Opinião, Paulo Vellinho - As duas castas

A primeira delas habita o andar de cima; a segunda o andar de baixo.
Na primeira - Setor público, 3,7 milhões de aposentados e pensionistas, custam 156 bilhões de reais.
Na segunda - setor privado, 29.2 milhões, custam 150 bilhões de reais.
Calculem a abissal diferença na média mensal de cada um.

O corporativismo destruiu o País !

24 comentários:

Anônimo disse...

Falou e disse!

Joel

Lima disse...

A vez da primeira casta pagar o pato está chegando. Esperem e irão ver.

Anônimo disse...

ESSE É APENAS UM, O PRIMEIRO E MAIS GRAVE DOS MALES DO BRASIL

SEGUEM-SE:

- ESTABILIDADE DO SERVIDOR PÚBLICO
- INCHAÇO DA MÁQUINA PÚBLICA SEM CRITÉRIOS TÉCNICOS
- FALTA DE ENTIDADE "PERFORMANCE BOND" QUE OPERA DESDE 1890 NOS EUA E DEMAIS PAÍSES MODERNOS, ONDE EMPRESA DE SEGUROS CONTROLE OBRAS ENTRE EMPREITEIRAS E GOVERNO, ACABANDO COM CORRUPÇÃO, DESPERDÍCIO, MAU USO DO DINHEIRO PÚBLICO, ATRASOS NAS OBRAS E SUPERFATURAMENTO
- REFORMA POLITICA E ELEITORAL COM PARLAMENTARISMO E DOIS PARTIDOS
- REFORMA TRIBUTÁRIA COM ADOÇÃO DE IMPOSTO ÚNICO
- REFORMA PENAL COM TOLERÂNCIA ZERO, PENAS INTEGRAIS E PRESÍDIOS PRIVADOS
- CONTROLE DE FRONTEIRAS, DO TRÁFICO DE ARMAS, DROGAS ETC.
- IMPLANTAR O VERDADEIRO CAPITALISMO E PRIVATIZAR TUDO EXCETO JUSTIÇA, SEGURANÇA PÚBLICA E SAÚDE BÁSICA.

Anônimo disse...

IMORALIDADE!!!!

Anônimo disse...

nas fundações públicas que não foram extintas como fica? só foram extintas na AL, e na prática nada...........

Anônimo disse...

Estas é uma análise muito superficial, tendenciosa e oportunista. Dentro do serviço público tenho visto absurdos provocados por políticos e amiguinhos empresários que posam na mídia de bonzinhos e amigos da população e que somente mamam de órgãos públicos, tomam medidas irresponsáveis endividando entidades públicas, são os empresários da era Lula e que não são melhores que este réu. Tivemos já aqui no RS elites com membros honrados, mas as elites atuais com raras exceções desonram e muito as do RS de há não muito tempo atrás, até os fios de bigode são postiços.

Anônimo disse...

A pedido do Ministério Público Federal (MPF), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) cassou o efeito suspensivo concedido pelo vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que impedia o prosseguimento da ação civil pública por improbidade administrativa contra a ex-governadora Yeda Crusius (PSDB) até que os recursos da defesa dela, que pedem a suspensão do processo, sejam julgados nos Tribunais Superiores. Assim, a ação contra Yeda seguirá seu trâmite na Justiça Federal de Santa Maria enquanto os ministros do STJ e do Supremo Tribunal Federal (STF) não analisarem os recursos.

A decisão do ministro Francisco Falcão, publicada nesta terça-feira (28), é mais um capitulo desde o ajuizamento da ação de improbidade em 5 de agosto de 2008. Os advogados de Yeda solicitaram a suspensão da ação de improbidade enquanto os recursos especial e extraordinário que pedem a anulação do processo não forem julgados, respectivamente, pelo STJ e pelo STF. Alegaram que a tramitação “tem causado prejuízos ao patrimônio moral e político, com reflexos objetivos e subjetivos na vida da cliente”.

