TCE do RS vai ignorar pedido de Da Camino para conter extinção das Fundações

O TCE do RS vai ignorar a representação do procurador Geraldo Da Camino, que encampou as reclamações petistas e corporativas sobre os processos de extinção de seis fundações estaduais.

A extinção foi proposta pelo governo estadual e aprovada pela Assembléia.

As corporações e os petistas corcoveiam sem parar.

9 comentários:

Unknown disse...

Até tu, Da Camino???

Anônimo disse...

Palhaçada.Que bagunça.Se tudo isso já foi votado na Assembleia,ela é soberana,como pode alguém querer travar tudo?Depois que é votado,sempre aparece o herói querendo fazer gracinhas e deixando os servidores que nem sabem para que lado vão,com tanto extingue,cancela,mais confusos ainda.Sacanagem.Conheço muitos servidores,que nestas alturas,até se programaram para uma demissão,com mudanças do estado,cidade,estudando fora do País,etc...Aí vem uma notícia destas,somente para botar lenha de novo na fogueira.O Brasil não é um País,é uma piada,piada de mau gosto.Se algo nesta natureza tem que passar pela Assembleia,aí passa e depois acham que não valeu,é realmente uma verdadeira bagunça generalizada.Os caras ficam atrás dos seus birôs,despachando liminares sabendo que lá na frente vai ser derrubada.Dá esperança aos futuros demitidos,que se empolgam, e depois vem a ducha de água fria.Vamos parar de brincar com os sentimentos das pessoas caralho.Nas fundações já tem até um convênio com psicólogas para servidores,gente que fez concursos,com o pensamento de estar com estabilidade,fez planos,adquiriu alguma casa ou apto,dando uma entrada,pagando prestações,carros,etc e agora vem as demissões.Extinção,suspensão da extinção, e agora confirmado de novo as extinções.Durma-se com um barulho destes caro Políbio.Um abraço.

Unknown disse...

Com certeza... para ele o saco não tem fundo... recebe em dia como os demais da corte dos dois poderes(Judiciário e Legislativo)...
E o Executivo que se lasque!!!

Anônimo disse...

PGE-RS defende legalidade em processo de extinção de fundações
17/05/2017 às 20:08
Analisando a medida cautelar do Ministério Público de Contas para suspender a extinção de seis fundações, a Procuradoria Geral do Estado (PGE-RS) entende que não há ilegalidade na condução do processo e que as justificativas foram apresentadas à Assembleia Legislativa. A Casa, como poder representante do povo gaúcho, concluiu como sendo convenientes e necessárias as extinções.
Não existe qualquer mácula de inconstitucionalidade nas leis aprovadas pelo Legislativo, a quem compete analisar os projetos de lei encaminhados pelo Executivo. As extinções não se justificam apenas como resultado de economia imediata, mas principalmente, a médio e longo prazo, como cessação do crescimento do passivo trabalhista acumulado pelas entidades.
Neste momento, depois de tomada a decisão pela Assembleia, não é cabível a exigência de que a sua efetivação dependa da comprovação das justificativas do projeto de lei.
Procuradoria Geral do Estado (PGE-RS)

Anônimo disse...

Sartori faça logo essas negociações no TRT , agende isso governador e manda esse parasitas para casa e para o mercado. o Estado esta sangrando sem dinheiro e nos contribuintes pagando salários de empregados de fundações que não servem para absolutamente nada na vida do cidadão.

Anônimo disse...

Extinções já, agora só depende do Governo agendar com o TRT e propor o calendário de demissões, e pegar essa grana gasta inadequadamente e investir em saúde,educação e segurança.

Anônimo disse...

Sartori manda logo fazerem essa marcação de DATA NO TRT e acaba com essa ladainha.

rafael disse...

Da Camino é aquele cara com cargo vitalício e que só aparece quando há alguma pauta que envolva o PT, seja para defender quanto promover?

Anônimo disse...

Não entendo como podem falar com tanta propriedade sobre o que não sabem, os deputados realmente votaram e autorizaram por pequena margem, diga-se de passagem, o governo a extinguir algumas fundações.
Porém o Da Camino solicitou que sejam apresentados os estudos que embasaram a decisão do governo em propor a extinção, mas sabem realmente qual é o problema, não houve estudo algum, basta ver que a maioria dos empregados públicos celetistas, segundo parecer da PGE tem estabilidade, e não podem ser demitidos sumariamente.
Portanto a extinção destas fundações que desempenham um importante serviço para o estado e sociedade, fará o estado contratar do setor privado alguns destes serviços, pagando um valor maior, sem contar que terá que realocar os empregados estáveis, treinados ao longo de anos para desempenhar atividades técnicas, em outros órgãos públicos.
Por fim entendo que não haverá economia alguma, e daqui a alguns poucos anos, este crime contra o conhecimento científico se mostrará inútil.