Indicadores sugerem que ajustes do mercado de trabalho seguem em curso

Os indicadores do mercado de trabalho, divulgados ontem, sugerem que o mercado de trabalho seguiu enfraquecido em abril e maio. 

Os dados da SEADE mostraram que a taxa de desemprego avançou de 18,5% para 18,6% na região metropolitana de São Paulo, na passagem de março para abril e os rendimentos reais subiram 2,2% na comparação interanual, após terem registrado alta de 0,2% no mês anterior. Já o indicador antecedente de Emprego (IAEmp), também divulgado ontem pela FGV, recuou 1,2 ponto entre abril para maio, enquanto o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) permaneceu praticamente estável em maio, ao passar de 97,4 para 97,3 pontos. 

Dessa forma, a taxa de desemprego deverá continuar em alta nos próximos meses, ainda que em ritmo mais moderado, uma vez que a recuperação do emprego responderá de forma defasada à melhora da atividade econômica.

2 comentários:

Anônimo disse...


MAS SEGUNDO O TEMER A RECESSÃO ACABOU!

Ué mas não estavam alardeando que estávamos saindo da crise?

Anônimo disse...

Tudo que o PT e o Sr. Lula querem. Querem o pior, para o pobre lembrar dele, quando endividou o País em trilhões (deve 3 trilhões, descontado o que tem em letras do Tesouro Americano). Endividar e dar migalhas ao povo, privilegiando amigos para dar empregos fora do País. Estamos inevitavelmente perdidos. E não esqueçamos Dirceu dizendo que tudo será diferente de 2018 em diante. O pior ainda está por vir. Sem dúvida, vamos virar uma Venezuela de primeiro mundo, com o povão achando o máximo. Vivemos um lado da moeda, agora vamos viver o outro. Desânimo mesmo tudo isso. Ainda tem uns caras pensando que o Temer é da quadrilha e devemos fazer a caridade de entregar tudo nas mãos do socialismo de compadrio. Tudo em nome da grande honra da Pátria. Parabéns legalistas. Lula em 2018 vai dizer, aos prantos: Vocês foram muito legais comigo. Não gostaria de dizer isso, mas são um bando de idiotas.