Atual balanço de riscos justificou decisão do Copom de reduzir taxa básica para 10,25%. Ela poderá cair para 8% até o final do ano.

Mantendo o mesmo ritmo de cortes, o Copom optou por reduzir a taxa de juros em 1 ponto percentual, levando a Selic para 10,25% ao ano, em decisão unânime anunciada ontem. 

Os economistas do Bradesco analisaram a decisão, esta manhã:

Para tanto, o comitê levou em conta os fundamentos macroeconômicos, com destaque para a estabilização da economia brasileira, o cenário externo favorável e a desinflação difundida inclusive nos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico. Ao mesmo tempo, contudo, houve o reconhecimento que as incertezas se elevaram, o que pode impactar a evolução do processo de ajustes e reformas na economia. Esses impactos, por sua vez, podem ser negativos para o desempenho da atividade econômica e dificultam a avaliação dos efeitos desses cenários sobre os determinantes da inflação, segundo apontado pela autoridade monetária. Com isso, há um risco de que a queda das estimativas da taxa de juros estrutural não seja tão célere e certa. Diante disso, o Copom fará reavaliações ao longo do tempo e, por enquanto, entende que uma “redução moderada do ritmo de flexibilização monetária em relação ao ritmo adotado hoje deve se mostrar adequada em sua próxima reunião”. Nosso entendimento segue sendo de que as condições objetivas para o crescimento e a inflação tendem a fazer o Banco Central a cortar mais a taxa de juros do que hoje precificado pelo mercado. Por ora, mantemos nossa avaliação de que a taxa de juros terminará este ano em 8%. 

Um comentário:

Anônimo disse...

Espero que o COPOM com essa desculpa esfarrapa tenha feito muito amiguinho ganhar grana com essa taxa de juros que contínua sendo a maior do mundo.
Outra corja tb!!