Brigada trará 100 policiais militares de Santa Maria para reforçar segurança em Porto Alegre

Mesmo com a chegada de homens da FNS, a população não vê a Brigada nas ruas de Porto Alegre.

Pelo menos 100 brigadianos chegarão nesta segunda-feira a tarde para reforçar o policiamento em Porto Alegre. Os policiais serão deslocados do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Santa Maria. 

O comandante do policiamento na Região Central em entrevista ao Diário de Santa Maria, coronel Ricardo Alex Hofmann, o reforço à Capital não representará desfalque em Santa Maria (informações extraoficiais dão conta que seriam mais de 100) . Segundo ele, os policiais fazem parte de uma reserva da corporação, que é mantida preparada para deslocamentos a locais com grandes eventos, ou que exijam reforço no policiamento.

— É uma reserva da corporação que pode ser deslocada para atender grandes eventos, ações ou locais que exijam reforço na segurança pública.

8 comentários:

Anônimo disse...

É comum se ler na imprensa,que faltam algumas dezenas de centenas de brigadianos,para suprir convenientemente a segurança.
Agora acabamos de tomar conhecimento que em Santa Maria,tinha 100 homens esperando permanentemente que aparecesse situação emergencial para atuarem.
Se o que está acontecendo em Porto Alegre se configura como emergencial,por que então somente agora,depois de tantos assassinatos,o comando da brigada foi se dar conta que vivia situação de emergência?
Para tomar essa providência,foi preciso tantas mortes?
Nem com o clamor da sociedade,não deu-se por flagrado o comando da brigada,de que dispunha de 100 homens "esperando"uma emergência?
Ou estes soldados estavam esperando um ataque uruguaio-argentino?

Anônimo disse...

ENQUANTO ISTO FALTAM POLICIAIS EM SANTA MARIA;

Após o Comando-Geral da Brigada Militar (BM) determinar a suspensão do Patrulhamento Intermunicipal (Patrin) nas 19 cidades da região do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon), as lideranças das tropas que atuam no policiamento ostensivo no centro do Estado planejam formas de, apesar disso, continuar o combate à criminalidade.

O primeiro passo foi se reunir com os prefeitos dessas cidades para mostrar a realidade e, junto com eles, firmar parcerias que reforcem a segurança em cada cidade (veja no quadro). Especialistas em segurança ouvidos pelo Diário acreditam que a decisão da BM em divulgar os dados que revelam, por exemplo, quantos policiais e viaturas há na cidade foi correta – na edição da última terça-feira, o Diário trouxe uma reportagem mostrando o déficit de policiais militares nesses 19 municípios.

Prefeitura de São Gabriel assinará convênio para reforçar a segurança

– Ignorância não é uma bênção. Deixar de saber não vai mudar a realidade. Descobrir que não serei atendido pela polícia porque falta efetivo só depois de me tornar uma vítima me soa como irresponsabilidade do poder público. Acreditar que os criminosos descobriram que tal cidade carece de policiais por meio de dados divulgados publicamente me parece ingenuidade. A população precisa estar preparada – relata Geverson Ferrari, especialista em Segurança Pública e Cidadania e mestre em Violência e Criminalidade pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Os dados relativo a esse déficit são da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e dão conta de que 100% dos municípios sob a responsabilidade do 1º RPMon têm efetivo defasado, sendo que 80% deles têm menos da metade do que seria considerado o ideal. O Patrin, que funcionava desde 2014, foi uma alternativa temporária encontrada para amenizar o prejuízo a cidades que não teriam condições de, sozinhas (são 11), manterem o policiamento 24 horas por dia, justamente por conta da falta de efetivo.

Três pessoas são baleadas, na madrugada de sábado, em Santa Maria

– Os efetivos de cidades próximas se juntavam para viabilizar o policiamento todo o dia, sete dias por semana – explica Worney Dellani, coronel da reserva que esteve à frente do Comando Regional de Policiamento Ostensivo (CRPO) Central entre 2014 e 2016.

O entendimento do Comando-Geral da BM foi de que, por conta do efetivo deficitário, é melhor que, se a cidade só tiver condições de manter um policial atuando no turno, que ele permaneça no município em vez de se juntar a uma equipe para patrulhar mais de uma cidade. Isso porque, pela avaliação de que se o Patrin estivesse em uma cidade, deixaria outra desguarnecida e vulnerável, e, caso acontecesse um crime nessa cidade, levaria muito tempo para a equipe se deslocar até o local.

