Conselho repele proposta da diretoria para CEEE vender Ceran e Foz de Chapecó

O Conselho de Administração da CEEE rejeitou, ontem, a proposta feita pela diretoria da estatal gaúcha de energia, segundo a qual seriam vendidas as usinas Ceran e Foz do Chapecó, visando fazer caixa para a CEEE-D, que enfrenta dramáticos prazos para ajustar suas contas, sob risco de ter sua concessão cassada no final do mês que vem pela Aneel.

Nos dois casos, seriam vendidas as participações da CEEE, já que são Sociedades de Propósitos Específicos.

Apenas para exemplificar:  Foz, 855 MW, custou R$ 2,9 bilhões. A CEEE possui 9% do controle, que é compartilhado com CPFL (51%) e Eletrobras Furnas (40%)