Entrevista, Modesto Carvalhosa - Esta candidatura é para restabelecer a honra ferida da Pátria

ENTREVISTA
Modesto Carvalhosa, jurista, SP (CLIQUE AQUI para saber quem é).

É claro que o senhor é brasileiro e tem mais de 35 anos, mas a legislação exige que o senhor tenha filiação partidária para disputar a sucessão de Temer, caso ele saia.
Não tenho filiação partidária e isto nem é necessário. Aliás, candidaturas avulsas, independentes, terão que ser aceitas também nas diretas do ano que vem. O Brasil é signatário do Tratado de São José da Costa Rica, que no seu artigo 23 assegura aos cidadãos nacionais o direito de votar e ser votado. É isto.

Caso Temer saia, não seria melhor mudar a Constituição para chamar eleições diretas ?
O calendário eleitoral está consagrado na Constituição. Isto é sagrado. Se o presidente sair, a eleição é indireta. Isto aqui não é a Venezuela.

Se Temer não sair, o senhor irá para a disputa de 2018 ?
Negativo. O projeto é este sobre o qual estamos falando.

O que o motivou a entrar em campanha aberta ?
Os eventos de 2013 e o que se seguiu. A sociedade civil entusiasma-se com um candidato que como ela quer restabelecer a honra ferida da Pátria. Nós estamos envergonhados e enojados.

Por isto o senhor se anima ?
Como não responder positivamente ao desejo dos que querem decência no governo, tudo para restabelecer o orgulho de ser brasileiro, A corrupção não pode continuar nos governando. Temos que partir para a ação.

Vai sair alguma caravana pelo País ?
E é preciso ? O povo não aguenta mais a corrupção, os desmandos. A Nação está envergonhada. A sociedade amadureceu enormemente e sabe o que quer.

CLIQUE AQUI para examinar o Facebook da campanha.

12 comentários:

Anônimo disse...

Antigamente lá nas antigas, tempos de reis e príncipes, quando alguém lançava mão de uma coroa e punha sobre a própria cabeça, sem o direito “divino” de usa-la, era chamado de USURPADOR.
Agora, cá nas modernidades, quando alguém sucede a um governante, que por fraudar as eleições, não deveria sequer ter assumido o cargo, que nome possa ser dado a este sucessor?
O mandato do Temer, nem deveria ser julgado.
Constatado que a Dilma venceu de forma fraudulenta, o atual presidente deveria deixar automaticamente o poder, até porque ele é o sucessor de quem nunca deveria ter sido titular.
Sem o mandato da Dilma, o Temer não existe como presidente, se continuar, até mesmo pelos contorcionismos jurídicos, ai esta implementado o golpe na república brasileira.
Sequer deveriam ter permitido a inclusão do Temer no processo, ele é apenas o primeiro da linha sucessória, que se esta não mais existir, ele também deixa de ter mandato.
É partir para a solução constitucional, presidente da câmara assume e convoca eleição indireta, vença quem vencer, os derrotados tem que dar a mão a palmatória, é assim em qualquer pais sério e democrático.. Sem atalhos ou subterrâneos.

Anônimo disse...

Piada este sujeito.

Anônimo disse...

A Empiricus, dona de O Antagonista, tá pistola com o Temer. Nem com Lula e Dilma foram assim. Devem estar perdendo muitos clientes com as previsões furadas

Façanha, o advogado do povo disse...

O VELHOTE NÃO SE ENXERGA!

Anônimo disse...


Anônimo das 17:51! Vc não entende nada de nada. Então não dê palpite furado baseado apenas nos seus desejos pueris...

Anônimo disse...

Petralha defendeu a Dilma.

Anônimo disse...

Esse cara é um imbecil

Anônimo disse...

Por isso ele não é candidato em 2018 para que o líder supremo dele não tenha defecções.

Anônimo disse...

E começa a temporada de salvadores da pátria, só baseados na rejeição e sem nenhum plano. O Lula, pelos menos, tinha o plano de nos transformar em capacho do Putin et caterva e o fez. O plano dele foi feito na calada da noite e a alta traição foi descoberta. O plano de nos livrar dos comunistas é pequeno.

Anônimo disse...

A única pergunta que importa a ser feita ao candidato é: "É contra ou a favor das reformas?".

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o anônimo das 17:51h. Discorreu a realidade daquela eleição com perfeição, porém como o país não é sério, temos que aceitar essas turbulências. Ignoram a Constituição Federal e se beneficiam do poder. Na verdade uma pequena minoria ditam as normas de uma população. Pois a maioria que leva o país nas costas, sobrecarregados de impostos, é o trabalhador.

Anônimo disse...

O Professor Modesto Carvalhosa é a figura ideal para conduzir o País neste momento de aguda crise ética.