Seara pede recuperação judicial de R$ 2,1 bilhões. Grupo do PR, que não é da JBS, tem unidades também no RS.

O grupo JBS, que controla a Seara S.A, disseque o caso diz respeito exclusivamente a uma empresa sediada em Sertanópolis e com atuação no Sul e Centro-Oeste do País, que não possui nenhuma correlação com a Seara S.A., empresa do Grupo JBS.

A Seara, empresa com atuação de mais de 60 anos no setor de agronegócios com sede em Sertanópolis (Região Metropolitana de Londrina), fez nesta quinta-feira (20) um pedido de recuperação judicial no Fórum do município. Nessa semana, a empresa também fez demissões de aproximadamente 120 funcionários dos cerca de 800 das mais de 50 unidades espalhadas nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. O débito da empresa chega a R$ 2,6 bilhões, sendo que R$ 2,1 bilhões são legalmente cobertos pela recuperação judicial. O maior credor são os bancos, que possuem R$ 1,7 bilhão desses débitos. Em 2016, a Seara teve faturamento de R$ 3,5 bilhões. 

A decisão foi divulgada em comunicado enviado no final da tarde de quinta-feira. 

Durante o período de recuperação judicial, a empresa permanece em atividade e seus funcionários recebem seus salários normalmente.