Saiba como será, nesta quinta, o início as conversas finais para adesão do RS ao Plano de Recuperação Fiscal dos Estados

Um encontro do secretário da Fazenda, Giovani Feltes, com a equipe da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), nesta quinta-feira, em Brasília, dará início à última etapa das negociações sobre a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal.  “O fato é que precisamos aderir ao plano para ter condições de pagar nossas contas em dia a partir da virada do ano”, avisou o secretário. 

O socorro aos estados e municípios mais endividados prevê a suspensão do pagamento da dívida com a União ao longo dos próximos três anos, exigindo como contrapartida uma série de medidas necessárias para equilibrar as finanças. No caso do Rio Grande do Sul, a carência em 36 meses do serviço da dívida representa um alívio de R$ 9,5 bilhões. 

Diante de um déficit financeiro de R$ 8 bilhões projetados até o final de 2018, a suspensão no pagamento da dívida (que representaria perto de R$ 4 bilhões até o término do atual mandato) não será suficiente para garantir o equilíbrio e por isto o governo insiste com a venda das estatais CEEE, Sulgás e CRM.

O Estado já implementou as principais exigências para aderir à recuperação fiscal. Entre as contrapartidas estão a elevação para 14% da alíquota da Previdência, a limitação do crescimento dos gastos correntes, o que já está previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, e a redução em 10% dos incentivos fiscais

4 comentários:

Anônimo disse...

Muitos argumentam que as contas do Estado são como as contas de 'casa': se não há dinheiro no final do mês deve-se cortar alguns gastos.
Pois bem, a lógica é a mesma aqui. Alguém em casa, onde as contas não fecham, deixaria de pagar o cartão de crédito por três anos para reequilibrar as contas domésticas? É claro que não, pois os juros do cartão elevarão as dívidas domésticas em função dos altos juros (e os 5.000, em três anos, serão convertidos em 20.000).
Resumindo, é isso que o governo vai fazer... Deixar de pagar durante três anos a dívida e pagar juros altíssimos no final do processo e o valor dw 'x' será, ao final, de 2x'.
Onde estão os economistas de plantão?

Anônimo disse...

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR É:

COMO FICARÁ O SALDO DEVEDOR DA DÍVIDA´?????

OS GOVERNADORES FUTUROS QUE SE VIREM PARA PAGAR O SALDO DEVEDOR QUE DUPLICARÁ EM POUCOS ANOS. QUEM VIVER VERÁ.

Anônimo disse...



Aos golpistas lullopetistas no Senado:

Nas eleições de 2016, ficou comprovado que no mínimo 85% dos eleitores brasileiros REPELIRAM O LULLOPETISMO!

LULLADRÃO NÃO CONSEGUIU ELEGER nem mesmo seu próprio FILHO BANDIDO pra prefeito de São Bernardo do Campo!!

Agora a CCJ aprova a PEC PARA ELEIÇÃO DIRETA, manipulada pelos fascínoras Lulladrão e PeTralhas bandidos, imorais e traidores do Brasil!!!!!!!!


Está muito claro que LULLADRÃO e os petralhas

querem ELEIÇÕES DIRETAS PARA FRAUDAREM,

MAIS UMA VEZ, OS RESULTADOS

CENTRALIZADOS NO TSE.

Com a manipulação bandida do DIAS TÓFFOLI.


LULLADRÃO e os petralhas têm certeza que irão ROUBAR OS VOTOS NAS URNAS ELETRÔNICAS,
porque sabem que os eleitores brasileiros REPUDIARAM O PT E ALIADOS NAS ELEIÇÕES DE 2016, mesmo antes das delações da Odebrecht, OAS, JOÃO SANTANA, MÔNICA MOURA, JBS, etc.

O eleitorado brasileiro TÊM CERTEZA DAS FRAUDES ELEITORAIS PETISTAS em 2014!

Os eleitores TÊM CERTEZA QUE ELEIÇÕES DIRETAS são GOLPE CONTRA O POVO + FRAUDE ELEITORAL!!

Vocês no Senado provaram há poucos dias que

são TRAIDORES DO BRASIL,

pois aprovaram a excrescência do Aloisyo Nunes,

a criminosa LEI DA IMIGRAÇÃO, pra naturalizar

bolivarianos bandidos, e importar votos para o Lulladrão!

Até a Ana Amélia aprovou e provou do que é capaz!


ENTÃO NÃO VAI TER GOLPE BOLIVARIANO

LULLADRÃO NÃO VAI ELEGER UM POSTE COMO

JOAQUIM BARBOSA, que não responsabilizou

Lulladrão no MENSALÃO!!!!!!


OS ELEITORES na PRÓXIMA ELEIÇÃO

ADOTARÃO VOTO NULO ou ABSTENÇÃO

PORQUE POLÍTICO NÃO REPRESENTA O CIDADÃO

POLÍTICO REPRESENTA TODO LADRÃO.

Anônimo disse...

Porque o sr publica um comentário como o da pessoa que fala do LulaLadrão?
Não tem nada que ver com o artigo publicado.
E não pega bem para quem lê.
Se quiserem, publiquem-no num tópico mais adequado.