PTB ainda poderá entrar no governo Sartori.

O PTB, se for bem cantado, entra no governo Sartori. A voz mais oposicionista é do deputado Luís Lara. O deputado tenta cacifar-se para ser vice na eleição do ano que vem.

O governo Sartori cacifou-se extraordinariamente depois da aprovação da lei que criou o Plano de Recuperação Fiscal dos Estados, que lhe dará carência no pagamento das dívidas com a União, o que permitirá que seu próprio programa de ajuste seja completado e surjam recursos para pagar os salários em dia, melhorar a qualidade dos serviços públicos e voltara investir.

Aliado histórico do PT, Lara frustrou-se com o Partido, que há duas semanas prometeu assinar sua CPI dos Benefícios Fiscais e acabou recuando com medo de investigações sobre o governo Tarso Genro.

7 comentários:

Anônimo disse...

Pagar salários em dia ,sem pagar a dívida, é empurrar o problema para o próximo governo, isso não tem nenhum mérito. Sartori se esforçou muito, reconheço, mas, o Setor Público, deixou claro que não quer cortar na própria carne, no máximo uma depilação muquirana. O Setor Público continuará atrapalhando a economia real, será um fardo inútil que só encontra utilidade na cabeça doentia de seus membros. Salário em dia não melhorará a qualidade do serviço público, continuará inificiente como sempre. Essa novela já teve muitas reprises, já sabemos o final sempre igual e prejudicial à sociedade. Como não ajustaram o tamanho do estado ao tamanho do RS, podemos ter certeza da peça teatral do próximo governo, as falas e as ações serão iguais, nenhum resultado agradável.

godofredo disse...

O nobre deputado Lara deve estar magoado, de neste governo não ter uma boquinha,ops, secretaria.

Anônimo disse...

Perversa transferência de renda
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE MAIO DE 2017

José Márcio Camargo[i]
André Gamerman[ii]
Rodrigo Adão[iii]


O déficit da previdência dos funcionários públicos (RPPS) federais foi o maior programa de transferência de renda do governo federal entre 2001 e 2015. Neste período, R$ 1,3 trilhão (em valores correntes) de impostos pagos por todos os brasileiros foram transferidos para pagar o déficit financeiro das aposentadorias dos funcionários públicos federais. Isto significa um valor médio de R$ 1,3 milhão para cada um dos servidores federais aposentados ou R$ 86.000 por ano.

Anônimo disse...

Tema de lara: a tabuada.

Anônimo disse...

Agora vão ter de se abraçar receberam dinheiro de caixa 2 do aécio.

Anônimo disse...

E qual deputado Estadual vai colocar sua digital na aprovação dessa renegociação que congelará reposições salariais, concursos públicos e promoções para a área da segurança, por exemplo? Eles irão arcar com uma possível greve das políciais (ou das mulheres policiais) como ocorreu no Espirito Santo?
Muita calma nessa hora...

Anônimo disse...

Boa tarde Editor.

Está ficando chata essa torcida frenética pelo governo do Sartoron, Cadê a imparcialidade?
PTB não entra nesse governo a essa altura do campeonato, esqueça.
Reconheça, o seu governo do PMDB é sem comentários.