Treinamento em portaria é um aliado contra assaltos

– O fim do Patrin foi uma má notícia. Com ele, já não conseguíamos fazer um policiamento condizente. Fica mais difícil agora. Estamos entrando no sinal vermelho – conta o comandante do 1º RPMon, tenente-coronel Erivelto Hernandes Rodrigues.

Especialistas apontam propostas para este momento de crise

O Coordenador do Núcleo de Segurança Cidadã da Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma), Eduardo Pazinato, pensa de maneira semelhante ao tenente-coronel Hernandes, mas supõe que a decisão do fim do Patrin foi tomada baseada no pressuposto de que as equipes disponíveis poderiam dar conta desde que organizadas de forma a combater focos de violência.

Casos de violência doméstica contra a mulher diminuem em Santa Maria

– Creio que seja a forma mais interessante. Já que as polícias militar e civil trabalham juntas em muitas operações, essa parceria deve ser ainda mais recorrente. Os dois órgãos enfrentam déficit de efetivo, mas os dois dependem um do outro – relata Pazinato.

Liea mais em ;
http://diariodesantamaria.clicrbs.com.br/rs/geral-policia/noticia/2017/03/alternativas-na-seguranca-com-o-fim-do-policiamento

Anônimo disse...



Pura conversa mole, não existe efetivo reserva para ser apenas utilizado em eventos.

As atuais forças de Operações Especiais, antigas forças de choque, são empregadas no policiamento rotineiro, a diferença é que (além da farda diferenciada) não trabalham sozinhos ou em duplas como os outros PMs, mas sim em grupos.



Dr. FAÇANHA disse...

Eu tenho. Honestamente falando...

Anônimo disse...

CADA BAIRRO OU SUBPREFEITURA DE POA DEVERIA CONTAR COM NO MÍNIMO 20 A 30 POLICIAIS DA BM, O QUE DARIA PARA CERCA DE 40 BAIRROS E MAIS 40 VILAS, 1600 A 2400 POLICIAIS, APENAS EM POA! COMO POA REPRESENTA 1,5 MILHÕES DE HAB. TERÍAMOS 8 VEZES MAIS PARA TODO O ESTADO OU 12800 A 18 MIL POLICIAIS. MAS PARECE QUE ISSO NÃO EXISTE. PARECE QUE HÁ 2 A 4 POLICIAIS POR BAIRRO! É UMA VERGONHA! TEM POLICIAL DORMINDO, TEM POLICIAL CUIDANDO DE PRESOS, TEM POLICIAL CUIDANDO DE ESTADIO DE FUTEBOL, TEM POLICIAL EM DESVIO DE FUNÇÃO, TEM POLICIAL APOSENTADO COM 48 ANOS DE IDADE, TEM POLICIAL DENTRO DO QUARTEL, TEM POLICIAL MULTANDO, E QUANDO HÁ POLICIAL NA RUA, ELE ESTÁ CONCENTRADO, COM CELULAR TROCANDO WHATS UP, COM CABEÇA BAIXA, OU AINDA SE ENCONTRA CONVESCOTE DE 4 A 6 POLICIAIS REUNIDOS NA CALÇADA EM GRANDES PAPOS! UMA TRAGÉDIA. AH! E TEM AZUIZINHOS COBRANDO MULTA DAS 8 ÀS 18 HORAS, PARA PAGAR SEUS SALÁRIOS, SENDO AINDA DEFICITÁRIOS! E OS POLICIAIS DO MUNICÍPIO SERVEM PARA QUE?

Anônimo disse...

como assim traaer de santa maria, santa maria está um caos com viloencia pura nem na ruas a gente pode andar mais, sao assaltos e assassinatos a rodo, como assim tirar ,se nem em santa maria tem policiamento, me ajuda aí mestre polibio, isto é o que deu 14 anos de pt no desgoverno =o pais afundou, estados sem grana p investir em segurança

Anônimo disse...

Quer dizer que haviam 100 policiais do BOE ociosos?? É isto mesmo ou eu li errado? O gringo não sabia disto? O Schirmer também não sabia?

Anônimo disse...

Estou aqui em Barcelona....acabei de chegar vindo de 12 dias em Lisboa e Porto..
Ando com Euros...mochila e Maquina fot. no pescoço...e Tranquilo....Porquê??
Porque em cada esquina estão no minimo dois policiais...de BMW ou Motos BMW 900 cc.
38???não...Sub-metralhadoras...
É assim que tem que ser...Ouviu Cabeça de Bagre..Sartori..Schirmer, O Inutil.