quinta-feira, 20 de abril de 2017

Tomate, Ovos e batatinha impediram deflação do IPCA de março.

O tomate, que ficou 30,79% mais caro, foi destaque de alta no ranking dos maiores impactos no grupo de alimentação e bebidas (0,31%). Além dele, outros alimentos passaram a custar mais de março para abril, a exemplo da batata-inglesa (11,63%), dos ovos (5,5%) e do leite longa vida (1,49%).

A prévia da inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), ganhou força de março para abril, passando de 0,15% para 0,21%, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (20). Mas foi a menor taxa para um mês de abril desde 2006, quando ficou em 0,17%.

No acumulado do ano, a taxa é de 1,22%, abaixo dos 3,32% referentes ao mesmo período do ano anterior (de janeiro a abril).

No acumulado de 12 meses, o índice caiu para 4,41%, abaixo dos 4,73% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Segundo o IBGE, é a menor variação acumulada em períodos de 12 meses desde janeiro de 2010 (4,31%). Em abril de 2016, a taxa havia ficado em 0,51%.

4 comentários:

Diogo Zaddor disse...

Anel de ouro 18 tomates... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk....

Anônimo disse...

...e ainda por cim tomatinhos cheinhos de agrotóxicos pesados,até proibidos no Brasil, e alguns vindo do Uruguai,passando pela fronteira. Veneno puro e comercializado na própria CEASA.Que maravilha...muita campanha para comermos verduras,frutas,e quase todas com super agrotóxicos...isto é Brasil.

Unknown disse...

Será que vamos voltar à era da falcatrua mirabolante da inflação do chuchu???

Anônimo disse...

Gente de Deus, este país realmente nunca vai ser sério.

Mentem na cara dura.