Banco Central aplica multa de R$ 100 mil por desmandos no Badesul durante o governo Tarso Genro

CLIQUE AQUI para ler o texto integral da 
sindicância feita pela PGE no Badesul.

O interino da colunista de Política da RBS Carlos Rosing, escreve hoje que a punição reforça entendimento de que calotes sofridos foram resultado de ações deliberadas, mas não faz referência ao chefe do governo que levou o Badesul à aventura, no caso o governador Tarso Genro, PT, que não é citado por ter foro privilegiado, mas que não escapará da CPI que a Assembléia do RS, instalará. 

Leia:

O Banco Central aplicou multa de R$ 100 mil ao Badesul como punição pelos empréstimos sem garantias reais concedidos entre 2012 e 2013 às empresas Iesa Óleo e Gás e Wind Power Energy. Juntas, elas tomaram R$ 90 milhões do banco gaúcho e, depois, entraram em recuperação judicial. Ambas não pagaram as prestações e o rombo ficou com o Badesul. A Wind Power sequer chegou a fazer os investimentos prometidos em uma planta de aerogeradores em Guaíba e o recurso público desapareceu.

O Badesul foi notificado recentemente pelo Banco Central sobre a punição. A atual direção apresentou recurso solicitando o cancelamento da multa. 

Entre 2011 e 2014, a crença do banco – e do governo Tarso Genro – era de que jorrar recursos no mercado iria fazer a economia gaúcha decolar.

Novos desdobramentos devem ocorrer ainda em 2017. As duas inspeções extraordinárias do Tribunal de Contas do Estado (TCE) instauradas para apurar as operações com Iesa e Wind Power estão na etapa de análise dos esclarecimentos dos gestores responsabilizados. Depois disso, seguirão para o parecer do Ministério Público de Contas e, por fim, os procedimentos estarão prontos para serem julgados pelo Pleno do TCE. O relator é o conselheiro Iradir Pietroski.