Nesta terça-feira, Sartori quer destravar votação do restante do Pacote de Ajustes

Os projetos remanescentes do pacote de ajuste fiscal do governador José Ivo Sartori voltarão à pauta da Assembleia Legislativa a partir desta terça-feira. É o que quer o governo, mas boa parte da base quer esperar pelo Plano de Recuperação Fiscal de Temer. A análise dos textos mais polêmicos, porém, tende a ser adiada pelo governo por pelo menos mais uma semana.Embora seja minoria, a oposição dá como certa a derrota do Piratini, sob a justificativa de base fragmentada.CLIQUE AQUI para saber quais as PECs que dificilmente passarão.

A demora reflete as dificuldades do Piratini para manter a fidelidade da base, prestes a perder o PDT, e garantir a adesão de deputados que se definem como "independentes", em especial do PTB. Das 11 medidas ainda em exame, seis são propostas de emenda à Constituição (PECs) e exigem o aval de pelo menos 33 dos 55 parlamentares. 

Sem votos suficientes até agora, o Piratini vinha protelando desde janeiro a apreciação das matérias Uma das PECs de maior resistência é a que retira a necessidade de plebiscito para a privatização da CEEE, da Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e da Sulgás.

Para ganhar tempo, a estratégia do Piratini é começar a destravar a pauta pelos projetos menos controversos, cujo prazo já expirou. Ao todo, existem 10 nessa situação. A tendência é de que seis deles, não relacionados ao pacote, sejam apreciados primeiro, seguidos dos outros quatro. As PECs devem ficar para a próxima semana.