Primeira estimativa para safra mundial de grãos 2017/2018 mostra redução da oferta de milho

Estes dados costumam balizar o comportamento dos produtores e dos mercados entre grandes produtores, como o Brasil.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) divulgou ontem seu relatório mensal de oferta e demanda mundial de grãos, com as primeiras estimativas para a safra de 2017/2018. O cenário base ainda é de oferta favorável para os principais grãos, com estoques em patamares elevados. A exceção é o milho, cuja expectativa é de uma queda na produção. Os preços baixos dos últimos anos, levaram a uma redução da intenção de área plantada com esse grão, e assim a oferta e os estoques mundiais devem se reduzir na próxima safra. Para a soja, a expectativa é de que a relação entre os estoques mundiais e o consumo permaneça significativamente acima da média histórica. Caso semelhante acontece para o trigo, com estoques se mantendo em patamar recorde. Em relação aos preços, acreditamos que eles devem ficar próximos aos níveis atuais até meados do ano, refletindo a safra atual, que é recorde. No segundo semestre, as atenções se voltam mais intensamente para a próxima safra, para a qual neste momento esperamos alguma elevação de preços, puxada pelo milho. 

Os economistas do Bradesco, que fizeram o apanhado acima, estimam alta de 5,0% em média dos preços dos grãos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Libeta os comentarios aí Polibio. Ou quando é favorável ao Lula não libera os comentários?