Saiba por que exportações em forte alta geram mais empregos no Brasil

Neste artigo do Estadão, intitulado "A exportação emprega", fica claro que o comércio exterior tem ajudado a criar melhores condições de emprego, num cenário marcado por desocupação elevada e produção e consumo ainda em marcha lenta, depois de dois anos de funda recessão

Leia mais:

Com exportação de US$ 68,1 bilhões e superávit de US$ 21,4 bilhões até abril, o comércio exterior tem ajudado a criar melhores condições de emprego, num cenário marcado por desocupação elevada e produção e consumo ainda em marcha lenta, depois de dois anos de funda recessão. As contratações foram mais numerosas que as demissões, no primeiro trimestre, em 13 de 25 segmentos monitorados no Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), atualizado mensalmente pelo Ministério do Trabalho. Exportar é parte da atividade nessas 13 áreas. O grupo inclui, além do agronegócio, indústrias de calçados, de material de transporte, de tecidos e roupas, de material elétrico e de equipamentos mecânicos, entre outras. O saldo geral de admissões e demissões contabilizadas no Caged ainda foi negativo, entre janeiro e março, mas o resultado, com o fechamento de 64,6 mil vagas, foi bem menos sombrio que o de um ano antes, quando 303,1 mil postos com carteira assinada foram liquidados.“A indústria foi o primeiro segmento a fazer o ajuste no emprego e agora começa a se recuperar”, comentou o economista Fabio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio (CNC), ao analisar os números do Ministério do Trabalho. 

Os exportadores de produtos básicos, tanto agropecuários como minerais, foram beneficiados pelas condições da demanda externa e pela melhora dos preços internacionais, depois de um período de cotações bem menos favoráveis.


Os três grandes grupos de produtos – básicos, semimanufaturados e manufaturados – proporcionaram receitas maiores que as acumuladas entre janeiro e abril do ano passado. O maior aumento foi o do primeiro grupo (32,1%, para US$ 33,2 bilhões), mas as vendas de bens primários há vários anos vêm sustentando a receita comercial de dólares. Dentro desse grupo se destaca o agronegócio.

CLIQUE AQUI para saber mais.

3 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns Políbio! Perfeito o artigo. O que este homem tem feito com o Judiciário e o que fez com os brasileiros é inadmissível. Cadeia já!!!

Anônimo disse...

ou seja, como era no tempo dos militares: EXPORTAR É O QUE IMPORTA

Anônimo disse...


São 22:28 de hoje, e Merval Pereira no Jornal das Dez da GloboNews , está mais petralha do que nunca.
Merval está defendendo os interesses de lulladrão no INTERROGATÓRIO do dia 10/05!!! Defende que os advogados do Lulladrão, a encarnação do Demônio, filmem o interrogatório, mesmo estando à disposição da defesa a filmagem feita pelo MPF.

Lulladrão é um psicopata! Todos os psicopatas são bons na retórica. Mas Lulladrão se acha SUPERIOR! Nenhuma defesa dos outros réus, donos de empreiteiras, tiveram esse privilégio. Então por que esse diabo não respeita o mínimo da Constituição brasileira???
Realmente é um psicopata, que está enlouquecendo as pessoas honestas, tirando o sono e as energias de todos os trabalhadores pobres, que têm que acordar antes das 5:00 horas para chegar na hora ao trabalho!