Na medida cautelar interposta para cassar o efeito suspensivo, o MPF, por meio da subprocuradora-geral da República Sandra Cureau, alegou que o prejuízo decorria justamente do não recebimento da ação, caso em que toda a sociedade fica sem uma resposta e sem saber o que realmente ocorreu no caso investigado. Também apontou que a decisão do vice-presidente do TRF4 não garantiu ao MPF o direito ao contraditório, ou seja, a decisão teve seus fundamentos restritos aos argumentos trazidos pela ré. Ainda defendeu que o próprio recurso especial oferecido pelos advogados de Yeda pretende reexaminar provas dos autos, o que não é permitido nos recursos aos Tribunais Superiores.

O ministro Falcão considerou a apuração dos fatos “imperiosa” diante dos indícios, “em tese”, de atos de improbidade administrativa. Sandra Cureau destacou a importância da decisão, já que, “no recebimento da petição inicial de uma ação de improbidade administrativa, impera o princípio do in dubio pro societate. Em consequência, a decisão que deu efeito suspensivo ao recurso especial de Yeda resultou em periculum in mora reverso”.

Operação Rodin
Deflagrada pela Polícia Federal em novembro de 2007, investigou irregularidades ocorridas entre os anos de 2003 e 2007 em contratos firmados com a Fundação de Apoio à Tecnologia e à Ciência (Fatec) e a Fundação Educacional e Cultural para o Desenvolvimento e Aperfeiçoamento da Educação e da Cultura (FUNDAE), vinculadas à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), para a realização dos exames teóricos e práticos de direção veicular para fins de expedição da Carteira Nacional de Habilitação. O Ministério Público Federal estimou que teriam sido desviados R$ 44 milhões dos cofres públicos.

*Com informações do MPF

Anônimo disse...

Talvez eu esteja equivocado, mas Paulo Velinho não apoiou Lula e Dilma?

Anônimo disse...

Ele precisa estudar mais.
Aprender a fazer contas ajuda muito.
Uma dica: o servidor público civil contribui com 11% sobre tudo o que recebe. O trabalhador celetista tem uma escala variável de contribuições que incidem sobre uma base de cálculo reduzidíssima (conhecido como salário de contribuição).
Por isso há essa diferença.
Ou ele quer que quem mais contribua menos receba?
Sob qual fundamento?

Anônimo disse...

Aí está a prova do subdesenvolvimento desse país.

wilson1 disse...

Aqui no Rio Grande do Sul teve a ajuda, não só dele, mas principalmente dele, do PDT (PTB), que o senhor apoiou até uns anos atrás.

Anônimo disse...

Como uma comparação pode ser tendenciosa omitindo informações. Meu Deus!

Dá pra ver que é uma Opinião mesmo.

Mas as informações poderiam ser complementadas dizendo que o pessoal do setor público:

- Estudou e passou no concurso;(aproveitou a oportunidade independente de quem apoie ou não o aumento ou diminuição do Estado)
- Ganha mais porque contribuiu mais enquanto na ativa. (Óbvio)
- CONTINUA CONTRIBUINDO SENDO APOSENTADO.(ESSA NINGUÉM FALA)

Sem dizer que todos os servidores públicos federais que ingressaram no setor público após o ano de 2013 estão com seus salários limitados ao teto do INSS assim como na iniciativa privada.

Essas opiniões simplórias e frágeis não se sustentam com um sopro!

Anônimo disse...

Assino embaixo. É fruto desta merda chamada de "constituição cidadã", e da covardia do legislativo.

Anônimo disse...

Mas aí tem os tais direitos adquiridos ...

Anônimo disse...

