Stephen Kanitz - Carta Aos Cientistas Brasileiros.

Não existe restrições nem cortes para pesquisas no Brasil para vocês terem de ir para as ruas em protesto.

Os recursos para financiar pesquisas é praticamente ilimitado.

Chama-se Venture Capital.

Existem milhares de investidores, eu inclusive, que estamos dispostos a financiar projetos de pesquisa que tenham potencial em ajudar a humanidade.

Tem todos os tipos de financiadores, para cada estágio, chamado de Mezanino, Second round, Financiamento original, Private Equity, etc.

Nunca fui abordado por professores de RDIDP, dedicação integral a docência e pesquisa, para discutir formas de transformar essas pesquisas em produtos para a população que paga o ICMS da USP.

Fui professor por 30 anos na Faculdade de Economia e Administração, mas nunca fui procurado pelos professores da Química, Física, Engenharia, Psicologia, Ciências Sociais com uma ideia nova e como conseguir recursos para financiá-la.

Zero.

Fomos invadidos sim, várias vezes pelo alunos da FFLCH, a mando de seus professores, que nos acusam até hoje de sermos Produtivistas, e não eternos Críticos da Sociedade como eles.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

11 comentários:

Anônimo disse...

Chupem essa. Os caras só querem saber de financiamentos a fundo perdidos, destes que nem sequer pedem relatórios ao final.

Anônimo disse...

todo mundo quer a grana facil do governo...

Anônimo disse...

Sr. Stephen Kanitz, EM TERRA de advogado financiamento privado só se é para abrir escritório de advocacia para ganhar honorários em processos contra governo!

Anônimo disse...

Quem acha que o Brasil é irrelevante para a humanidade esta equivocado, Neymar esta entre as cem pessoas mais influentes do mundo segundo a Revista Time, tcs tcs tcs tcs tcs...

Anônimo disse...

Ótimo texto Pibo.

Anônimo disse...

mentes esquerdistas deturpadas

só pensam em gastar a riqueza que outros criaram (dinheiro do governo foi tirado de nós)e não em gerar riquezas.

farra,muita farra as custas dos contribuintes.

CHEGA,TEM QUE TER UM FIM!

CAI A MASCARA DOS LADRÕES DA COISA PÚBLICA.

Anônimo disse...

Não são só os cientistas que adoram um dinheiro a fundo perdido

Roberto disse...

Eis aí mais uma mostra de que até hoje não temos um Premio Nobel!

Justiniano disse...

Tem pesquisa feita nos assentamentos do MST com bolsa do CNPq, isso beira o ridículo como "Levantamento de produção orgânica em assentados do MST" com bolsa e tudo mais (só faltou carro para ir lá).
Essa informação e nada é a mesma coisa.

A maioria das pesquisa é sobre sexo dos anjos, poucas dão retorno a sociedade.
A área das ciências exatas ainda faz, mas pouca coisa.

Como disse Simon Bolivar ao seu sobrinho - que precisamos mais de engenheiros para construir o país do que advogados e filósofos.

Anônimo disse...

O fato de não termos prêmios nobeis recai no fato de nossas melhores mentes não serem reconhecidas pelo seu próprio meio, faço referência como graduado em Física e conhecedor de vários pefessores e cientistas, existe no meio universitário pessoas medíocres que aúnica razão de existirem é mediocrizar esse meio, é só ir nas universidades federais e ver como se processa a seleção para professores, quanto mais torpe o sujeito for maiores as chances de ser selecionado.

Anônimo disse...

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército:

Ex-capitão chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, mas foi absolvido pelo STM

Zero Hora. 15/05/2017.Rafaela Martins/Agencia RBS

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) admitiu, em 1987, que cometeu atos de indisciplina e deslealdade em relação aos superiores no Exército. Conforme reportagem do jornal Folha de S.Paulo, que obteve a documentação com os dados da Superior Tribunal Militar (SMT), o então capitão foi acusado por cinco irregularidades e chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, em uma espécie de inquérito.

O caso, no entanto, chegou ao STM, onde Bolsonaro foi absolvido por oito votos a quatro. Bolsonaro foi julgado por ter escrito um artigo à Revista Veja, em 1986, sem pedir autorização dos superiores. No texto, ele defendia o aumento dos salários pagos às tropas. O ex-capitão também foi investigado por ter afirmado à mesma publicação, meses depois, que ele e outro oficial planejavam um ataque a unidade militares do Rio com bombas-relógio.

Em reportagem publicada pela Veja, na época, Bolsonaro explicava como se constrói uma bomba-relógio e dizia que o plano envolvia apenas "a explosão de algumas espoletas". A revista também divulgou esboços atribuídos ao ex-capitão.

Ao Conselho de Justificação e ao STM, Bolsonaro negou ter planejado qualquer ataque com bombas e citou dois testes grafotécnicos que resultaram inconclusos. Uma perícia da Polícia Federal (PF), entretanto, apontou que as anotações sobre o plano com bombas pertenciam a ele. A conclusão serviu como base para a decisão que o considerou culpado no Conselho de Justificação. No STM, o ex-capitão reconheceu a autoria do artigo, mas negou o plano envolvendo as bombas. Ele foi absolvido meses depois.

Os documentos obtidos pela Folha apontam que o deputado federal chegou a ser preso por 15 dias por "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar". Em 1987, Bolsonaro assinou um documento em que reconheceu ter cometido uma "transgressão disciplinar".

Procurada, a assessoria de imprensa de Bolsonaro afirmou que a reportagem "é idiota e imbecil" e perguntou "quem estava pagando" pela matéria. O assessor do deputado ainda disse que a "pauta é uma merda" e não quis anotar o telefone de contato do repórter para dar a versão do deputado sobre o tema. O parlamentar não se manifestou.

PS: Se Lula e Dilma, que não foram militares e tiveram a ficha montada pelo Regima militar a direita diz horrores, o que dirão de Bolsonaro, cuja dados são "oficiais" do STM? Subversivo? Vagabundo? Criminoso? psicopata?