PP fechará questão para votação do pacote de ajuste fiscal do governo doRS

O PP do RS vai fechar questão no caso da votação do pacote de ajuste fiscal enviado pelo governo Sartori, cujo eixo mais importante é a desestatização de CEEE, CRM e Sulgás.

O PP tem sete deputados.

O Piratini quer que os demais Partidos da base façam o mesmo.

11 comentários:

Anônimo disse...

vagabundos do PP

Justiniano disse...


O processo de privatização já começou, iniciou com a Corsan que agora todas chamadas são encaminhadas para Porto Alegre, através de um telemarketing (que é terceirizado) e que encaminha para o interior os pedidos de consertos.

Nesse sistema tem 9 opções e o mais curioso é que fica sediado em POA quem nem Corsan tem, porque é o DMAE. A ultima opção é falar com atendente que
leva de 10 a 15 minutos para atender, quando não cai a linha.

Antes resolvíamos os problemas na cidade e agora tem que aguardar o protocolo vir de POA. Tem água jorrando na rua e se for solicitado demora de 5 até 8 dias uteis para virem consertar.

O telemarketing é uma empresa de um político federal e deve custar alguns milhões de reais.

Isto é o começo do desmonte da Corsan para privatizar, porque a população no interior está indignado com vários serviços que tem que ser solicitado através de alguém que nem da Corsan, porque é terceirizado.

Anônimo disse...

...adolfo brito, em reunião com a comunidade de salto do jacui, na camara de vereaodores, confirmo que não vota com o governo...a retirada do plebiscito

Anônimo disse...

o que esperar do Partido da Propina...eternos mamadores.....poderíamos começar a pensar em PRIVATIZAR as assembléias, camaras de vereadores,senado e camara federal...fazer o que esses merdas de politicos corruptos acefalos fazem, acredito que os chineses fariam melhor...

alex silva disse...

E isso é noticia? Quem nao sabe que os deputados do PP, que sao da base, vitariam a favor das privatizacoes?

Anônimo disse...

Senhor anônimo das 10.50,
Serviço público é assim.
Por isso que tem que privatizar.
Raciocine:Se ainda tivéssemos CRT acha que disporíamos de tantos confortos em comunicação?
Ou teríamos outras CGTEs com altíssimos e vergonhosos salários pagos pelo povo
para vagabundos.
Daí o choro do PT quando da privatização daquela porcaria,outro cabide de empregos para apaniguados dos políticos,assim como bem é esta porcaria de CORSAN que tem nojo de quem liga por serviços.

Anônimo disse...

E o Cavaleiro Andante vai indo,rumo ao futuro,enfrentando os mesmos moinhos de sempre.
Sartori 2018.

Anônimo disse...

Parabéns ao PP, mas tem amigos do PP em cargos na CEEE, como fica? decisão corajosa, pois o Estado precisa só de estatal em áreas básicas e não comerciais e de mercado.

Anônimo disse...

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército:

Ex-capitão chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, mas foi absolvido pelo STM

Zero Hora. 15/05/2017.Rafaela Martins/Agencia RBS

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) admitiu, em 1987, que cometeu atos de indisciplina e deslealdade em relação aos superiores no Exército. Conforme reportagem do jornal Folha de S.Paulo, que obteve a documentação com os dados da Superior Tribunal Militar (SMT), o então capitão foi acusado por cinco irregularidades e chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, em uma espécie de inquérito.

O caso, no entanto, chegou ao STM, onde Bolsonaro foi absolvido por oito votos a quatro. Bolsonaro foi julgado por ter escrito um artigo à Revista Veja, em 1986, sem pedir autorização dos superiores. No texto, ele defendia o aumento dos salários pagos às tropas. O ex-capitão também foi investigado por ter afirmado à mesma publicação, meses depois, que ele e outro oficial planejavam um ataque a unidade militares do Rio com bombas-relógio.

Em reportagem publicada pela Veja, na época, Bolsonaro explicava como se constrói uma bomba-relógio e dizia que o plano envolvia apenas "a explosão de algumas espoletas". A revista também divulgou esboços atribuídos ao ex-capitão.

Ao Conselho de Justificação e ao STM, Bolsonaro negou ter planejado qualquer ataque com bombas e citou dois testes grafotécnicos que resultaram inconclusos. Uma perícia da Polícia Federal (PF), entretanto, apontou que as anotações sobre o plano com bombas pertenciam a ele. A conclusão serviu como base para a decisão que o considerou culpado no Conselho de Justificação. No STM, o ex-capitão reconheceu a autoria do artigo, mas negou o plano envolvendo as bombas. Ele foi absolvido meses depois.

Os documentos obtidos pela Folha apontam que o deputado federal chegou a ser preso por 15 dias por "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar". Em 1987, Bolsonaro assinou um documento em que reconheceu ter cometido uma "transgressão disciplinar".

Procurada, a assessoria de imprensa de Bolsonaro afirmou que a reportagem "é idiota e imbecil" e perguntou "quem estava pagando" pela matéria. O assessor do deputado ainda disse que a "pauta é uma merda" e não quis anotar o telefone de contato do repórter para dar a versão do deputado sobre o tema. O parlamentar não se manifestou.

PS: Se Lula e Dilma, que não foram militares e tiveram a ficha montada pelo Regima militar a direita diz horrores, o que dirão de Bolsoraro, cujs dados são "oficiais" do STM? Subversivo? Vagabundo? Criminoso? psicopata?

Anônimo disse...

boa

Anônimo disse...

pp aliado do pt, pp do maluf é aliado do pt, os 3 partidos do petrolao- pt,pmdb e pp