E sobre as dívidas das empresas com a Previdência ? Somente a JBS deve R$1 Bilhão e 500 Milhões . E sobre os perdões fiscais às empresas ? E sobre as renúncias fiscais das empresas filantrópicas, hospitais particulares, Igrejas, times de futebol, faculdades particulares ? E sobre a dívida do Governo Federal com a Previdência ? Recursos da Previdência construíram Brasília, a ponte Rio -Niteroi , a Transamazonica, várias hidroelétricas , entre elas a de Itaipu, a CHESF e outras grandes obras . E a DRU ? Temos que ver o problema de todos os ângulos . As empresas brasileiras também foram ao longo de décadas beneficiadas pelos Governos Federais, com isenções , perdões e empréstimos . Culpar os Servidores Públicos pelos deficits da Previdência é muito fácil , mas não é verdadeiro. Se o País necessita de um funcionalismo Público de qualidade , terá que pagar por ele, nos mesmos níveis dos salários dos funcionários das empresas privadas. Como pagar mal um diplomata, um militar, um auditor, um analista do Banco Central , um Delegado da PF , um Analista da Receita Federal, um engenheiro nuclear, um engenheiro da Itaipu Binacional ???

Anônimo disse...

Já venho falando disto a muito tempo.
A teta vai secar e aí então eu quero ver o que vai acontecer.
Brasileiros, continuem fazendo concursos públicos e aguardem para logo mais os resultados.

Anônimo disse...

Bom, eu pertenço a segunda casta e essa reforma na Previdência não me preocupa nem um pouco, já tenho idade e tempo suficiente de contribuição, só to meio enrolado com a papelada, ainda esta me faltando o Atestado de Óbito.

Anônimo disse...

Alguém pode me esclarecer essa contabilidade?
Se o Setor público custa 156 bilhões de reais e o setor privado custa 150 bilhões de reais para o país, eu não consigo entender como é que esta reforma vai tirar o que desse pessoal?
É muita palhaçada!! Nivela tudo pelo setor privado e vamos embora, não tem o que discutir.

Anônimo disse...

Insignificante frente ao orçamento de 3,5 trilhões dá união.

Anônimo disse...

E tem uma terceira casta - a de empresários - que devem algo em torno de 800 bilhões em impostos e abriram outras empresas pra enterrar a dívida !

Essa diferença abissal nunca é referida !!

Unknown disse...

Explicitando: 11% do total de aposentados, funcionários públicos, consomem mais de 50% dos recursos da previdência!!!
Mostra a força do corporativismo estatal e a fraqueza do peleguismo sindical!!!

Anônimo disse...

A cada tentativa de mudar as coisas, algum palhaço levanta, bate no peito e brada pelo intocável direito adquirido. Está mais do que na hora de que seja criada uma nova constituição, doa a quem doer. Não estão vendo todos que estamos indo para o buraco? Estamos no Titanic, gente... Não adianta correr pelo convés. Do jeito que está, a situação é irremediável e irrecuperável. Uma nova constituição, imediatamente.

Anônimo disse...

Falou tudo.

Anônimo disse...

Então vamos fazer assim. Se quiserem falar em castas, façam assim:
Primeiro lugar: Políticos e seus asseclas
Segundo lugar: Sócios de empresas e profissionais liberais.
Terceiro lugar: Membros do Judiciário, MP, TCE, Defensoria Pública e AGU
Quarto lugar: Demais servidores
Quinto lugar: Funcionários das empresas privadas.
Estou referindo-me a todas as benesses, não só da previdência.
Políticos e asseclas: não precisa nem comentar
Sócios de empresas e profissionais liberais: sócios não pagam Imposto de Renda Pessoa Física e profissionais liberais pagam quanto querem, além das benesses do SIMPLES.
Membros da área jurídica: tem regalias semelhantes aos políticos
Demais servidores: a única benesse é a aposentadoria integral(para os servidores antigos), no entanto, pagam por tal, ganha 20 mil pagam sobre 20 mil, ao contrário dos funcionários da iniciativa privada que só contribuem sobre 5 mil e pouco.
Além disso, é bom falar que pelas regras atuais, os servidores públicos civis federais e estaduais só podem aposentar-se após os 60 anos. Além disso, na União e no RS(servidores estaduais), o teto do INSS já existe também. Além do mais, no RS os servidores estaduais pagam 14% de contribuição previdenciária, bem acima, de qualquer funcionário da iniciativa privada.