Dr. Dallagnol vai devolver a visita ao Rocha Loures?
FERNANDO BRITO · 03/06/2017 - O Tijolaço

Na véspera da derrubada de Dilma Rousseff, o procurador Deltan Dallagnol, o pregador de Curitiba, recebeu, como registra a Folha de S. Paulo, a visita do futuro (futuro?) homem da mala de Michel Temer.

É indício de uma articulação para que a “Força Tarefa” ajudasse a derrubar a Presidenta e ajudaria o novo Governo, sendo por ele ajudada, também?

Só nos critérios da República de Curitiba poderia ser.

Imagine, então se aparecesse uma foto do encontro: que escândalo!

Bem, há certamente um escândalo nesta história: o emissário de um vice-presidente ir procurar um membro do Ministério Público que não é o chefe da instituição para conversas que só se poderia ter institucionalmente.

Menos ainda porque Loures foi emissário de uma exigência dos procuradores, a de manter o delegado Rosalvo Franco como superintendente da Polícia Federal no Paraná, o que caracteriza uma interferência indevida nas atribuições do diretor geral da PF e no Ministério da Justiça.

A menos que o Dr. Dallagnol negue que tenha sido este o conteúdo da conversa e diga que a visita foi de cortesia, de caráter pessoal.

Neste caso, poderia devolvê-la agora que Loures está em dificuldades.

Ou será que vai esperar que o ex-deputado, se Temer cair e perder o foro privilegiado, seja transferido para Curitiba sem dar ao procurador o trabalho de viajar.

Esse é o mesmo procurador do pawerpoint? Socoroooooooooo

Anônimo disse...

As alegações ridículas contra Lula e um outro caminho para o MPF. Luis Edmundo Araujo.03/06/2017 - O cafézinho

(...)

Deltan Dallagnol e cia pedem a condenação de Lula com base num apartamento que nunca foi dele, que nunca sequer foi usado pelo ex-presidente nem pra lavar o pé sujo cheio de areia da praia na garagem. Pedem ao juiz amigo, aliado, que reconheça a dificuldade cabal de se conseguir provas e condene Lula na base da convicção, do achismo.

Não têm o menor receio do ridículo, os procuradores da turma de Dallagnol, e isso graças à dita “grande mídia”. Há até um constrangimento inevitável com palhaçadas como o powerpoint do procurador que investe em habitações populares do programa Minha Casa Minha Vida. Mas logo depois a mídia assovia pro alto, finge que aquilo não aconteceu e passa a levar a sério todas as denúncias patéticas, em nome do projeto do golpe.

(...)

De acordo com a lógica da força-tarefa da Lava Jato, logo os delatores estarão sem nem tornozeleiras, “presos” em casa e ainda ricos, como estão Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco. Ou solto, em regime aberto, como o doleiro Alberto Youssef....

PS: E ainda pedem que lula devolva 87 milhões de reais, considerando que lula nunca morou no imóvel, que o imóvel está em nome da OAS e que o tal triplex está avaliado em torno de 1,8 milhões de reais, ou seja, 50 vezes mais que o preço do imóvel. Sai fora hoooooo.......

Anônimo disse...

Não acredito na justiça bolivariana. Fora Janot.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

A fase da moralidade no longo percurso da Justiça tem vida curta.Lamentavelmente todo esse heroico empenho da Força-Tarefa Lava Jato vai por água abaixo tão logo chegue lá no Supremo Tribunal Federal. Por um lado alguns dos seus Ministros vão procurar salvar as suas peles em relação ao comando político que estiver de plantão quando do julgamento: outros,a maioria,não vão esquecer de agradar e agradecer o partido que os investiu na Suprema Corte. Em suma: o que vai prevalecer não é a verdade jurídica,porém os interesses de cada Ministro. É certo que alguns bodes expiatórios vão ser sacrificados,mas não serão aqueles de "primeira linha". Ser Lula for condenado à prisão,por exemplo,não vai nem dar tempo dele começar a ser levado para cumprir a pena que antes já terá sido expedido algum mandado de soltura por algum tribunal, em "habeas corpus". Pelo menos lá no Supremo sua prisão jamais vai prosperar. E todos sabem a ligeireza da Justiça nesses casos de grande "mídia",enquanto o resto......

Anônimo disse...

Só acho estranho que esses Promotores, perderam o "apetite", daquelas longas entrevistas em rede nacional, com microfones em quatro ou mais em uma mesa, que eram muito esclarecedoras.