quinta-feira, 16 de março de 2017

Movimento do comércio cai 6,2% em fevereiro

O movimento do comércio varejista em fevereiro foi 1,0% inferior ao verificado no mês anterior, na análise com ajuste sazonal, apontou pesquisa realizada pela Boa Vista SPC. Na comparação com fevereiro do ano passado, o recuo foi de 6,2%. 

A variação no acumulado de 12 meses até fevereiro, por sua vez, registrou queda de 3,8% ante os 12 meses antecedentes (março de 2015 a fevereiro de 2016).

A Boa Vista ponderou, em nota, que a perspectiva para o cenário econômico é de melhora, o que deverá favorecer a atividade comercial. "Com a diminuição de preços e juros, aumento do consumo das famílias e investimentos, entre outros, mantém-se a expectativa de que o varejo atinja um patamar positivo até o término do primeiro semestre de 2017."

5 comentários:

Diogo Zaddor disse...

Claro, em fevereiro o porto-alegrense só pensa em ir para o "litoral nescau" - pensado que é praia - e esquece o mundo.
Agora, quando volta e cair na real que foi tudo ilusão de mar, fica totalmente fora da casinha e acaba em terapias.
kkkkkkkkkkkkkkkk...

Anônimo disse...

É compreensivel, fevereiro é 7,14% mais curto que um mes de 30 dias,queriam o quê? nada de novo nessa noticia.

Anônimo disse...

Quando de fato vão ser extintas estas fundações que seguem dia a dia comendo barbaramente recursos públicos e pagando polpudas salários e gratificações para ociosos e desnecessários empregados públicos? Políbio investigue por que passados mais de 3 meses da "extinção em lei" dessas fracassadas e ineficientes instituições o governo Sartori não tem sido ágil e eficaz, tais recursos poderiam ser desprendidos para a situação calamitosa da segurança pública e saúde.


Frantz.

Anônimo disse...

fevereiro geralmente os bares tem bom faturamento

Diogo Zaddor disse...

A propósito de meu comentário acima: o que precisamos é de trabalho e não de férias e de "litoral nescau". Tirei 5 dias (fora do "litoral nescau") e já me sentia culpado por estar na "boa vida" tão habitual aos funcionários públicos.
Este bando (corja fica melhor) que nada contribui para o progresso. Existem locais de "trabalho" do funcionalismo público onde já se pensa nas "férias" de 2018, como se eles trabalhassem.