Artigo, Darcísio Perondi, deputado, PMDB do RS - A reforma vai acabar com a aposentadoria precoce

Reforma da previdência acaba com privilégios e aposentadorias precoces.

CLIQUE AQUI para ler, també, "E se não houvesse reforma da previdência ?", Estadão de hoje.

O Partido dos Trabalhadores (PT), a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e algumas entidades corporativas estão empenhadas em impedir a aprovação da reforma da previdência, em tramitação na Câmara Federal. A oposição vem mentindo para a população e tentando evitar que seja feita a igualdade e a justiça social entre os trabalhadores. A reforma não prejudica o trabalhador mais pobre e sim acaba com distorções e privilégios na aposentadoria de setores específicos do serviço público, acabando com aposentadorias precoces, antes dos 50 anos, e com valores estratosféricos.


A reforma acaba com aposentadorias precoces da elite do serviço público, que inclui os novos auditores, juízes e promotores, tanto no Brasil quanto nos estados, que provocam um rombo de R$ 164 bilhões por ano aos cofres públicos. 

Parece mentira, mas é verdade. 

Essas categorias, mais os novos deputados e senadores, ministros do Supremo Tribunal Federal e até o presidente da República, vão ter que se aposentar com valores de até 10 salários mínimos (R$ 5.155,00), teto da previdência. Se quiserem receber mais, terão que fazer capitalização. Isso é uma quebra de privilégios poderosa. Por isso que o PT e a CUT estão contra.