Estaleiros EBR e QGI estão em greve

Os 4 mil trabalhadores dos estaleiros EBR (São José do Norte) e QGI (Rio Grande) estão em greve por aumento salarial.

Os metalúrgicos querem aumento de 10% e os estaleiros só querem pagar 4,05%.

7 comentários:

Anônimo disse...

Com referência ao índice de reajuste absurdo proposto pelos trabalhadores de 10%, sendo que a inflação medida pelo INPC no período, data-base 1º de maio, foi 3,99%, fico indignado pela maneira como a mídia expõe o assunto, ou seja: os estaleiros SÓ querem pagar 4,05%, ou como noticiado na semana passada que a QGI queria pagar APENAS 4,05%. É o momento oportuno de acabar de vez com o Polo Naval do Rio Grande e outros, face a insensatez dos sindicalistas irresponsáveis. Adicionalmente, informo que estes mesmos sindicalistas na semana passada passaram pelas empresas metalúrgicas uma lista para assinatura dos trabalhadores via "abaixo assinado" pela manutenção do Polo Naval. É assim que eles querem a perenidade daquele Polo?

Anônimo disse...

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército:

Ex-capitão chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, mas foi absolvido pelo STM

Zero Hora. 15/05/2017.Rafaela Martins/Agencia RBS

Bolsonaro foi acusado por indisciplina e deslealdade no Exército

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) admitiu, em 1987, que cometeu atos de indisciplina e deslealdade em relação aos superiores no Exército. Conforme reportagem do jornal Folha de S.Paulo, que obteve a documentação com os dados da Superior Tribunal Militar (SMT), o então capitão foi acusado por cinco irregularidades e chegou a ser considerado culpado por um Conselho de Justificação formado por três coronéis, em uma espécie de inquérito.

O caso, no entanto, chegou ao STM, onde Bolsonaro foi absolvido por oito votos a quatro. Bolsonaro foi julgado por ter escrito um artigo à Revista Veja, em 1986, sem pedir autorização dos superiores. No texto, ele defendia o aumento dos salários pagos às tropas. O ex-capitão também foi investigado por ter afirmado à mesma publicação, meses depois, que ele e outro oficial planejavam um ataque a unidade militares do Rio com bombas-relógio.

Em reportagem publicada pela Veja, na época, Bolsonaro explicava como se constrói uma bomba-relógio e dizia que o plano envolvia apenas "a explosão de algumas espoletas". A revista também divulgou esboços atribuídos ao ex-capitão.

Ao Conselho de Justificação e ao STM, Bolsonaro negou ter planejado qualquer ataque com bombas e citou dois testes grafotécnicos que resultaram inconclusos. Uma perícia da Polícia Federal (PF), entretanto, apontou que as anotações sobre o plano com bombas pertenciam a ele. A conclusão serviu como base para a decisão que o considerou culpado no Conselho de Justificação. No STM, o ex-capitão reconheceu a autoria do artigo, mas negou o plano envolvendo as bombas. Ele foi absolvido meses depois.

Os documentos obtidos pela Folha apontam que o deputado federal chegou a ser preso por 15 dias por "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar". Em 1987, Bolsonaro assinou um documento em que reconheceu ter cometido uma "transgressão disciplinar".

Procurada, a assessoria de imprensa de Bolsonaro afirmou que a reportagem "é idiota e imbecil" e perguntou "quem estava pagando" pela matéria. O assessor do deputado ainda disse que a "pauta é uma merda" e não quis anotar o telefone de contato do repórter para dar a versão do deputado sobre o tema. O parlamentar não se manifestou.

PS: Se Lula e Dilma, que não foram militares e tiveram a ficha montada pelo Regime militar a direita diz horrores, o que dirão de Bolsonaro, cuja dados são "oficiais" do STM? Subversivo? Vagabundo? Criminoso? psicopata? Bolivariano? Sindicalista? Garimpeiro?

Anônimo disse...

O emprego desses trabalhadores dos dois polos já está a perigo, ainda fazem greve.

Anônimo disse...

uai bateram palma pra bandilma por que nao pediram aumento nos 14 anos do pt- kkkkk- bando de cinicos

Anônimo disse...

fora cut e sindicatos pelegos, vao trabalhar vagais

Anônimo disse...

O único aumento que estes esquerdopatizados e alienados empregados vão conseguir é na taxa de desemprego destes municípios.

Anônimo disse...

Sindicatos como este dos metalúrgicos, liderados por petistas como o vereador Benito de Rio Grande, parecem querer que todos percam seus empregos. Em vez de estarem contentes por ainda estarem empregados, apesar de toda esta crise que fez milhões de desempregados no Brasil, no estado e em Rio Grande, querem inviabilizar os estaleiros restantes e ficarem todos na rua da amargura. Quanta burrice!