quinta-feira, 16 de março de 2017

Zilá Breitenbach, Zero Hora - E os direitos das vítimas?

Deputada estadual (PSDB) RS, presidente da Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência

Se há algo que a História prova é que sempre esteve presente entre as civilizações uma clara noção, um eixo de valores morais norteadores. Foi para distinguir o certo do errado, independentemente de arbitrariedades de governantes, que surgiram os direitos humanos. Seu conceito moderno remonta ao século 16, com Bartolomé de las Casas, frade espanhol que sustentou, perante as cortes europeias, os direitos dos índios do Novo Mundo. Seguindo tradição iniciada pelos gregos, aperfeiçoada por São Tomás de Aquino e aplicada pelos fundadores dos Estados Unidos, o argumento básico é de que direitos não decorrem do pertencimento a uma determinada sociedade política (nação), mas sim do simples fato de se tratarem de seres humanos.

Contudo, entre as décadas de 1960 e 1970, setores da esquerda começaram a se apropriar da bandeira dos direitos humanos, instrumentalizando-a para fins políticos. 

CLIQUE AQUI para ler tudo.

7 comentários:

Anônimo disse...


Exemplo bem prático desta inversão de valores.

Qualquer Bandido preso na penitenciaria que morre por briga de facções. O Estado (nós cidadão) pagamos indenização para o resto da vida aos familiares do preso.

Jovens assassinados nos últimos dias em Porto Alegre por falta de segurança publica. Fica assim mesmo, nem os bandidos são presos.

Anônimo disse...

Devemos nos preocupar com as verdadeiras vítimas da violência, que são as pessoas de bem que estão sendo abatidas nessa terra de ninguém, e seus familiares aprisionadose na dor.

Parabéns Deputada Zilá!
Sempre muito coerente com a sua conduta parlamentar.

Anônimo disse...

Muito coerente a conduta parlamentar: encabeçou a Frente Parlamentar em defesa da pesquisa agropecuária para fortalecer a Fepagro e depois não teve dignidade e coragem de afrontar o Sr. Gabriel Souza e votou pela extinção da fundação que ela percorreu o estado com os servidores para defender. Vai para o esquecimento da história.

Anônimo disse...

Esta deputada é minha candidata, votei nela, pessoa séria, ética e representa muito bem seus eleitores...

Anônimo disse...

Quando de fato vão ser extintas estas fundações que seguem dia a dia comendo barbaramente recursos públicos e pagando polpudas salários e gratificações para ociosos e desnecessários empregados públicos? Políbio investigue por que passados mais de 3 meses da "extinção em lei" dessas fracassadas e ineficientes instituições o governo Sartori não tem sido ágil e eficaz, tais recursos poderiam ser desprendidos para a situação calamitosa da segurança pública e saúde.


Frantz.

Carioca de Copacabana disse...

ZILÁ, VAI COZINHÁ.

Anônimo disse...

Parabéns deputada!
E a legislação deve ser alterada para permitir que os presos trabalhem na cadeia e sustentem seus familiares aqui fora com o dinheiro DE SEUS SALÁRIOS criando desta forma vínculos familiares mais próximos...
Da forma que está... trabalhando só se quiserem e o estado pagando mesadas que só desestimulam as pessoas a trabalhar não é de se admirar as coisas tenham chegado ao ponto que chegaram...